Escritos de viagem, a religião e a invenção do outro: representando identidade em "floresta das maravilhas"

Davi Silva Gonçalves

Resumo


A proposta deste artigo é analisar como o conhecimento de mundo dos escritores de viagem do Velho Mundo determinou como estes entenderiam o espaço americano. Tal conhecimento é mais especificamente direcionado, em meu estudo, ao campo da religião e política, sendo que minha análise visa a escrutinar como tais áreas permitiram – e ainda permitem – que se chegasse a conclusões questionáveis, uma vez que tanto o cristianismo quanto o capitalismo (instituições cruciais na sociedade ocidental) possuem uma tradição normativa de desconsiderar a possibilidade de que quaisquer significados desviem de sua estrutura. Meu contexto específico, assim, concerne ao livro de viagens A Journey in Brazil (Agassiz, 1868) e a compilação de Maria Helena Machado do diário de William James – Brazil through the Eyes of William James (James, 2006) – ambos escritos durante a mesma viagem para a Amazônia. Os principais resultados da pesquisa são: os projetos ambiciosos de Louis Agassiz na América – mais especificamente na Amazônia – impossibilitaram que ele fosse tão desafiado pela viagem quanto William James; existe evidência literária suficiente para se afirmar que, em termos gerais, seu chauvinismo cristão o deixou imóvel frente à diferença.

Palavras-chave


Literatura de Viagem; América; Amazônia

Texto completo:

PDF (English)

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A REVELETEO está indexada em:

Presente nas seguintes Bibliotecas: