Meu nome era Sabina Spielrein. Eu fui também psicanalista

Paula Regina Peron, Flávia Ripoli Martins

Resumo


O presente trabalho resgata a importância de Sabina Spielrein, uma das primeiras mulheres da história da psicanálise, recordando sua trajetória biográfica e proposições sobre o conceito de pulsão de morte, e examinando contribuições à compreensão freudiana relativa a esse conceito. As principais referências foram textos de Spielrein e de Freud e documentos históricos, como as cartas trocadas entre Freud, Jung e Spielrein, o diário pessoal da autora e as “Atas da Sociedade Psicanalítica de Viena”. Percebemos que há entre Freud e Spielrein uma trajetória de questões semelhantes acerca da psicose, que fomenta o estudo da pulsão de morte. O artigo assinala que ambos valeram-se do pensamento  biológico para suas proposições e que apresentam considerações semelhantes  sobre o sadismo e o masoquismo. Quanto à pulsão de morte, para Freud trata-se de pulsão que objetiva a redução absoluta das tensões, conduzindo o ser vivo de volta ao estado inorgânico pela via do desligamento e da destruição. Para Spielrein, a pulsão de morte está oculta na pulsão sexual e, apesar de visar à destruição, objetiva a transformação, morte para o antigo e vida para o que vai surgir.


Palavras-chave


Sabina Spielrein; Freud; pulsão de morte

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.23925/2594-3871.2019v28i1p37-60

Direitos autorais 2019 Psicologia Revista

ISSN Impresso: 1413-4063
ISSN Eletrônico: 2594-3871


Psicologia Revista  está indexada em: