Acidentes escorpiônicos no Estado de Sergipe - Brasil

Filipe Néri Barreto Mesquita, Marco Antônio Prado Nunes, Vanessa Rocha de Santana, José Machado Neto, Kaio Bernardes Santos de Almeida, Sonia Oliveira Lima

Resumo


Objetivo: avaliar a frequência e as características da ocorrência de acidentes por escorpiões no Estado de Sergipe, notificados ao Centro de Informação e Assistência Toxicológica de Sergipe, no período de janeiro de 2002 a dezembro de 2012.  Metodologia: as variáveis obtidas foram ano, zona, sexo, faixa etária e evolução dos pacientes. Calcularam-se as incidências ajustadas de acidentes por ano e as tendências temporais lineares foram analisadas mediante regressão linear univariada. A comparação entre as proporções das variáveis foi realizada usando-se o teste do Qui-quadrado de Pearson, com nível de significância de 0,05. Resultados: foram encontrados 3.547casos de escorpionismo; a faixa etária de 20 - 29 anos foi a que apresentou maior taxa de crescimento anual (13,73); houve predomínio no gênero feminino (54,3%), p < 0,001; e os acidentes na zona urbana apresentaram uma taxa de crescimento de 63,24. A letalidade informada foi de 0,06.  Conclusões: a elevada incidência de acidentes sugere Sergipe como uma área endêmica e justifica a necessidade de maior implantação de políticas públicas de saúde preventivas a este agravo.


Palavras-chave


animais venenosos; escorpiões; aracnídeos; incidência

Texto completo:

PDF

Referências


Alves RS, Martins RD, Sousa DF, Alves CD, Barbosa PSF, Queiroz MGR, et al. Aspectos epidemiológicos dos acidentes escorpiônicos no estado do Ceará no período de 2003 a 2004. Rev Eletr Pesq Méd. 2007;1:14-20.

Pardal PPO, Castro LC, Jennings E, Pardal JSO, Monteiro MRCC. Aspectos epidemiológicos e clínicos do escorpionismo na região de Santarém, Estado do Pará, Brasil. Rev Soc Bras Med Trop. 2003;36:349-53.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Manual de controle de escorpiões. Brasília: Ministério da Saúde; 2009.

Santos PLC, Martins FJ, Vieira RCPA, Ribeiro LC, Barreto BB, Barbosa NR. Características dos acidentes escorpiônicos em Juiz de Fora – MG. Rev APS. 2010;13(2):164-9.

Oliveira HFA, Costa CF, Sassi R. Relatos de acidentes por animais peçonhentos e medicina popular em agricultores de Cuité, região do Curimataú, Paraíba, Brasil. Rev Bras Epidemiol. 2013;16(3):633-43.

Brasil. Ministério da Saúde. Manual de diagnóstico e tratamento de acidentes por animais peçonhentos. 2ª ed. Brasília: Fundação Nacional de Saúde; 2001.

Ribeiro LA, Rodrigues L, Jorge MT. Aspectos clínicos e epidemiológicos do envenenamento por escorpiões em São Paulo e municípios próximos. Rev Patol Trop. 2001;30:83-92.

Soares MR, Azevedo CS, De Maria M. Escorpionismo em Belo Horizonte, MG: um estudo retrospectivo. Rev Soc Bras Med Trop. 2002;35:359-63.

Albuquerque ICS, Albuquerque HN, Albuquerque EF, Nogueira AS, Cavalcanti MLF. Escorpionismo em Campina Grande - PB. Rev Biol Ciênc Terra. 2004;4(1):1.

Canter HM, Knysak I, Candido DM. Escorpiões, aranhas e lacraias. Infobios [Internet]. São Paulo: 2008 [acesso em 14 ago. 2009 ]. Disponível em http://www.infobibos.com/Artigos/2008_1/MD4/Index.htm.

Abrough F, Ouanes-Besbes L, Ouanes I, Dachraoui F, Hassen MF, Haguiga H, et al. Meta-analysis of controlled studies on immunotherapy in severe scorpion envenomation. Emerg Med J. 2011;28:963-9.

Brasil. Ministério da Saúde. Manual de controle de escorpiões. Brasília: Ministério da Saúde; 2009.

Alencar S. Sobre o Sinitox: Centros de Informação. Rio de Janeiro: FIOCRUZ; 2013 [acesso em 12 jul. 2013]. Disponível em: http://www.fiocruz.br/sinitox_novo/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?sid=6.

Brasil. Ministério da Saúde. Fundação Oswaldo Cruz. SINITOX. Tabela 3 - Casos, Óbitos e Letalidade de Intoxicação Humana por Agente e por Região. Brasil, 2010 [Internet]. Rio de Janeiro: FIOCRUZ; [2010?]. Disponível em: http://www.fiocruz.br/sinitox_novo/media/b3.pdf.

Instituto Brasileiro de Geografia a Estatística (IBGE) [Internet]. Rio de Janeiro: IBGE; 2013 [acesso em 12 jul. 2013]. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home.

Bochner R, Struchiner CJ. Acidente por animais peçonhentos e sistemas nacionais de informação. Cad Saúde Pública. 2002;18(3):735-46.

Lourenço WR, Cloudsley-Thompson JL, Cuellar O, Von Eickstedt VRD, Barraviera B, Knox MB. The evolution of scorpionism in Brazil in recent years. J Venom Anim Toxins. 1996;2(2):121-34.

Nunes CS, Bevilacqua PD, Jardim CCG. Aspectos demográficos e espaciais dos acidentes escorpiônicos no Distrito Sanitário Noroeste, Município de Belo Horizonte, Minas Gerais, 1993 a 1996. Cad Saúde Pública. 2000;16:213-23.

Maestri-Neto A, Guedes AB, Carmo SF, Chalkidis HM, Coelho JS, Pardal PPO. Aspectos do escorpionismo no Estado do Pará – Brasil. Rev Para Med. 2008;22(1):49-55.

Nodari FR, Leite ML, Nascimento E. Aspectos demográficos, espaciais e temporais dos acidentes escorpiônicos ocorridos na área de abrangência da 3ª Regional de Saúde - Ponta Grossa, PR, no período de 2001 a 2004. Publ UEPG Ciênc Biol Saúde. 2006;12(1):15-26.

Oliveira HFA, Lopes YA, Barros RM, Viera AA, Leite RS. Epidemiologia dos acidentes escorpiônicos ocorridos na Paraíba - Nordeste do Brasil. Rev Biol Farm. 2012;8(2):86-96.

Brites-Neto J, Brasil J. Estratégias de controle do escorpionismo no município de Americana, SP. Bol Epidemiol Paul. 2012;9(101):4-15.

Barbosa MGR, Bavia ME, Silva CEP, Barbosa FR. Aspectos epidemiológicos dos acidentes escorpiônicos em Salvador, Bahia, Brasil. Ciênc Anim Bras. 2003;4:155-62.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais



Apoio: ..............................................................................................................................................

    

Fundação São Paulo - Hospital universitário

 



 

Rev. Fac. Ciênc. Méd. Sorocaba, Sorocaba, SP, Brasil, e-ISSN 1984-4840

A Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.