Patologia da comunicação: Crash sem pentecostes

Olgária Chain Féres Matos

Resumo


O objetivo do ensaio é mostrar a metrópole como o sujeito histórico da
contemporaneidade, por meio da análise do filme Crash. Ela é o microcosmo em
que se comunicam indivíduos pela mediação do automóvel. Nela inscrevem-se as
relações sociais e seus conflitos: xenofobia, racismo, particularismos legais e
desregulamentações políticas. Mundo menos dominado por pessoas e mais pelo
acaso, ele resulta da determinação de todas as esferas da vida pelo fator econômico
e pelas derivas do mercado mundial, forma moderna do destino.
Palavras-chave: crash; estado de direito; estado de exceção; fundamentalismos
Abstract: The Pathology of Communication: Crash without Pentecost — The purpose of
this essay is to portray the metropolis as the historical subject of
contemporaneousness, based on an analysis of the movie Crash, which illustrates
the microcosm in which individual communications are mediated by the
automobile and which is marked by social relations and their conflicts:
xenophobia, racism, legal particularities and political deregulation. A world ruled
by fortuitousness rather than by human will, it is the product of the determination
of all spheres of life by economic factors and by global market trends, seen as
the modern depiction of fate.
Keywords: Crash; rule of law; rule of exception; fundamentalism

Texto completo:

PDF

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM