Dispersão espacial da população e do emprego formal nas regiões de influência do Brasil contemporâneo

Carlos Lobo, Ralfo Matos

Resumo


Desde finais da década de 1970, vários autores aventaram a hipótese de reversão da polarização no Brasil, como proposto pelos modelos aplicados nos países desenvolvidos. Diante das controvérsias, o objetivo deste trabalho foi avaliar a magnitude da dispersão espacial da população nas Regiões de Influência das principais metrópoles brasileiras, definidas pelo IBGE. Foram utilizadas as bases dos últimos Censos Demográficos e da Relação Anual das Informações Sociais, a partir das quais foi possível identificar os fluxos da população e da mão de obra ativa formal. Os resultados indicam a intensificação na ocupação dos espaços além das Regiões Metropolitanas. No caso da metrópole paulista, o crescimento desses deslocamentos para sua Região de Influência direta parece confirmar uma espécie de “dispersão polinucleada”.

Palavras-chave


dispersão espacial; migração; mobilidade de trabalhadores formais; regiões de influência e dispersão polinucleada

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.1590/5892

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Apoio: