Resultados maternos e perinatais na ruptura prematura de membranas

Autores

  • Maissa Marçola Scandiuzzi
  • Thiago Cerizza Pinheiro
  • André Afonso Nimtz Rodrigues Faculdade de Medicina de Jundiai
  • Fernando Antonio Maria Claret Alcadipani Faculdade de Medicina de Jundiaí

Palavras-chave:

ruptura prematura de membranas, complicações da gestação

Resumo

Introdução: a ruptura prematura de membranas (RPM) está associada a prognóstico reservado. O mecanismo fisiopatológico da RPM é pouco conhecido e seu manejo controverso. A hipótese inflamatória-infecciosa prevalece como causa principal subjacente da RPM e do trabalho de parto prematuro. Objetivo: avaliar os resultados maternos e perinatais na RPM. Metodologia: avaliação retrospectiva, mediante consulta de prontuário, dos resultados maternos e perinatais das pacientes internadas por RPM no Hospital Universitário da Faculdade de Medicina de Jundiaí, no período de março de 2007 a junho de 2009. Resultados: os resultados mostraram que houve maior prevalência de: grupo etário entre 20 e 30 anos (54,5%), raça branca (58,6%), solteiras (46%), não tabagistas (72,82%), gestação a termo DUM (63,3%) e USG (64,5%), número de consultas pré-natais maior que seis (59,8%), multíparas (66,6%), antecedentes obstétricos com parto vaginal normal (PVN) (56,3%), dilatação do colo uterino na internação entre 2 cm - 3 cm, esvaecimento 50%, tempo de bolsa rota entre 1 e 4 horas, condução do parto espontânea (82,5%), tipo de parto PVN (55,6%), recém-nascido com peso entre 2,500 kg e 3,500 kg (61,6%), Apgar maior que sete em 1 e 5 minutos (89,2% e 99,2%, respectivamente), necessidade de reanimação (81,5%), UTI Neo (2,6%) e tempo de internação do binômio de dois dias. Conclusão: com base nos nossos resultados e em comparação com a análise da literatura, observamos prevalência semelhante entre o nosso serviço e os demais serviços dos referidos estudos. A exceção se deve à alta prevalência de cesárea em detrimento às demais e ao alto número de gestantes que não realizaram pré-natal (22,9%).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Maissa Marçola Scandiuzzi

Médica graduada pela Universidade Federal Triangulo Mineiro; Faculdade de Medicina de Jundiai; Hospital Perola Bygnton

Thiago Cerizza Pinheiro

Médico graduado pela Faculdade de Medicina de Jundiaí, especialização em Cirurgia Geral FCMS/PUC-SP

André Afonso Nimtz Rodrigues, Faculdade de Medicina de Jundiai

Professor do Depto. de Cirurgia Faculdade de Medicina de Jundiai

Fernando Antonio Maria Claret Alcadipani, Faculdade de Medicina de Jundiaí

Professor do Depto. de Cirurgia Faculdade de Medicina de Jundiai

Referências

Neme B. Obstetrícia básica. 3ª ed. São Paulo: Sarvier; 2006. p. 406-10.

Accetta SG, Jimenez MF. Ruptura prematura de membranas. In: Freitas F, Costa SHM, Ramos JGL, Magalhães JA. Rotinas em obstetrícia. 4ª ed. Porto Alegre: Artes Médicas; 2003. p. 86-94.

Almeida MVL. Amniorrexe prematura. In: Netto HC. Obstetrícia básica. São Paulo: Atheneu; 2004. p. 217-22.

Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia. Rotura prematura das membranas. Projetos Diretrizes. Brasília: AMB; CFM; 2008.

Maymon E, Chaim W, Sheiner E, Mazor M. A review of randomized clinical trials of antibiotic therapy in preterm premature rupture of the membranes. Arch Gynecol Obstet. 1998;261:173-81.

Mercer MM. Preterm premature rupture of the membranes. Obstet Gynecol. 2003;101:178-93.

Ferguson SE, Smith GN, Salenieks ME, Windrin R, Walker MC. Preterm premature rupture of membranes: nutritional and socioeconomic factors. Obstet Gynecol. 2002;100:1250-6.

