Trombose de veia porta e mesentérica superior

Ronaldo Antônio Borguesi, Bryan Grignoli da Silva, Leticia Francine Duarte de Oliveira, José Roberto Pineda Pietrobon Redini Martins, Gabriel Rodrigues Melo, Brunno Augusto José Costa

Resumo


Introdução: A diferenciação sexual masculina normal se inicia a partir da 7ª semana, quando o gene SRY determina que uma gônada indiferenciada se torne um testículo. As células de Sertoli secretam o hormônio antimülleriano (HAM), que irá regredir os ductos de Müller e as células de Leydig produzem testosterona, estabilizando os ductos de Wolf. A diidrotestosterona (DHT) viriliza os rudimentos genitais externos, entre a 9ª e a 12ª semana, resultando na conformação do órgão genital masculino. Objetivos: Relatar um caso clínico de distúrbio da diferenciação sexual, não diagnosticado. Relato de caso: Paciente de 3 anos, sexo feminino, foi encaminhada para o ambulatório de especialidades com queixa de genitália ambígua há 3 anos (sic). Ao exame físico foi detectada hipertrofia de clitóris a esclarecer e seio urogenital parcialmente fechado. A análise dos resultados obtidos nos exames subsidiários, associada aos dados clínicos, levou a elaboração da hipótese diagnóstica de Síndrome da Insensibilidade Andrógena Parcial. O diagnóstico não pode ser concluído devido a um desentendimento da paciente e familiares com o serviço, que culminou em evasão e perda do seguimento ambulatorial. Conclusão: Distúrbios da diferenciação sexual caracterizam-se como uma emergência diagnóstica. Uma vez que, acompanham em seu curso distúrbios psicossociais, da sexualidade e da identidade de gênero. Assim, o diagnóstico tardio da doença pode repercutir de forma negativa no paciente. Sendo assim, faz-se necessário o acompanhamento precoce por uma equipe multidisciplinar.

Palavras-chave


diferenciação sexual; insensibilidade; androgênios; identidade de gênero

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Apoio: ..............................................................................................................................................

    

Fundação São Paulo - Hospital universitário

 



 

Rev. Fac. Ciênc. Méd. Sorocaba, Sorocaba, SP, Brasil, e-ISSN 1984-4840

A Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.