Narrativas sobre a metrópole centenária: Simmel, Hessel e Seabrook

Carlos Fortuna

Resumo


A metrópole e a vida do espírito, de Georg Simmel, é abordado como texto seminal da sociologia urbana e da análise dos comportamentos humanos em contextos metropolitanos. Estabelece-se uma relação entre a atitude blasé e o surgimento da figura do flâneur. Esta é tratada a partir dos contributos de Franz Hessel de finais da década de 1920 que retrata com algum romantismo o universo metropolitano europeu anterior à Segunda Guerra Mundial. A terminar, o texto interroga a existência da flânerie nas megacidades do sul global de hoje. O autor usa o recente relato de J. Seabrook para ilustrar como, passados cem anos, a metrópole de Simmel passou por profundíssimas transformações. Se se puder ainda falar de flânerie, certamente ela sofreu uma alteração radical da sua natureza. De tal modo que essa mudança implica a revisão epistémica da sociologia urbana.

Palavras-chave


Simmel; metrópole; flânerie; cânone urbano

Texto completo:

PDF

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Apoio: