O tradutor de estilos - Entrevista de Ted Polhemus a Tarcisio D’Almeida</b.

Tarcisio D’Almeida

Resumo


Considerado “guru dos estilos” e idealizador do conceito “supermercado de
estilos”, o antropólogo Ted Polhemus é reticente quanto aos “roubos fashion” pela
hegemônica indústria da moda e acredita na força e no poder da comunicação visual
de estilos e comportamentos como formas de expressão humana.
Na conturbada e agitada década de 1960, o antropólogo anglo-americano Ted
Polhemus, 57, trocou os EUA pela Inglaterra, em especial, a ensolarada Califórnia
(para onde os jovens costumavam ir) pela acinzentada e enevoada Londres. Esse
contexto político-histórico de busca pela liberdade ideológica da era hippie e expansão
da moda com o surgimento do prêt-à-porter possibilitou ao pesquisador
estudar antropologia na Temple University, na Filadélfia. Em seguida, em Londres,
desenvolveu seus estudos de mestrado sobre “Body Image and Adornment” (Imagem
e Adorno do Corpo) na prestigiada University of London.
O projeto de mapear as inter-relações entre corpo e estilo na concepção de
moda e comportamento sempre norteou sua verve intelectual de um antropólogo
comprometido com os fenômenos da atualidade, sobretudo os que decorrem
a partir da contemporaneidade do século 20. Publicou Fashion & Anti-fashion:
anthropology of clothing and adornment (Thames & Hudson, 1979), Streetstyle:
from sidewalk to catwalk (Thames & Hudson, 1994) e Style Surfing: what to wear
in the 3rd millennium (Thames & Hudson, 1996), entre outros. Em seu novo livro,
Hot Bodies, Cool Styles: new techniques in self adornment (Thames & Hudson, 2004), lançado no final do ano passado, o “guru dos estilos” e pai do conceito
“supermercado de estilos” dá mostras de como a onda global do entusiasmo para
a decoração do corpo é enraizada em nosso passado e examina ainda seu sentido
na prospecção do futuro.
Polhemus tornou-se referência na literatura de moda e do corpo. Ao lado de
outros pesquisadores do assunto, como Dick Hebdige, que conceituou a existência
e relações das subculturas nas sociedades, Polhemus é um autêntico exemplo de vitalidade
e atualidade ao refletir antropologicamente sobre moda e comportamento
das tribos. Polhemus “descobriu” o Brasil: “É preciso mostrar ao mundo que o Brasil
se encontra hoje muito bem servido quanto a criatividade e excelência em moda” e
alerta que “nenhum estilista, nem mesmo grife alguma, tomada individualmente,
pode fazer esse trabalho sozinho”.
A seguir, leia entrevista de Polhemus, que esteve em agosto de 2004 pela primeira
vez no Brasil, para o workshop “Brand Brasil: como os brasileiros imaginam
que os estrangeiros imaginam o país”, além da palestra “Ideas Brands: a aparência
como marca individual”, na Faculdade Senac de Moda, em São Paulo.

Texto completo:

PDF

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM