ESTATUTO PARADOXAL DA PELE E CULTURA CONTEMPORÂNEA: da porosidade à pele-teflon

Maria Cristina Franco Ferraz

Resumo


A exploração do estatuto paradoxal da pele - interface dentro/fora - permite ultrapassar a dicotomia metafísica superfície/profundidade, problematizando a tendência atual, também expressa na teoria, a um elogio das superfícies e a um horror por oposições dicotômicas. Possibilta avaliar as implicações do fechamento da porosidade da pele em formas de sociabilidade estimuladas na cultura da imagem, da exibição, do espetáculo, bem expressas pelo material inorgânico teflon. Sendo Poros, na visão grega, pai de Eros, a investigação acerca do estatuto paradoxal da pele convida a uma retomada do tema do erotismo. Partindo de perspectivas oferecidas por Agamben acerca da pornografia, ligada ao valor de exibição nas sociedades de espetáculo e de consumo, e relacionando-as a diversas reflexões de José Gil acerca do corpo e da pele, discute-se e convoca-se a abertura da porosidade da pele.


Palavras-chave


Paradoxos da pele; Espetáculo e consumo; Pornografia e erotismo

Texto completo:

PDF

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM