Teoria econômica e as relações sociais de produção

Joaquim Carlos Racy, Álvaro Alves de Moura Jr., Paulo Rogério Scarano

Resumo


O objetivo do presente artigo é analisar como o neoinstitucionalismo surge de uma tentativa conservadora de incorporar as instituições ao debate econômico, sem, contudo, abordar as relações sociais de produção que as ensejam. O pensamento econômico conservador tradicionalmente buscou uma abordagem a-histórica, que pregava a existência de uma ciência econômica pura, subestimando o papel das instituições e evitando as questões subjacentes às relações distributivas. Essa visão a-histórica, típica da ortodoxia econômica, vale-se das dificuldades próprias dos métodos relacionados à História em estabelecer leis baseadas numa regularidade constatável do comportamento humano, considerando, assim, o produto dessa ciência um conhecimento vulnerável. Neste sentido, aprofundar o diálogo entre a Economia e a História implica incorporar, além do estudo das instituições, a análise da evolução das relações sociais de produção. Este ponto revela-se de importância capital para o desenvolvimento não estéril da ciência econômica.

Texto completo:

PDF

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Indexadores:

Nacionais:

pesquisa & debate


Internacionais: