Nem tudo é vaidade: William James versus Ernest Renan

José Jatuff

Resumo


Na obra de James, há uma reação explícita contra a falsidade e a vaidade como o tom moral dominante. O modo como James julga Renan em particular, e o espírito latino em geral, está relacionado a uma identificação inicial com o espírito germânico através de um contexto protestante. Dentro dessa estrutura, nós veremos que por meio da figura de Carlyle, James opõe-se à moral objetiva da obra para com a sensibilidade gnóstica interior de Renan. Visto que há uma conexão óbvia entre Carlyle e o Calvinismo, o componente da ética protestante na proposta de James torna-se manifesta. Consequentemente, o propósito deste artigo é mostrar que o humor extenuante, como uma característica de coragem e virilidade, possui um tom protestante.

Palavras-chave


Carlyle; Ética; Humor extenuante; Protestantismo; Renan

Texto completo:

PDF (English)


DOI: https://doi.org/10.23925/2316-5278.2018v19i2p242-257

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.