Avaliação dos níveis de atendimento e controle de crianças com diagnóstico de asma

Autores

  • Victoria Machado Santos Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde
  • Kaio Souza de Melo Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde
  • José Inácio Pereira da Rocha Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde

DOI:

https://doi.org/10.23925/1984-4840.2020v22i4a7

Palavras-chave:

asma em crianças, níveis de atenção, encaminhamento, controle

Resumo

Introdução: A asma é doença inflamatória crônica associada à hiper-responsividade das vias aéreas inferiores e multifatorial. Estima-se que, no Brasil, existam 20 milhões de asmáticos, e a baixa resolutividade da atenção primária, a ausência de protocolos de regulação dos encaminhamentos e a dificuldade na contratação de profissionais médicos levam ao aumento da referência aos serviços de atenção especializada. Objetivos: Avaliar as crianças atendidas num serviço de atenção referenciado. Métodos: No Ambulatório de Pneumologia Infantil do Conjunto Hospitalar de Sorocaba (CHS), foram aplicados questionários que abordaram dados pessoais básicos e perguntas relacionadas à asma do paciente. Os resultados foram analisados pelo método estatístico do χ2. Resultados: A porcentagem de crianças que tiveram até três crises tratadas em casa foi maior do que a das que tiveram mais de três crises. Não se demonstrou qualquer relação entre a presença de pediatra no bairro ou na cidade de origem e o controle da asma. O controle também não se relaciona com o número de consultas no Ambulatório de Pneumologia Infantil do CHS. Conclusão: Doenças crônicas impactam significativamente a saúde do indivíduo e a saúde pública, e a implementação bem-sucedida de políticas de saúde leva à expansão do acesso à atenção primária em saúde e à redução da mortalidade. Deve-se então investir em melhorias para o acesso à atenção básica, considerando-se que o controle permanece aquém mesmo em um centro secundário de saúde, e que a comunicação entre as duas esferas, se fluida, pode garantir resultados mais satisfatórios.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Victoria Machado Santos, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde

Graduanda de Medicina na Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde da PUC/SP; Atualmente é graduanda do 5º ano em Medicina pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

Kaio Souza de Melo, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde

Graduando de Medicina na Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde da PUC/SP; Atualmente é graduando do 5º ano em Medicina pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

José Inácio Pereira da Rocha, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde

Docente na Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde da PUC/SP; Possui graduação em Medicina pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1983) e mestrado em Medicina pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1996). Atualmente é professor assistente mestre nas disciplinas de Pediatria e Habilidades da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, médico pediatra - Clínica Pediátrica José Inácio Pereira da Rocha, médico pneumologista pediátrico - Conjunto Hospitalar de Sorocaba e médico pediatra, pneumoligista pediátrico e neonatologista do Hospital Unimed de Sorocaba. Tem experiência na área de Medicina, com ênfase em Pediatria, atuando principalmente nos seguintes temas: pneumologia, puericultura, neonatologia e ensino.

Referências

Global Initiative for Asthma. GINA [Internet]. Bethesda: Global Initiative for Asthma. Global Strategy for Asthma Management and Prevention; 2010 [acessado em 10 mar. 2021]. Disponível em: http://www.ginasthma.org/pdf/GINA_Report_2010.pdf

Tobergte DR, Curtis S. Monitoring anesthetic basic for standards. J Chem Inform Model. 2013;53(9):1689-99.

Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia. Diretrizes da Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia para o Manejo da Asma - 2012. J Bras Pneumol. 2012;38(Supl. 1):S1-46.

Stirbulov R, Bernd LAG, Solé D. IV Diretrizes Brasileiras para o Manejo da Asma. Rev Bras Alerg Imunopatol. 2006;29(5):222-45.

Temoteo RCA, Souza MM, Farias MCAD, Abreu LC, Martins Netto E. Hanseníase: avaliação em contatos intradomiciliares. ABCS Health Sci. 2013;38(3):133-41.

Leal RCDAC, Braile DM, Souza DRS, Batigália F. Modelo assistencial para pacientes com asma na atenção primária. Rev Assoc Med Bras. 2011;57(6):697-701.

Aguilera SLVU, França BHS, Moysés ST, Moysés SJ. Intermunicipal inequities in access and use of secondary health services in the metropolitan area of Curitiba. Rev Bras Epidemiol. 2014;17(3):654-67. https://doi.org/10.1590/1809-4503201400030007

Marchioro J, Gazzotti MR, Nascimento OA, Montealegre F, Fish J, Jardim JR. Nível de controle da asma e sua relação com o uso de medicação em asmáticos no Brasil. J Bras Pneumol. 2014;40(5):487-94. https://doi.org/10.1590/S1806-37132014000500004

Mendonça MB, Ferreira EAP. Adesão ao tratamento da asma na infância: dificuldades enfrentadas por cuidadoras. Rev Bras Cresc Desenv Hum. 2005;15(1):56-68.

Boing AC, Bertoldi AD, Boing AF, Bastos JL, Peres KG. Acesso a medicamentos no setor público: análise de usuários do Sistema Único de Saúde no Brasil. Cad Saúde Pública. 2013;29(4):691-701. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2013000400007

Leal RCAC, Braile DM, Souza DRS, Batigália F. Modelo assistencial para pacientes com asma na atenção primária. Rev Assoc Med Bras. 2011;57(6):697-701. https://doi.org/10.1590/S0104-42302011000600019

Schmidt MI, Duncan BB, Silva GA, Menezes AM, Monteiro CA, Barreto SM, et al. Doenças crônicas não transmissíveis no Brasil: carga e desafios atuais. Lancet. 2011;9:;9:61-74. https://doi.org/10.1016/S0140-6736(11)60135-9

Downloads

Publicado

2022-06-28

Como Citar

Santos, V. M., Melo, K. S. de, & Rocha, J. I. P. da. (2022). Avaliação dos níveis de atendimento e controle de crianças com diagnóstico de asma. Revista Da Faculdade De Ciências Médicas De Sorocaba, 22(4), 168–172. https://doi.org/10.23925/1984-4840.2020v22i4a7

Edição

Seção

Artigo Original