DA INCLUSÃO DAS DESPESAS COM CAPATAZIA NA BASE DE CÁLCULO DO IMPOSTO DE IMPORTAÇÃO: ASPECTOS PRÁTICOS E TEÓRICOS

Pedro Jacob Rodrigues

Resumo


Este artigo tem por objetivo analisar a legalidade da inclusão das despesas com capatazia na base de cálculo do Imposto de Importação, determinada por Instrução Normativa da Secretaria da Receita Federal. Far-se-á uma análise sob a ótica da Regra Matriz de Incidência Tributária, em especial do seu aspecto temporal; da jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça; e dos tratados internacionais contra bitributação. O final do trabalho será dedicado a questões relacionadas à identificação das despesas com capatazia e ao procedimento para cálculo do valor a ser restituído.


Palavras-chave


Ilegalidade, despesas com capatazia, imposto de importação.

Texto completo:

PDF

Referências


ATALIBA, Geraldo. Hipótese de incidência tributária. 6. ed. São Paulo: Malheiros, 2016.

BECHO, Renato Lopes. Lições de direito tributário. 3. ed. São Paulo: Saraiva, 2015.

BRASIL. Constituição Federal de 1988. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm. Acesso em: 21 nov.2017.

______. Lei nº 5.172, de 25 de outubro de 1966. Dispõe sobre o Sistema Tributário Nacional e institui normas gerais de direito tributário aplicáveis à União, Estados e Municípios. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L5172Compilado.htm. Acesso em: 21 nov. 2017.

______. Lei nº 12.815, de 5 de junho de 2013. Dispõe sobrea exploração direta e indireta pela União de portos e instalações portuárias e sobre as atividades desempenhadas pelos operadores portuários. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2013/lei/l12815.htm. Acesso em: 07 dez. 2017.

______. Decreto nº 2.498, de 13 de fevereiro de 1998. Dispõe sobre a Implementação do Artigo VII do Acordo Geral sobre Tarifas e Comércio – GATT 1994. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/d2498.htm. Acesso em: 9 dez. 2017.

______. Decreto nº 6.759, de 5 de fevereiro de 2009. Regulamenta a administração das atividades aduaneiras, e a fiscalização, o controle e a tributação das operações de comércio exterior. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2009/decreto/d6759.htm. Acesso em: 21 nov. 2017.

______. Decreto nº 7.030, de 14 de dezembro de 2009. Promulga a Convenção de Viena sobre o Direito dos Tratados. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2009/decreto/d7030.htm Acesso em: 21 nov. 2017.

______. Decreto-Lei nº 4.657, de 4 de setembro de 1942. Lei de Introdução às Normas do Direito Brasileiro. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/Del4657.htm. Acesso em: 21 nov. 2017.

______. Decreto-Lei nº, de 18 de novembro de 1966. Dispõe sobre o Imposto de Importação, reorganiza os serviços aduaneiros e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/Del0037compilado.htm. Acesso em: 21 nov. 2017.

______. Instrução Normativa da Secretaria da Receita Federal nº 327, de 09 de maio de 2003. Estabelece normas e procedimentos para a declaração e o controle do valor aduaneiro de mercadoria importada. Disponível em: http://normas.receita.fazenda.gov.br/sijut2consulta/link.action?visao=anotado&idAto=15217. Acesso em: 21 nov. 2017.

______. Supremo Tribunal Federal. Súmula nº 661. Disponível em: http://www.stf.jus.br/portal/cms/verTexto.asp?servico=jurisprudenciaSumula. Acesso em: 21 nov. 2017.

______. Superior Tribunal de Justiça. Recurso Especial nº 1.626.971 – SC (2016/0246580-5,). Relatora Ministra Assusete Magalhães. Data de Julgamento: 25/04/2017, T2 – Segunda Turma, Data de Publicação: DJe 04/05/2017 Disponível em: https://stj.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/465718745/recurso-especial-resp-1626971-sc-2016-0246580-5. Acesso em: 9 dez. 2017.

BRASIL. Superior Tribunal de Justiça. Recurso Especial nº 1.693.873 – SC (2017/0209409-6) Relator Ministro Sérgio Kukina. Data de Julgamento: 21/06/2018, T1 – Primeira Turma, Data de Publicação: DJe 28/06/2018. Disponível em: http://www.stj.jus.br/SCON/jurisprudencia/toc.jsp?livre=1693873&&tipo_visualizacao=RESUMO&b=ACO . Acesso em: 23 ago. 2018.

CARVALHO, Paulo de Barros. Curso de direito tributário. 26. ed. São Paulo: Saraiva, 2015.

DINIZ, Maria Helena. Compêndio de introdução à ciência do direito. 26. ed. São Paulo: Saraiva, 2017.

GUSMÃO, Paulo Dourado de. Introdução ao estudo do direito. 48. ed. rev. Rio de Janeiro: Forense, 2015.

KELSEN, Hans. Teoria pura do direito. trad. João Baptista Machado. 6. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

MONTEIRO, Alexandre Luiz Moraes do Rêgo. Direito tributário internacional: A arbitragem nos acordos de bitributação celebrados pelo Brasil. Série Doutrina Tributária Vol. XX. São Paulo: Quartier Latin, 2016.

NADER, Paulo. Introdução ao estudo do Direito. 39. ed. rev. e atual. Rio de Janeiri: Foresnse, 2017.

NUNES, Rizzatto. Manual de introdução ao estudo do direito. 14. ed. São Paulo: Saraiva, 2016.

REALE, Miguel. Lições preliminares de direito. 27. ed. São Paulo: Saraiva, 2002.

SCHOUERI, Luís Eduardo. Direito Tributário. 7. ed. São Paulo: Saraiva, 2017.

SILVEIRA, Ricardo Maitto da. O escopo pessoal dos acordos internacionais contra a bitributação: Regimes fiscais especiais, conflitos de qualificação e casos triangulares. Série Doutrina Tributária Vol. XIX. São Paulo: Quartier Latin, 2016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.