O limite e o excesso neobarroco no grafite

Lourdes Gabrielli

Resumo


Em algumas manifestações da arte visual ao longo da história, verificamos o uso do suporte como elemento participante da construção da obra. Trata-se de uma transposição de limites, quando a linguagem ultrapassa suas fronteiras e imbrica-se com outra, e juntas criam uma informação que é híbrida das duas linguagens que a formaram. Tal transposição de fronteiras se dá também com relação à imbricação dos códigos verbal e visual na obra artística. Essa transposição das fronteiras da linguagem acontece quando aumenta a intensidade do diálogo, criando-se pontos em comum entre um e outro e tornando facilitada a migração de elementos. Tais transgressões podem ser estudadas através dos conceitos de excesso e limite no neobarroco, dois tipos de ação cultural que confrontam dois procedimentos distintos: o de se manter dentro do espaço perimétrico e o de tender para o limite e transpor a fronteira em direção ao excesso. Dentre as possibilidades para ilustrar tal procedimento, optamos pelo grafite, uma manifestação verbo-visual cujo suporte é a arquitetura urbana e que facilmente ultrapassa o limite de seu espaço comunicativo ao inserir-se no suporte ou ao imbricar informação verbal e visual.

Palavras-chave


Neobarroco; Grafite; Arte visual; Verbo-visual; Fronteiras

Texto completo:

PDF

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.