Por uma teopoética do perdão a partir de Paul Ricoeur

René Armand Dentz

Resumo


O nome de Deus adquire significado por meio de relações diferenciais nas quais sempre aparecem Deus/humano, Deus/mundo, Deus/deuses, infinito/finito, eterno/temporal, etc. Seja qual for o poder nominativo desse nome, e o status real de seu referente - o nome “infinito” é finito, o conceito “inconcebível” é concebível, e o nome “inefável” é bastante exprimível em palavras. Assim, é permitida a abertura à dimensão da promessa. A promessa, ela sim, inscreve-se na linguagem, à qual estamos sempre respondendo. Não se trata de um ato particular de fala, mas a promessa da própria linguagem. Não existe aqui salvação que salve ou prometa salvação. Mas o fato de que não exista necessariamente determinado conteúdo na promessa feita ao outro, e na linguagem do outro não torna menos indisputável a abertura da fala a algo que se pareça com messianismo, soteriologia ou escatologia. Trata-se de abertura estrutural, de messianismo, sem o qual o messianismo em si não seria possível. A linguagem dada a nós agita-se com diversos dons, e se inquieta com palavras de força donativa, como “dom”. A indeterminação é justamente o que permite a promessa, que, por sua vez, possibilita o perdão. A inquietação descreve os gemidos da história e da linguagem para produzir o evento da vinda do totalmente outro, do futuro imprevisível. A história e a linguagem movimentam-se no ambiente da promessa, do espaço aberto entre o passado e o futuro.


Palavras-chave


Nome de Deus. Dom. Promessa. Perdão.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, Bárbara. Pecado original... ou graça do perdão? São Paulo: Paulus, 2007.

DERRIDA, Jacques. De la Grammatologie. Paris: Les Éditions de Minuit, 1967.

MENDOZA, Carlos-Alvarez. O Deus Escondido da Pós-Modernidade. São Paulo: É Realizações, 2011.

MIGLIORI, Maria Luci Buff. Horizontes do Perdão. Reflexões a partir de Paul Ricoeur e Jacques Derrida. São Paulo: PUC-SP, 2007.

NANCY, Jean-Luc. Déconstruction du Christianisme 1. Paris: Galilée, 2005.

KEARNEY, Richard. Navigations. Syracure University Press, 2006.

RICOEUR, Paul. Le conflit des interprétations: essais d´herméneutique I. Paris: Editions du Seuil, 1969.

RICOEUR, Paul. Soi-même comme un autre. Paris: Seuil, 1990.

RICOEUR, Paul. O Si-Mesmo como um Outro. Campinas: Papirus, 1991.

RICOEUR, Paul. La Vie chrétienne, Journal de l´Église presbytérienne au Canada, n. 41, 4-6, 1992.

RICOEUR, Paul. A Hermenêutica Bíblica. São Paulo: Loyola, 2006.

RICOEUR, Paul. Lectures 3: Aux fronteires de la philosophie. Paris: Seuil, 1994.

RICOEUR, Paul. La critique et la conviction. Paris: Calmann-Lévy, 1995.

RICOEUR, Paul. La mémoire, l´histoire, l´oubli. Paris: Seuil, 2000.

RICOEUR, Paul. Vivant jusqu`à la mort. Paris: Seuil, 2007.

SALLES, Sérgio. A regra de ouro entre o Amor e a Justiça: uma leitura sobre Paul Ricoeur. Belo Horizonte: Sapere Audere, 2013.

VILLAVERDE, Agís. A força da razão compartida. Lisboa: Instituto Piaget, 2004.




DOI: https://doi.org/10.23925/2236-9937.2019v9n18p355-386

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Filiada:

Apoio:


Teoliteraria está indexada em:

     

    

  

                         

 

 

 

 

 

Presença da Teoliteraria em Bibliotecas no exterior:

 

                         
                               
            
                        
                       
              
                              
                                          
                       
                
                             

 

           

  

 



  

     
 Está obra está licenciada sobre uma Creative Commons Attribution 4.0 International License.