Indústria Extrativa Mineral no Brasil: Uma Análise a Partir do Paradigma Estrutura-Conduta-Desempenho (ECD)

Álvaro Alves de Moura Jr., Joaquim Carlos Racy, Pedro Raffy Vartanian, Vitória Batista Santos Silva

Resumo


A Indústria extrativa mineral é hoje uma das principais atividades econômicas brasileiras, sobretudo pela sua importância para a balança comercial. Como será analisado, o setor tem uma diversificação de sua atividade com relação às substâncias extraídas, no entanto o minério de ferro é o produto que concentra mais de 60% da produção setor, bem como 91% das exportações de minério, o que torna o País o segundo maior de produtor mundial do minério. Neste sentido, o objetivo do presente artigo é analisar o setor à luz do paradigma ECD. O setor se mostra, em termos de estrutura, concentrado e com elevadas barreiras à entrada de novos concorrentes. Quanto às condutas, identificou-se uma forte influência das empresas na oferta global dos minérios, que afetam o preço no mercado internacional. Em termos de desempenho, o estudo aponta para uma elevada competitividade de boa parte das substâncias extraídas em território nacional. Ademais, cabe destacar uma forte atuação das políticas regulatórias sobre o setor, que influenciam todos os elementos do paradigma ECD.


Palavras-chave


Paradigma Estrutura-Conduta-Desempenho, Indústria Extrativa Mineral, Competitividade

Texto completo:

PDF

Referências


Agência Nacional de Mineração. Disponível em: http://www.anm.gov.br.

CARLTON B.; PERLOFF, J. Modern Industrial Organization. Harper Collins, 1994.

Censo do Capital Estrangeiro. Banco Central do Brasil. Disponível em: http://www.bcb.gov.br/rex/censoCE/port/censo.asp?idpai=cambio

Produção Industrial Anual (PIA). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/economia/industria/pia/empresas/2012/defaultempresa.shtm.

Fagundes, J.; PONDE, J.L. Defesa da Concorrência e Regulação. Texto para discussção, IE/UFRJ, 1998. Disponível em: http://www.ie.ufrj.br/grc/pdfs/barreiras_a_entrada_e_defesa_da_concorrencia.pdf.

FARINA, E. M. M. Q. Competitividade: mercado, estado e organizações. São Paulo: Singular, 1997.

FERRAZ, J.C.; COUTINHO, L. (Orgs.). Estudo da Competitividade Industrial Brasileira. Campinas: Papirus e Unicamp, 1994.

Index Mundi. Disponível em: www.indexmundi.com.

PINTEC - Pesquisa de Inovação. IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.. 2014. Disponível em: www.pintec.ibge.gov.br.

Instituto Brasileiro de Mineração (IBRAM). Disponível em: http://www.ibram.org.br.

Ministério do Desenvolvimento Indústria e Comércio Exterior (MDIC). Disponível em: www.mdic.gov.br.

Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Pesquisa de Inovação PINTEC – 2011. Instruções para o preenchimento do questionário. Rio de Janeiro: IBGE, 2012.

POSSAS, M. L. Estrutura de Mercado em Oligopólio. São Paulo: Hucitec, 1985.

SCHERER, F.; ROSS, D. Industrial Market Structure and Economic Performance. Boston: H. Mifflin, 1990.

USGS Mineral Resources Program. Disponível em: https://minerals.usgs.gov.




DOI: https://doi.org/10.23925/1806-9029.2018v30i2p116-144

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Indexadores:

Nacionais:

pesquisa & debate


Internacionais: