CONSIDERAÇÕES SOBRE A (IM)POSSIBILIDADE DE OBJETIVIDADE NA AUDIODESCRIÇÃO

Marcella Wiffler STEFANINI

Resumo


O presente artigo pretende discutir a (im)possibilidade de objetividade na elaboração de um roteiro de audiodescrição. Para isso, inicia-se com uma discussão sobre como a subjetividade tem sido abordada nos estudos da tradução, para, em seguida, avaliar-se como ela é encarada nos estudos envolvendo a audiodescrição e, mais especificamente, como ela aparece em manuais e guias para elaboração dessa modalidade de tradução audiovisual. Por fim, propõe-se a análise de dois roteiros de audiodescrição para o mesmo curta-metragem, a partir da qual foi possível concluir que, mesmo quando se tenta ser objetivo/a, momentos de subjetividade e interpretação inevitavelmente transparecerão na tradução.

Palavras-chave


Tradução; Audiodescrição; Subjetividade

Texto completo:

PDF

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Intercâmbio está indexada em:

       

Catálogo de Bibliotecas:

ISSN 2237-759X

A Intercâmbio e os textos aqui publicados estão licenciados com uma Licença Creative Commons Attribution-NoDerivatives 4.0 International. Baseado no trabalho disponível em http://revistas.pucsp.br/intercambio. Podem estar disponíveis autorizações adicionais às concedidas no âmbito desta licença em http://revistas.pucsp.br/intercambio.