Padrão de vítimas e lesões no trauma com motocicletas

Fernanda Soares Simoneti, Larissa Olm Cunha, Yuri Gurfinkel, Tássia Sabbadim Mancilha, Felipe Caldeira Campioni, Alcirene Helaehil Cabral, Décio Luis Portella, José Mauro da Silva Rodrigues, Neil Ferreira Novo

Resumo


Introdução: No Brasil, um a cada nove pacientes hospitalizados é vítima de acidente de trânsito. O impacto desses números implicam repercussões econômicas, sociais e administrativas. Objetivos: Levantar dados epidemiológicos sobre as vítimas de eventos traumáticos com motocicletas encaminhadas para um hospital terciário (Conjunto Hospitalar de Sorocaba), descrever as lesões encontradas e discutir o impacto na qualidade de vida dessas vítimas. Método: estudo prospectivo que incluiu vítimas de trauma envolvidas em acidentes com motocicletas, no período de abril a setembro de 2013, referenciadas a um hospital de nível terciário. Para a coleta de dados, foi elaborada ficha padronizada com escores de trauma, seu mecanismo e descrição das lesões. Resultados: Um total de 143 pacientes foram analisados: 83,2% homens e 16,8% mulheres, com o predomínio do grupo etário entre 20–29 anos (49,6%). O uso de capacete foi relatado em 98,5% dos casos. O gênero masculino representou cerca de 86% na categoria de condutor da motocicleta. Os principais mecanismos de trauma foram colisões (72,7%), seguidas de queda da motocicleta (15,4%). Quanto às lesões, as mais encontradas foram as escoriações (72,9%) e os ferimentos corto-contusos (13,8%). Os segmentos anatômicos mais acometidos foram os membros superiores e inferiores, representando 83% dos casos. Pacientes foram avaliados quanto ao Revised Trauma Score (RTS); as vítimas com RTS=12 somaram 97,9%, o que sugere gravidade relativamente leve da maioria dos pacientes. Conclusões: Os achados do presente estudo, quanto ao padrão majoritário das vítimas de acidentes envolvendo motocicletas, são compatíveis com a literatura. O predomínio da população economicamente ativa do país em eventos tão onerosos e incapacitantes como os acidentes com motocicletas implica na necessidade de novas estratégias na gestão do trânsito e da saúde pública.


Palavras-chave


acidentes de trânsito; ferimentos e lesões; violência

Texto completo:

PDF

Referências


Bueno MAS, Piere A, Sampaio RO, Santos OFP, Vaidosas M. Condutas em emergências: Unidade de Primeiro Atendimento (UPA). Hospital Israelita Albert Einstein. São Paulo: Albert Einstein Hospital Israelita; 2009. p. 617-81.

Prefeitura do Município de São Paulo. Secretaria Municipal de Transportes. Companhia de Engenharia de Tráfego. Acidentes de trânsito no município de São Paulo: Relatório anual – 2012 [Internet]. São Paulo: Prefeitura Municipal de São Paulo; 2012 [acesso em 29 abr. 2014]. Disponível em: http://www.cetsp.com.br/media/234481/relatorioanual2012.pdf

Batista SEA, Baccani JG, Paula e Silva RA, Gualda KP, Vianna Jr. RJ. Análise comparativa entre mecanismos de trauma, as lesões e o perfil de gravidade das vítimas, em Catanduva - SP. Rev Col Bras Cir. 2006;33(1):6-10.

Santos AMR, Moura MEB, Nunes BMVT, Leal CF, Teles JB. Perfil das vítimas de trauma por acidente de moto atendidas em um serviço público de emergência. Cad Saúde Pública. 2008;24(8):1927-38.

Vieira RCA, Hora EC, Oliveira DV, Vaez AC. Levantamento epidemiológico dos acidentes motociclísticos atendidos em um Centro de Referência ao Trauma de Sergipe. Rev Esc Enferm USP. 2011;45(6):1359-63.

Ganne N. Estudo sobre acidentes de trânsito envolvendo motocicletas na Cidade de Corumbá e região, Estado do Mato Grosso do Sul, Brasil, no ano de 2007. Rev Pan- Amaz Saúde. 2010;1(3):19-24.

Malvestio MA, Sousa RMC. Acidentes de trânsito: caracterização das vitimas segundo o “Revised Trauma Score” medido no período pré-hospitalar. Rev Esc Enferm USP. 2002;36(4):394-401.

Ascari RA, Chapieski CM, Silva OM, Frigo J. Perfil Epidemiológico de Vítimas de Acidente de Trânsito. Rev Enferm UFSM. 2013;3(1):112-21.

Rodrigues NB, Gimenes CM, Lopes CM, Rodrigues JMS. Mortes, lesões e padrão das vítimas em acidentes de trânsito com ciclomotores no município de Sorocaba, São Paulo, Brasil. Rev Fac Ciênc Med Sorocaba. 2010;12(3):21-5.

Revised Trauma Score. Trauma.org [Internet]. 2014 [acesso em 30 maio 2014]. Disponível em: http://www.trauma.org/archive/scores/rts.html

Superintendência de Seguros Privados SUSEP (BR). Relatório de Administração DPVAT – 2013 [Internet]. Rio de Janeiro: SUSEP; 2013 [acesso em 30 maio 2104]. Disponível em: http://www.susep.gov.br/setores-susep/cgsoa/coaso/arquivos-demonstracoes-anuais/2013-06/Seguradora%20Lider%20-%200327%201.pdf

World Health Organization. Diretrizes para o desenvolvimento de programas de qualidade no atendimento ao trauma [Internet]. Bogotá: Sociedade Panamericana de Trauma; 2009. Disponível em: http://www.who.int/iris/bitstream/10665/44061/3/9789241597746_por.pdf




DOI: https://doi.org/10.5327/Z1984-4840201624711

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais



Apoio: ..............................................................................................................................................

  



 

Rev. Fac. Ciênc. Méd. Sorocaba, Sorocaba, SP, Brasil, e-ISSN 1984-4840

A Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.