A descontinuidade do tempo no processo de aquisição de conhecimento

Marcelo Silvano Madeira

Resumo


Diferentemente de outros filósofos, Charles S. Peirce adotou no interior de sua filosofia um elemento de aleatoriedade caracterizado pela categoria de primeiridade, que não somente descaracterizaria qualquer conceito determinista como, também, dificultaria a elaboração de qualquer conhecimento. Mas, o que deveria ser um elemento contraditório dentro de um processo cognitivo, tornou-se um elemento heurístico na concepção de hábitos.

Palavras-chave


Primeiridade; Tempo; Pragmaticismo; Continuidade;

Texto completo:

PDF

Referências


HELM, Bertrand P. The Nature and Modes of Time. In: The Relevance of Charles Peirce. Edited by Eugene Freeman. Illinois: Monist Library of Philosophy, 1983. p. 178-187.

IBRI, Ivo A. Kósmos Noetós: a arquitetura metafísica de Charles S. Peirce. São Paulo: Perspectiva, Hólon, 1992. (Coleção estudos; vol. 130).

IBRI, Ivo A. Ser e aparecer na filosofia de Peirce: O estatuto da fenomenologia. In: Cognitio – Revista de Filosofia, São Paulo: Educ/Angra, nº 2 p. 67-75. Nov. de 2001.

IBRI, Ivo A. A vital importância da primeiridade na filosofia de Peirce. In: Cognitio – Revista de Filosofia, São Paulo: Educ/Angra, nº 3 p. 46-52. Nov. de 2002.

PEIRCE, C.S. Collected Papers of Charles Sanders Peirce. Edited by C. Hartshorne and P. Weiss (V. 1-6); Arthur Burks (V. 7-8). Cambridge, MA: Harvard University Press, 1931-1958.

SILVEIRA, Lauro F. Barbosa da. Acaso, existência e lei num universo em evolução. In: Cognitio – Revista de Filosofia, São Paulo: Educ/Palas Athena, nº 1 p. 117-126. Nov. de 2000.

SILVEIRA, Lauro F. Barbosa da. Curso de Semiótica Geral. São Paulo: Quartier Latin, 2007.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.