Informação e Verdade na Filosofia de Peirce

Lauro Frederico Barbosa da Silveira

Resumo


Ao longo de toda a carreira filosófica de Charles S. Peirce, a noção de estado de informação e sua relação com a Verdade estão presentes, conferindo realismo à sua concepção dos aspectos lógicos do conhecimento. A informação é concebida como o produto da extensão e da profundidade dos termos lógicos, inclusive dos conceitos e das proposições. Deste modo, Peirce verdadeiramente inovou ao considerar a quantidade dos termos lógicos, não aceitando generalizar para toda espécie de termo, conceitos e proposições, a tradicional relação inversa pela qual a extensão decresce na exata proporção em que cresce a profundidade, e vice-versa. Somente para as proposições analíticas, este lema é válido. Para as proposições sintéticas, que procuram a verdade sobre seus objetos e não somente esclarecer os conceitos, cada caso deve ser considerado a fim de se saber se há informação, diferente de zero, se ela cresce, decresce ou permanece a mesma, e qual o destino de cada quantidade em questão. O questionamento permanece o mesmo, embora o tratamento a ele fornecido venha a sofrer importante evolução ao longo dos anos,
segundo a própria evolução de filosofia de Peirce.

Palavras-chave


Estado de informação; Verdade; Quantidade dos conceitos; Estado de informação; Verdade; Quantidade dos conceitos.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Apoio:

PUC-SP    PIPEq PUC-SP


Idexadores:

Google Scholar    Open Archives Initiative    ROAD

Preservação Digital:

LOCKSS    CLOKSS     KEEPERS    Rede Cariniana