Antígona aquém do bem e do mal

Guilherme Arruda Aranha

Resumo


A tragédia Antígona, de Sófocles, é comumente invocada por juristas para ilustrar a filosofia jusnaturalista. A personagem Antígona é vista, então, como heroína e Creonte como vilão, em uma interpretação nitidamente maniqueísta. O que se pretende neste artigo é questionar a interpretação maniqueísta, tão comum entre os juristas, e recuperar a dimensão trágica da peça de Sófocles. Para tanto, procurou-se num primeiro momento definir o conceito de jusnaturalismo. Em seguida, destacou-se o trecho da peça que sustenta a interpretação maniqueísta tão comum entre os juristas – e ora questionada. Finalmente, buscou-se um fundamento não mais jurídico e sim filosófico e ensaístico a fim de embasar a interpretação trágica da peça, demonstrando a precariedade da interpretação corriqueira levada a cabo pelos juristas.

Palavras-chave


tragédia; maniqueísmo; jusnaturalismo; incerteza; prudência.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 1982-6672

DOI 10.23925/1982-6672