Alexander JM, Mercer BM, Miodovnik M, Thumau GR, Goldenberg RL, Das AF, et al. The impact of cervical examination on expectantly managed preterm rupture of membranes. Am J Obstet Gynecol. 2000;183:1003-7.

Cox MS, Leveno KJ. Intentional delivery versus expectante management with preterm ruptured membranes at 30-34 weeks' gestation. Obstet Gynecol. 1995; 86(6):875-9.

Bertini AM, Taborda W, Amed AM, Porto AGM. Ruptura prematura das membranas. In: FEBRASGO. Tratado de obstetrícia. São Paulo: Revinter; 2001.

Ramos JGL, Costa SHM, Valério EG, Muller ALL. Infecção intra-amniótica. In: Freitas F, Costa SHM, Ramos JGL, Magalhães JA. Rotinas em obstetrícia. 4ª ed. Porto Alegre: Artes Médicas; 2003. p. 86-94.

Kenyon SL, Taylor DJ, Mordi WT. Broad-spectrum antibiotics for preterm, prelabour rupture of fetal membranes: the Oracle I randomized trial. Lancet. 2001;357:979-88.

Kirschbaum T. Antibiotics in the treatment of preterm labor. Am J Obstet Gynecol. 1993;168(4):1239-46.

Edwards RK, Locksmith GJ, Duff P. Expanded-spectrum antibiotics with preterm premature rupture of membranes. Obstet Gynecol. 2000;96:60-4.

Lamont RF. The role of infection in preterm labour and birth. Hosp Med. 2003;64(11):644-7.

Ramsey PS, Nuthalapaty FS, Lu G, Ramin S, Nuthalapaty ES, Ramin KD. Contemporary management of preterm premature rupture of membranes (PPROM): a survey of maternal-fetal medicine providers. Am J Obstet Gynecol. 2004;191:1497-502.

Kenyon S, Boulvain M, Neilson J. Antibiotics for pretermrupture of membranes. Cochrane Database Syst Rev. 2013;12:CD001058.

Vermillion ST, Soper DE, Bland MD, Newman RB. Effectiveness of antenatal corticosteroid administration after preterm premature rupture of the membranes. Am J Obstet Gynecol. 2000;183:925-9.

Maia Filho NL, Matias, L. Rotura das membranas. GO Atual. 1996;5:57-8.

Thorp JM, Hartmann, KE, Berkman ND, Carey TS, Lohr KN, Gavin NI, et al. Antibiotic therapy for the treatment of preterm labor: a review of the evidence. Am J Obstet Gynecol. 2002;186:587-92.

Suzano CES, Maia Filho NL, Tedesco RP, Nogueira ACGS, Mathias L. Rotura prematura de membranas em gestação de 36 semanas ou mais. GO Atual. 1998;10:8-14.

Mathias L, Maia Filho NL, Tedesco RP, Caivano FA, Bonamigo V. Conduta expectante: rotura prematura das membranas no termo. GO Atual. 1999;3:21-9.

Maia Filho NL, Tedesco RP, Mathias L. Conduta expectante na rotura prematura das membranas em gestações com mais de 36 semanas: resultados maternos e perinatais após a utilização da hiperhidratação materna. GO Atual. 2000;8:8-11.

Tedesco RP, Maia Filho NL, Mathias L, Suzano CES, Assunção MSC, Gonçalves MG, Carvalho WAP. Amniorrexe prematura na gravidez a pré-termo e termo no Município de Franco da Rocha, Estado de São Paulo. Perspect Médicas. 1996;7:19-24.

Cabar FR, Nomura RMY, Costa LCV, Alves EA, Zugaib M. Cesárea prévia como fator de risco para descolamento prematuro de placenta. Rev Bras Ginecol Obstet. 2004;26:709-14.

Downloads

Publicado

2014-12-23

Como Citar

Scandiuzzi, M. M., Pinheiro, T. C., Rodrigues, A. A. N., & Alcadipani, F. A. M. C. (2014). Resultados maternos e perinatais na ruptura prematura de membranas. Revista Da Faculdade De Ciências Médicas De Sorocaba, 16(4), 178–181. Recuperado de https://revistas.pucsp.br/index.php/RFCMS/article/view/19290

Edição

Seção

Artigo Original