A mente semiótica resiliente: relação conflituosa e agápica entre os interpretantes lógicos e emocionais

Ivo Assad Ibri

Resumo


Por mente resiliente, quero dizer a capacidade de toda mente de lidar com a dureza da alteridade, que exige um esforço contínuo para permitir o desenvolvimento de hábitos de conduta. O predicado da resiliência vem da capacidade da mente de se autocorrigir, cada vez que esses hábitos perdem sua eficiência mediativa, exigindo, portanto, a reconstrução de novas mediações cognitivas como hábitos de ação. Neste artigo, proponho refletir sobre o conjunto de interpretantes semióticos proposto por Peirce com o objetivo de explorar sua faceta habitual. Com esta linha de análise, pretendo mostrar que a resiliência é uma propriedade necessária que toda mente deve ter no mais alto grau para lidar com o conflito entre interpretantes emocionais e lógicos, onde a predominância do primeiro em detrimento do segundo pode gerar situações agudas de sofrimento psicológico bloqueando o acesso a representações que, de outra forma, poderiam romper a força bruta da alteridade.

Palavras-chave


Crenças; Hábitos; Mente; Peirce; Resiliência; Tipos de interpretantes.

Texto completo:

PDF (English)


DOI: https://doi.org/10.23925/2316-5278.2019v20i2p378-391

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Apoio: