Lutas sociais na nova desordem-o 11 de setembro e após

Lúcio Flávio Rodrigues Almeida

Resumo


Encerrada a Guerra-Fria, pareceu se instalar uma duradoura nova ordem mundial sob ahegemonia da única superpotência planetária. Em pouco tempo, este ordenamento serevelou bastante precário, apesar da recorrente afirmação de supremacia políticomilitarnorte-americana. As novas lutas sociais desempenharam papel decisivo para aprodução e visibilidade desta crise de hegemonia. Em que medida, seus avançosficaram comprometidos pelos impactos políticos dos atentados de 11 de setembro de2001? Inversamente, a nova conjuntura é favorável à recomposição da hegemonianorte-americana? O presente artigo é um esboço de contribuição para o exame dosnexos entre lutas sociais e relações internacionais neste turbulento início de milênio.

Palavras-chave


Lutas sociais; ideologias; marxismo; movimentos sociais; Estado

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


AGUITON, Christophe (1998). “Francia: ha nacido un nuevo movimiento social”. Lutas

Sociais,4.

AMIM, Samir (1994). L’ethnie à l’assaut des nations: Yougoslavie, Ethiope (avec une

collaboration de Joseph Vansy), Paris, L’Harmattan.

ANDERSON, Perry (1995). “Balanço do liberalismo”. In SADER, Emir e GENTILI, Pablo

(orgs.). Pós-neoliberalismo: as políticas sociais no Estado democrático. Rio de

Janeiro, Paz e Terra,

BETTELHEIM, Charles e SWEEZY, Paul (1972). Sociedades de transição, lutas de classes

e ideologia proletária. Porto, Portucalense.

BIHR, Alain (1998). Da Grande Noite à Alternativa, São Paulo, Boitempo, 1998.

_________(2001). “Os desafios atuais do movimento operário”, Lutas Sociais, 7.

CHESNAIS, François e JÉRÉMIE, (2001). “Notes de réflexions”. Carré Rouge, 19.

Chossudowsky, Michel (1999). A globalização da pobreza, São Paulo, Moderna.

DUMENIL, Gérard e LÉVY, Dominique (orgs.) (1999). Le Triangle Infernale: crise,

mondialisation, financiarisation, Paris, PUF/Actuel Marx, 1999.

FERRO, Marc (2002). “Entrevista”. Folha de S. Paulo, 25/12/01.

GALVÃO, Andréia (2001). “Relembrando dezembro: o debate sobre as greves francesas

de 1995”. Lutas Sociais, 8.

LinharT, Robert (1978). L’Établi. Paris, Éditons de Minuit.

MONCLAIRE, Stéphanie (2001). « Democracia, transição e consolidação : precisões

sobre conceitos bestializados ». Revista de Sociologia e Política, 17.

Noctiummes, Tania e Page, Jean-Pierre (2001). “La croisade de George Bush Junior”. In

VVAA. L’empire em guerre. Paris, Les Temps des Cerises.

RAMONET, Ignacio (2002). “Adieu libertés”. Le Monde Diplomatique, jan/02.

RODRIGUES, Miguel U. (2002). “Entrevista”. Princípios, 63.

ROGALSKI, Michel (2001). “Internacionalistas e novos mundialistas: a grande

convergência após Seattle”. Lutas Sociais, 7.

SANTOS, Ariovaldo O. (1999). “O ‘novo modelo americano’: dos empregos MC Donald’s

à greve dos teamsters (UPS)” Lutas Sociais, 6.

SEOANE, José e TADDEI, Emilio (orgs.). (2001). Resistências mundiais: de Seattle a

Porto Alegre. Petrópoles, Vozes, 2001.

SILVA, Ricardo (1995). “Democracia delegativa ou vicissitudes da transição?”. Revista

de Sociologia e Política, 4/5

VAKALOULIS, Michel (org.). (1999). Travail salarié et conflit social, Paris, Actuel

Marx/PUF, 1999.

VITULLO, Gabriel (2001). « Transitologia, considologia e democracia na América Latina:

uma revisão crítica”. Revista de Sociologia e Política, 17.

WALLERSTEIN, Immanuel (2001). “Cuidado! Estados Unidos podría

prevalecer”. La Jornada, 29/8/01.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Lutas Sociais
Revista do Núcleo de Estudos de Ideologias e Lutas Sociais (NEILS)
Programa de Estudos Pós-Graduados em Ciências Sociais – PUC/SP
Ministro Godói, 969 - 4º andar – Perdizes
CEP: 05015-001 - São Paulo - SP - Brasil
Fone/Fax: (+55 11) 3670-8517

Lutas Sociais está indexada em: