Trabalho e desenraizamento: um estudo sobre o sofrimento psicossocial gerado pela organização do trabalho fabril

Bernardo Parodi Svartman

Resumo


Este artigo tem como objetivo discutir a atualidade do fenômeno psicossocial descrito por Simone Weil como desenraizamento operário. A autora, a partir de sua experiência de trabalho nas fábricas de Paris nos anos de 1935 e 1936, utilizou este conceito para descrever e analisar o sofrimento gerado pela organização do trabalho fabril. Buscou-se aqui comparar as reflexões da autora com entrevistas realizadas com nove trabalhadores metalúrgicos de fábricas da região do ABC paulista sobre as memórias das experiências de trabalho. A análise das biografias profissionais procurou responder a seguinte pergunta: as transformações ocorridas no mundo do trabalho, conhecidas genericamente como reestruturação produtiva, teriam transformado o fenômeno descrito por Simone Weil como desenraizamento operário? Os resultados apontam que o problema do desenraizamento é persistente e deve ser compreendido como intrinsecamente relacionado à organização capitalista do trabalho.

Texto completo:

PDF

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Direitos autorais

ISSN Impresso: 1413-4063
ISSN Eletrônico: 2594-3871


Psicologia Revista  está indexada em: