A Terra em Transe: o cosmopolitismo às avessas do cinema novo

Angela Prysthon

Resumo


Usando como referencial teórico os estudos culturais, este artigo analisa o cinema
novo brasileiro como parte de uma estratégia terceiro mundista de conceber a cultura.
A partir da emergência do conceito de terceiro mundo e das lutas de descolonização
nos anos 1950 e 1960, a ideologia cosmopolita foi sendo vista pelos intelectuais de
esquerda como a versão cultural da aliança com as forças hegemônicas da Europa e dos
Estados Unidos. O projeto do cinema novo chama a atenção por suas afinidades ideológicas
com o terceiro mundismo, mas, paradoxalmente, trazendo à tona uma polí­tica
cosmopolita da periferia.
Palavras-chave cinema novo, identidade, cultura brasileira, terceiro mundismo, estudos culturais.
Abstract Using the cultural studies theoretical framework, this paper analyzes the cinema
novo movement in Brazil as a part of the Third World conception of culture. Following
the creation of the term “Third World” and the international politics of colonial
independence of the 1950s and 1960s, a cosmopolitan attitude was seen by the
intellectuals of the left as a cultural version of the alliance with the hegemonic forces
of Europe and North America. Even though the cinema novo project can be associated
with the ideology of an united Third World ,it brings about, paradoxically, a very
cosmopolitan politics of the periphery.
Key words cinema novo, identity, Brazilian culture, third world, cultural studies.

Texto completo:

PDF

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM