Atenção às queixas escolares na visão de profissionais da atenção primária à saúde no município de Campinas

Alexandre de Paula Sampaio, Irani Rodrigues Maldonade, Maria Fernanda Bagarollo

Resumo


Introdução: As queixas escolares também emergem na atenção primária à saúde. Por isso, uma equipe multiprofissional da secretaria de saúde de um município do interior paulista elaborou um protocolo que rege o encaminhamento de crianças e adolescentes que necessitam de atendimento clínico nessa área. Objetivo: Analisar sob a ótica dos profissionais da atenção primária à saúde como as queixas escolares têm sido acolhidas, incluindo a aplicação do protocolo organizado especificamente para esses encaminhamentos. Método: Estudo qualitativo, para o qual foram selecionadas cinco unidades básicas de saúde do município. Em seguida, distribuídos dez questionários em cada unidade para os profissionais responderem. Esses questionários buscaram identificar a percepção dos profissionais em relação às queixas escolares acolhidas na unidade onde trabalham, além da aplicação do protocolo na rotina de trabalho. Resultados: 27 questionários foram respondidos. O protocolo é preenchido de forma multidisciplinar, pela equipe de saúde e pela escola, oferecendo a oportunidade da criança/adolescente ser avaliada em seus diferentes aspectos e ambientes. Entretanto, a maioria dos profissionais encaram as possíveis alterações no processo de aquisição da leitura e escrita, como de origem orgânica, que coincide com o protocolo, que abre espaço para a proposição de uma causa orgânica para o problema de aprendizagem. Conclusão: É necessária maior compreensão da relação saúde-educação que tem sido estabelecida na atenção primária, e como as queixas escolares têm sido compreendidas, já que neste estudo constatou-se a pouca valorização das relações familiares e sociais para o processo de aquisição da leitura e da escrita.


Palavras-chave


Fonoaudiologia; Atenção Primária à Saúde; Saúde da Criança; Transtornos de Aprendizagem

Texto completo:

PDF PDF (English)


DOI: https://doi.org/10.23925/2176-2724.2018v30i4p667-678

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




A revista Distúrbios da Comunicação e os textos aqui publicados estão licenciados com uma Licença Creative Commons Attribution-NoDerivatives 4.0 International. Baseado no trabalho disponível em https://revistas.pucsp.br/dic. Podem estar disponíveis autorizações adicionais às concedidas no âmbito desta licença em https://revistas.pucsp.br/dic.