Processo de decanulação em pacientes acometidos por traumatismo cranioencefálico: estudo realizado em um hospital de trauma, na região metropolitana de Belém, PA

Autores

  • Amanda Grasiele Andrade universidade estatual do pará- UEPA E Hospital metropolitano de urgência e emergência no trauma
  • Gabriela Martins de Lima universidade estatual do pará- UEPA E Hospital metropolitano de urgência e emergência no trauma
  • José Wilson de Araújo Albuquerque universidade estatual do pará- UEPA E Hospital metropolitano de urgência e emergência no trauma
  • Nathasha Pereira Anijar universidade estatual do pará- UEPA E Hospital metropolitano de urgência e emergência no trauma
  • Renato da Costa Teixeira universidade estatual do pará- UEPA E Hospital metropolitano de urgência e emergência no trauma

DOI:

https://doi.org/10.23925/1984-4840.2017v19i4a7

Palavras-chave:

deglutição, traqueostomia, traumatismos craniocerebrais, fonoaudiologia

Resumo

Objetivos: Este trabalho de conclusão de curso teve como objetivo geral avaliar o processo de deglutição em pacientes com traumatismo cranioencefálico grave em uso de traqueostomia e via alternativa de alimentação, internados em um hospital de referência em urgência e emergência em trauma, localizado na região metropolitana de Belém, e ao mesmo tempo verificar se estão aptos a iniciar o processo de decanulação. Método: Quanto ao método, trata-se de pesquisa exploradora, prospectiva e longitudinal em seres humanos, para avaliar a deglutição de pacientes acometidos por traumatismo cranioencefálico que estavam utilizando via alternativa de alimentação e verificar se naquele momento estariam aptos para o desmame. Resultados: Em situações de traumatismo cranioencefálico, por exemplo, especialmente em casos que variam de lesão moderada à grave, quando o quadro do paciente compromete a função respiratória natural, sobressai a impressão clínica como o ponto mais importante para a conduta a ser adotada para o tratamento. Considerações finais: Destaca-se o papel desempenhado pelos profissionais de fonoaudiologia para o tratamento do traumatismo cranioencefálico, ressaltando que, de acordo com os resultados obtidos, aos poucos os pacientes foram apresentando quadro indicativo para o desmame de via de alimentação alternativa. E, de acordo com os resultados expostos, a tolerância ao teste de oclusão foi determinante para o início do processo de decanulação dos pacientes em estudo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Amanda Grasiele Andrade, universidade estatual do pará- UEPA E Hospital metropolitano de urgência e emergência no trauma

Aluna da residêcia da universidade do estado do pará (UEPA).Sendo que, a residência foi realizada pelo hospital metropolitano de urgência e emegência no trauma. Uma das autoras do trabalho.

 

 

 

Gabriela Martins de Lima, universidade estatual do pará- UEPA E Hospital metropolitano de urgência e emergência no trauma

Fisioterapeuta, do hospital metropolitano de urgência e Emergência no trauma, coordenadora do departamento de reabilitação.

José Wilson de Araújo Albuquerque, universidade estatual do pará- UEPA E Hospital metropolitano de urgência e emergência no trauma

Fonoaudiólogo José Wilson de Araújo ALBUQUERQUE  do hospital metropolitano de urgência e emergência no trauma,do presta assistência no departamento de reabilitação.

Nathasha Pereira Anijar, universidade estatual do pará- UEPA E Hospital metropolitano de urgência e emergência no trauma

Fonoaudióloga Nathasha Pereira ANIJAR, do hospital metropolitano de urgência e emegência no trauma, presta assistência no departamento de reabilitação.

Renato da Costa Teixeira, universidade estatual do pará- UEPA E Hospital metropolitano de urgência e emergência no trauma

Fisioterapeuta Renato da Costa TEIXEIRA do hospital barros barreto, professor da universidade do estado do pará (UEPA), DO Departamento COAD.

Referências

David CA. Traumatismo cerebral. In: Jones HR. Neurologia de Netter. Porto Alegre: Artmed; 2006. p.672-85.

Silva DW, Soares DA, Andrade SM. Atuação profissional de motoboys e fatores associados à ocorrência de acidentes de trânsito em Londrina-PR. Epidemiol Serv Saúde. 2008;17(2):135-7. DOI: 10.5123/S1679-49742008000200010

Corbin-Lewis K, Liss JM, Sciortino KL. Bases fisiológicas das etiologias estruturais da disfagia e estratégias de tratamento. Anatomia clínica e fisiologia do mecanismo de deglutição. São Paulo: Cengage Learning; 2009.

Belafsky PC, Brunenfeld L, Lepage A, Nahrtedt K. The accuracy of the modified Evan´s blue dye test in predicting aspiration. Laryngoscope. 2003;113(11):1969-72.

Oliveira SG, Wibelinger LM, Del Luca R. Traumatismo cranioencefálico: uma revisão bibliográfica. FisioWeb [Internet]. 2005 [acesso em 15 jan. 2016]. Disponível em: http://www.wgate.com.br/conteudo/medicinaesaude/fisioterapia/neuro/traumatismo_tce.htm

Duarte MJ. Prática fonoaudiológica com pacientes disfágicos em contexto hospitalar: aspectos biopsíquicos [dissertação]. São Paulo: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo; 2006.

Sartori APA. Critérios fonoaudiológicos para decanulação traqueal em pacientes com diagnóstico de disfagia neurogênica acometidos por traumatismo crânio encefálico. Curitiba; 2009.

Poca MA. Actualizaciones sobre los traumatismos craneoencefálicos (TCE) [Internet]. Barcelona: Servicio de Neurocirugía, Hospital Universitario Vall d’Hebron; 2004 [acesso em 15 jan. 2016]. Disponível em: http://www.scartd.org/arxius/pocatce02.PDF

Rocha CM. Traumatismo cranioencefálico: correlação entre dados demográficos, escala de Glasgow e tomografia computadorizada de crânio com a mortalidade em curto prazo na cidade de Maceió, Alagoas [tese]. São Paulo: Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina; 2007. DOI: 10.11606/T.5.2007.tde-21062007-145931

Zanata IL, Santos RS, Hirata GC. Tracheal decannulation protocol in patients affected by traumatic brain injury. Int Arch Otorhinolaryngol. 2014;18(2):108-14. DOI: 10.1055/s-0033-1363467

Sartori AP. Critérios fonoaudiológicos para decanulação traqueal em pacientes com diagnóstico de disfagia neurogênica acometidos por traumatismo crânio encefálico [monografia]. Curitiba: Universidade Tuiuti do Paraná; 2009.

Mendes TA, Cavalheiro LV, Arevalo RT, Sonegth R. Estudo preliminar sobre a proposta de um fluxograma de decanulação em traqueostomia com atuação interdisciplinar. Einstein. 2008;6(1):1-6.

Padovani AR, Andrade CR. Perfil funcional da deglutição em unidade de terapia intensiva clínica. Einstein. 2007;5(4):358-62.

Downloads

Publicado

2018-01-29

Como Citar

1.
Andrade AG, Lima GM de, Albuquerque JW de A, Anijar NP, Teixeira R da C. Processo de decanulação em pacientes acometidos por traumatismo cranioencefálico: estudo realizado em um hospital de trauma, na região metropolitana de Belém, PA. Rev. Fac. Ciênc. Méd. Sorocaba [Internet]. 29º de janeiro de 2018 [citado 1º de março de 2024];19(4):196-200. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/RFCMS/article/view/29070

Edição

Seção

Artigo Original