Um comparativo entre a política de energia renovável no Brasil e na China

Michel Augusto Santana da Paixão, Sílvia Helena Galvão de Miranda

Resumo


Na busca de um crescimento econômico sustentável, é necessária uma oferta de energia crescente que garanta a produção industrial e o bem-estar da população. Na atualidade, reconhece-se que a energia deva vir preferencialmente de fontes menos poluentes, com baixa emissão de Gases do Efeito Estufa (GEE). Brasil e China são duas grandes economias que enfrentam desafios semelhantes para alcançar o desenvolvimento sustentável e, portanto, no campo da oferta energética. Este artigo visa apresentar um comparativo entre as políticas de promoção da oferta e do uso de energias renováveis dos dois países, buscando identificar sinergias, distinções e experiências que funcionem para países de desafios continentais. O Brasil possui um longo histórico nesse segmento, destacadamente desde a década de 70, com uma matriz energética bem diversificada, com alta participação de energias renováveis e até elevado grau de concentração em algumas das fontes. O papel de programas governamentais de incentivo, como o Proalcool e o Proinfa, é evidente. No Brasil, contudo, a oferta energética total, incluindo a renovável, não está condizente com a demanda projetada para os próximos anos, caso o País retome um padrão de crescimento razoável. Por outro lado, a China, nos últimos anos, registrou um crescimento industrial e econômico bastante significativo, tornando-se a primeira no ranking das emissões de GEE. Esse status levou esse país à recente adoção de políticas de promoção de fontes renováveis, tal como a Lei dos Renováveis de 2006. A comparação da política energética dos dois países aponta que, em detrimento da experiência antiga do Brasil em uso de fontes renováveis em larga escala, a recente política de promoção de renováveis chinesa tem mostrado resultados que superam aqueles alcançados pelo Brasil. Dentre estes, destaca-se que a China ultrapassou o Brasil em produção de energia de fontes renováveis no conjunto das diversas fontes, embora ainda seja superado pelo Brasil na produção de etanol. Atribui-se essa performance, além de à Lei dos Renováveis, a presença de uma política industrial bem-sucedida, capaz de prover equipamentos para a construção desses empreendimentos para oferta de energia renovável.

Palavras-chave


Energia renovável, política energética, Gases do Efeito Estufa (GEE), matriz energética, Brasil, China

Texto completo:

PDF

Referências


Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais – ABIOVE. Disponível em < http://www.abiove.org.br/site/index.php?page=estatistica&area=NC0yLTE= > Acesso em: 17 de abr. de 2016.

BAER, W. The Brazilian Economy Growth & Development. Colorado: Lynne Rienner Publisher, Inc, 2014. 469 p.

BRASIL. Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial – ABDI. Disponível em:< http://www.abdi.com.br/Paginas/politica_industrial.aspx >. Acesso em: 25 abr. 2016.

BRASIL. Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial – ABDI. Dez anos de política Industrial: balanço e perspectivas. Disponível em:< http://www.abdi.com.br/Estudo/Artigos%20ABDI%20-%20Externo%2024042015.pdf >. Acesso em: 5 mai. 2016.

BRASIL. Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL). Aprovado valor do custeio do Proinfa para 2016. Disponível em:< http://www2.aneel.gov.br/aplicacoes/noticias/Output_Noticias.cfm?Identidade=9009&id_area= >. Acesso em: 17 abr. 2016.

BRASIL. Ministério de Minas e Energia – Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético – Empresa de Pesquisa Energética. Plano Nacional de Energia 2023. Brasília, 2014. 434 p.

BRASIL. Ministério de Minas e Energia – Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético – Departamento de Desenvolvimento Energético. Relatório do Grupo de Trabalho de Geração Distribuída com Sistemas Fotovoltaicos – GT – GDSF. Brasília, 2008. 93 p.

BRASIL. Portal Brasil – Aumento do biodiesel no diesel ajudará Brasil a cumprir metas ambientais, afirma Dilma. Disponível em:< http://www.brasil.gov.br/governo/2016/03/aumento-do-biodiesel-no-diesel-ajudara-brasil-a-cumprir-metas-ambientais-afirma-dilma >. Acesso em: 17 abr. 2016.

BRASIL. Plano Brasil Maior – Inovar para competir. Competir para crescer. Plano 2011/2014. 2011. Disponível em:< http://www.brasilmaior.mdic.gov.br/wp-content/uploads/2011/11/plano_brasil_maior_texto_de_referencia_rev_out11.pdf >. Acesso em: 27 abr. 2016.

China. U. S. ENERGY INFORMATION ADMINISTRATION. Washington, DC, 14 mai. 2015. Disponível em: < https://www.eia.gov/beta/international/analysis_includes/countries_long/China/china.pdf > Acesso em: 18 jan. 2016.

DELGADO I. G. Política Industrial na China, na Índia e no Brasil: Legados, Dilemas de coordenação e Perspectivas. Brasília: Instituto de Pesquisas Econômicas Avançadas (IPEA), 2015, 72 p. (Texto para Discussão).

ELÉTROBRAS. Programas: Proinfa. Disponível em: < http://www.eletrobras.com/elb/data/Pages/LUMISABB61D26ITEMID4CD80A9D8141489CAE9A9A81D0E177E0PTBRIE.htm >. Acesso em: 17 jan. 2016.

FANG, Y. Economic welfare impacts from renewable energy consumption: The China experience. Renewable and Sustainable Energy Reviews, v. 15 p. 5120-5128, 2011.

FAPESP, ACADEMIA BRASILEIRA DE CIÊNCIAS, INTERACADEMY COUNCIL. Um futuro com energia sustentável: Iluminando o caminho. Tradução de BORBA, M.C.V.; GASPAR, N.F. São Paulo, 2010. 300 p. Disponível em: < http://www.bv.fapesp.br/en/publicacao-fapesp/8278/futuro-energia-sustentavel-iluminando/ >. Acesso em: 16 jan. 2016.

GUERRIERO, I. R. A Recente Política Industrial Brasileira: Política de Desenvolvimento Produtivo e Plano Brasil Maior. In: XVII Encontro Nacional de Economia Política, 2012, Rio de Janeiro. Anais do XVII Encontro Nacional de Economia Política, 2012.

INTERNATIONAL RENEWABLE ENERGY AGENCY. Remap 2030: A Renewable Energy Roadmap. Abu Dhabi: IRENA, 2014. 104 p.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA. Diagnóstico e desempenho recente da Política de Desenvolvimento Produtivo. In: Brasil em desenvolvimento: Estado, planejamento e políticas públicas. IPEA, 2009. 225-259 p.

LA ROVERE, E.L. (Coord.). Projeto “A Carta do Sol”: subsídios para o planejamento da promoção da energia solar fotovoltaica no Brasil. Disponível em: < http://www.lima.coppe.ufrj.br/includes/pages/projetos/cartadosol/Relatorio%20Tecnico%20para%20a%20Carta%20do%20Sol.pdf >. Acesso em: 16 jan. 2016.

LIN, C. Industry policies and structural change in China, 1979-2000. National Policy Foundation. NPF Research Report, jun 8. 2001.

LO K. A critical review of China’s rapidly developing renewable energy and energy efficiency policies. Renewable and Sustainable Energy Reviews, v. 29, p. 508-516, 2014.

MASIERO, G.; COELHO, D. B. A política industrial chinesa como determinante de sua estratégia going global. Revista de Economia Política, v. 34, p. 139-157, 2014.

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA. Programa de Incentivo às Fontes Alternativas de Energia Elétrica. Disponível em:< http://www.mme.gov.br/programas/proinfa/ >. Acesso em: 17 jan. 2016.

MORETTO, E., M.; GOMES, C. S.; ROQUETTI, D., R.; JORDÃO, C. DE O. Histórico, Tendências e Perspectivas no Planejamento Espacial de Usinas Hidrelétricas Brasileiras: a antiga e atual fronteira Amazônica. Ambiente & Sociedade, v. 15, n.3, p. 141-164, 2012.

O VALOR ECONÔMICO. Lula editou MP que adia multa a programa atrasado. São Paulo, 04 jan. 2011. Disponível em: < http://www.valor.com.br/arquivo/865717/lula-editou-mp-que-adia-multa-programa-atrasado >. Acesso em: 20 jan. 2016.

PRASAD, E. China’s growth and integration to world economy. Occasional Paper, nº 232, IMF, 2004.

PEREIRA, E.B.; MARTINS, F.R.; ABREU, S.L. de; RÜTHER, R. Atlas Brasileiro de Energia Solar. São José dos Campos: Ministério de Ciência e Tecnologia, Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos, Divisão de Clima e Meio Ambiente, 2006. 64 p.

RENEWABLE ENERGY POLICY NETWORK FOR THE 21st CENTURY. Renewables 2015: Global Status Report. Paris: REN21 Secretariat, 2015. 251 p.

REVISTA PÁGINA 22. Um gigante com pés de carvão. < http://www.pagina22.com.br/2015/02/02/um-gigante-com-pes-de-carvao/ > Acesso em: 20 jan. 2016.

RODRIGUES, R. A.; ACCARINI, J. Brazil’s Biodiesel Program. Ministry of External Relations, Government of Brazil. Disponível em: < http://www. dc. mre. gov. br/imagens-e-textos/Biocombustiveis-09ingprogramabrasileirobiodiesel. pdf >. Acesso em: 20 abr. 2016. 2009.

SCHUMAN S.; LIN A. China’s Renewable Energy Law and its impact on renewable power in China: progress, challenges and recommendations for improving implementation. Energy Policy, v. 51, p. 89-109, 2012.

WANG Z.; QIN H.; LEWIS JI. China’s wind power industry: policy support, technological achievements, and emerging challenges. Energy Policy, v. 51, p. 80-88, 2012.

ZHAO X.; WANG J.; LIU X.; LIU P. China’s wind, biomass and solar power generation: what the situation tells us?. Renewable and Sustainable Energy Reviews, v. 16, n.6, p. 173-182, 2012.


Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.