DISCLOSURE NA SAÚDE SUPLEMENTAR: Uma análise sob a ótica dos beneficiários de planos de saúde

Rosicleide Nascimento da Silva Cunha, Marilia Augusta Raulino Jácome, Márcia Maria de Medeiros Travassos Saeger, Tabira de Souza Andrade

Resumo


Este trabalho analisou o disclosure na saúde suplementar sob a ótica dos beneficiários dos planos de saúde. Para tanto, se utilizou um survey elaborado pelos autores, composto por 03 partes: I – caracterização dos respondentes, II – Perfil do respondente na saúde suplementar e III – Percepção do disclosure.  Após o pré-teste e aplicação, se deu a análise dos dados mediante a frequência das respostas e a utilização das médias para a comparação das respostas entre os grupos de beneficiários, por plano de saúde, principalmente relacionado à expectativa quanto ao Índice de Sustentabilidade no Mercado (IDSM). Os resultados indicam que as expectativas dos beneficiários podem ser consideradas irrealistas, uma vez que eles superdimensionam a situação financeira de suas OPS. Os beneficiários de planos de saúde atribuem um alto grau de importância às informações financeiras e contábeis, contudo, demonstraram insipiência no aspecto de acesso a estas. Esta insipiência se confirma quando analisada de forma comparativa com outras questões, em que 67% dos beneficiários afirmaram nunca acessarem o site da ANS, e ainda, 70% do total de participantes da pesquisa possuem plano de saúde há pelo menos 5 anos, o que implica em uma preocupação quanto à necessidade de se buscar novas formas ou canais de comunicação com o público de beneficiários.


Palavras-chave


Disclosure (divulgação); Saúde suplementar; beneficiários dos planos de saúde; Operadoras de planos de saúde (OPS)

Texto completo:

PDF

Referências


Andrade, M. V., & Maia, A. C. (2009). Diferenciais de utilização do cuidado de saúde no sistema suplementar brasileiro. Revista de Estudos Econômicos, 39(01), p. 7-38. Recuperado em 9 fevereiro, 2018, de http://www.scielo.br/pdf/ee/v39n1/v39n1a01.pdf.

Brasil. ANS. Recuperado em 20 fevereiro, 2019, de http://ans.gov.br/.

________. Lei nº 9.961, de 28 de janeiro de 2000. (2000). Cria a Agência Nacional de Saúde Suplementar – ANS e dá outras providências. Casa Civil, subchefia para assuntos jurídicos, Brasília, DF. Recuperado em 12 novembro, 2018, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9961.htm.

_______. Lei nº 9.656, de 03 de junho de 1998. (1998). Dispõe sobre os planos de seguros privados de assistência à saúde. Casa Civil, subchefia para assuntos jurídicos, Brasília, DF. Recuperado em 18 novembro, 2018, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9656compilado.htm.

Cecílio, L. C. O., & Merhy, E. E. (2004). Perspectivas da regulação da saúde suplementar diante dos modelos assistenciais. Ciência & Saúde Coletiva, 9(2), p. 433-444. Recuperado em 18 fevereiro, 2018, de http://www.scielo.br/pdf/csc/v9n2/20397.pdf.

Dantas, J. A., Zendersky, H. C., & Niyama, J. K. (2008). A dualidade entre os benefícios do disclosure e a relutância das organizações em aumentar o grau de evidenciação. Economia & Gestão, 11(5), p. 56-76.

Elshandidy, T., & Neri, L. (2015). Corporate governance, risk disclosure practices, and market liquidity: comparative evidence from the UK and Italy. Corporate Governance: An International Review, 23(4), p. 331-356.

Jácome, M. A. R. (2018). Regulação como indutora de práticas de controle interno na saúde suplementar. 2018. Dissertação de Mestrado em Contabilidade, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, PB, Brasil.

Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras - FIPECAFI. (2010). Manual de contabilidade societária: aplicável a todas as empresas de acordo com as normas internacionais e do CPC. (3a ed). São Paulo: Atlas.

Hidalgo, R. L., García-Meca, E., & Martínez, I. (2011). Corporate governance and intellectual capital disclosure. Journal of Business Ethics, 100(3), p. 483-495.

Iudicibus, S. (2004). Teoria da Contabilidade. São Paulo: Atlas.

Lanzana, A. P. (2004). Relação entre Disclosuree Governança Corporativa das Empresas Brasileiras. Dissertação de Mestrado em Administração, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Leal, R. M., & Matos, J. B. (2009). Planos de saúde: uma análise dos custos assistenciais e seus componentes. Revista de Administração de Empresas, 49(4), p. 447-458.

Montone, J. (2002). ANS 2002: Balanço das Atividades. Palestra proferida na Associação Nacional dos Procuradores da República, na cidade do Rio de Janeiro – RJ, em 19 de dezembro de 2002. Série ANS (5). (Ed. Esp.). Rio de Janeiro: Agência Nacional de Saúde Suplementar.

Moreira, V. L. (2012). A nomeação dos reguladores - entre o radicalismo e a moderação das propostas de reforma. Textos de Regulação da Saúde, 11(2).

Niyama, J. K. & Gomes. A. L. O. (1996). Contribuição ao aperfeiçoamento dos procedimentos de evidenciação contábil aplicáveis às demonstrações financeiras de bancos e instituições assemelhadas. Anais do XV Congresso Brasileiro de Contabilidade, Brasília, DF, Brasil.

Oliveira, J. F. R., Viana Júnior, D. B. C., Ponte, V. M. R., & Domingos, S. R. M. (2017). Indicadores de desempenho e valor de mercado: uma análise nas empresas listadas na BM&FBovespa. Revista Ambiente Contábil, 9(2), p. 240-258.

Savvides, S. C., & Savvidou, N. (2012). Market risk disclosures of banks: a cross-country study. International Journal of Organizational Analysis, 20(4), p. 379-405.




DOI: https://doi.org/10.23925/2237-4418.2019v34i2p119-136

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2019 Pensamento & Realidade

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

e-ISSN: 2237-4418
ISSN Impresso: 1415-5109

Indexado em: