Achados cirúrgicos diversos em pacientes submetidos à cirurgia para otosclerose

José Jarjura Jorge Júnior, Godofredo Campos Borges, Larissa Borges Richter Boaventura, Marielle Albrechete, Andre Di Francesco Veiga

Resumo


Introdução:A otosclerose é uma afecção muito frequente da cadeia ossicular, contudo, outras afecções dessa cadeia e do próprio estribo podem ser responsáveis por deficiências auditivas condutivas. Objetivo: Avaliar quais e quantas alterações ocorreram na cadeia ossicular em cirurgia da orelha média em pacientes com deficiência auditiva condutiva. Método: Análise retrospectiva de todas as cirurgias realizadas com indicação de estapedotomia, estapedectomia ou timpanotomia exploradora no período entre 2007 e 2015. Resultado: Dos 81 procedimentos realizados, 12 (14,81%) apresentaram, no intraoperatório, alterações diferentes da otosclerose: fusão, rigidez ou ausência da cadeia ossicular, agenesia do estribo e janela oval, deiscência do canal semicircular superior, agenesia ou erosão da bigorna e desarticulação incudo-estapediana. Conclusão: O cirurgião otológico deve ficar atento às diversas etiologias das perdas auditivas condutivas, a fim de que incorra o menos possível em erro diagnóstico, evitando assim intervenções desnecessárias. Porém, é importante ressaltar que em alguns casos é difícil estabelecer o diagnóstico com os meios que hoje temos, previamente à exploração cirúrgica.


Palavras-chave


otosclerose; cirurgia do estribo; anormalidades congênitas; orelha média

Texto completo:

PDF

Referências


Hueb MM, Silveira JAM. Otosclerose e outras osteodistrofias do osso temporal. In: Caldas Neto SS, Mello Jr. SF, Martins RHG, Costa SS, editores. Tratado de otorrinolaringologia e cirurgia cervicofacial. 2a ed. São Paulo: Roca; 2011. p.163-76.

Vicente AO, Penido NO. Otosclerose. In: Ganança FF, Pontes P, editores. Manual de otorrinolaringologia e CCP. São Paulo: Manole; 2011. p.405-32.

Jorge Junior JJ, Oliveira AMFF, Bueno NKN, Guimarães RC, Silva AF, Aquinaga PY, et al. Otosclerose avançada: evolução e conduta. In: 42º Congresso Brasileiro de Otorrinolaringologia. São Paulo: ABORLCCF; 2012.

Vicent R, Sperling NM, Oates J, Jindal M. Surgical findings and long-term hearing results in 3050 stapedotomies for primary otosclerosis: a prospective study with the otology-neurotology database. Otol Neurotol. 2006;27:S25-47. https://doi.org/10.1097/01.mao.0000235311.80066.df

Hueb MM. Otosclerose: tratamento. In: Caldas Neto SS, Mello Jr. JF, Martins RHG, Costa SS, editores. Tratado de otorrinolaringologia e cirurgia cervicofacial. 2a ed. São Paulo: Roca; 2011. p.177-90.

Testa JRG, Millas I, Vuono IM, Neto MELRBV, Lobato MF. Otosclerose resultados de estapedotomias. Rev Bras Otorrinolaringol. 2002;68(2):251-3. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-72992002000200015

Konarska A. Surgical problems in some otosclerosis cases. A. Int Congr Ser. 2003;1240:97-100. http://dx.doi.org/10.1016/S0531-5131(03)00689-7

Mello LRP, Azevedo APM. Cirurgia revisional de 74 casos de estapedectomia/estapedotomia. Rev Bras Otorrinolaringol. 2003;69(1):53-62. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-72992003000100010

Selinsky CR, Kuhn JK. Congenital incus fixation to the fallopian canal. JAMA Otolaryngol Head Neck Surg. 2014;140(8):762-4. http://dx.doi.org/10.1001/jamaoto.2014.1026

Prata AAS, Antunes ML, Abreu CEC, Frazatto R, Lima BT. Comparative study between radiological and surgical findings of chronic otitis media. Arq Int Otorrinolaringol. 2011;15(1):72-8. http://dx.doi.org/10.1590/S1809-48722011000100011

Vicente AO, Penido NO, Yamashita HK, Albernaz PLM. Tomografia computadorizada no diagnóstico da otosclerose fenestral. Rev Bras Otorrinolaringol. 2004;70(1):66-79. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-72992004000100012

Wegner I, van Waes A, Bittermann A, Buitinck S, Dekker C, Kurk S, et al. A systematic review of the diagnostic value of CT imaging in diagnosing otosclerosis. Otol Neurotol. 2016;37(1):9-15. https://doi.org/10.1097/MAO.0000000000000924

Guimarães HA, Guimarães R, Fonseca ACO. Malformações congênitas da orelha. In: Caldas Neto SS, Mello Jr. JF, Martins RHG, Costa SS, editores. Tratado de otorrinolaringologia e cirurgia cervicofacial. 2a ed. São Paulo: Roca; 2011. p.4-31.

Ribeiro FAQ. Embriologia da orelha humana. In: Caldas Neto SS, Mello Jr. JF, Martins RHG, Costa SS, editores. Tratado de otorrinolaringologia e cirurgia cervicofacial. 2a ed. São Paulo: Roca; 2011. p.217-28.

Jorge Junior JJ. Perda auditiva por necrose espontânea do ramo longo da bigorna. In: 36º Congresso Brasileiro de Otorrinolaringologia. São Paulo: Winner Graph; 2002.

Erdoglija M, Sotirovic J, Jacimovic V, Vukomanovic B. Avascular necrosis of stapes crura in one case of operated otosclerosis. Acta Medica (Hradec Kralove). 2012;55(4):193-7. https://doi.org/10.14712/18059694.2015.46

Jorge Junior JJ, Silva AF, Aquinaga PY, Oliveira AMFF, Negri KC, Albano MCO, et al. Deiscência do canal semicircular superior simulando otosclerose. In: 43º Congresso Brasileiro de Otorrinolaringologia. São Paulo: ABORLCCF; 2013.

Ferreira SC, Lima MAMT. Síndrome de deiscência de canal semicircular superior. Rev Bras Otorrinolaringol. 2006;72(3):414-8. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-72992006000300020

Merchant SN, Rosowski JJ, McKenna MJ. Superior semicircular canal dehiscence mimicking otosclerotic hearing loss. Adv Otorhinolaryngol. 2007;65:137-45. http://dx.doi.org/10.1159/000098790

Costa HJZ, Mateus AR, Granato L. Osteopetrose acometendo orelha média: diagnóstico diferencial com otosclerose clínica. Arq Med [Internet]. 2001 [acesso em 07 jul. 2016];46(1). Disponível em: http://www.moreirajr.com.br/revistas.asp?fase=r003&id_materia=1686




DOI: https://doi.org/10.23925/1984-4840.2018v20i3a8

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba. ISSN eletrônico 1984-4840

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Apoio: ..............................................................................................................................................

    

Fundação São Paulo - Hospital universitário

 



 

Rev. Fac. Ciênc. Méd. Sorocaba, Sorocaba, SP, Brasil, e-ISSN 1984-4840

A Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.