Algumas abordagens pragmatistas das instituições

contribuições aos estudos sociais

Autores

  • Tiago Medeiros Instituto Federal da Bahia

DOI:

https://doi.org/10.23925/2316-5278.2023v24i1:e64301

Palavras-chave:

Ciências sociais, Instituições, Pragmatismo, Teoria social

Resumo

texto explora uma contribuição pragmatista à teoria e às ciências sociais. Seu tema é a relação entre procedimentos pragmatistas de pensamento e as maneiras com que manipulamos e lidamos com as instituições. O objetivo é organizar alguns pontos de vista pragmatistas sobre elas. O primeiro sugere uma adesão às instituições convencionais reconhecidas como o repertório exemplar de dispositivos de organização em uma sociedade livre e justa. Por trás disso, repousam as teses epistemológicas quanto ao caráter conservador de nossas crenças. A segunda abordagem pragmatista sugere uma ênfase na transgressão aos arranjos institucionais vigentes. De acordo com ela, qualquer apologia às instituições petrificadas é uma traição ao espírito humano, caracterizado pelos atributos como atividade, vitalidade e divindade. A terceira abordagem indica uma espécie de equilíbrio entre a mobilização individual e coletiva e o modo como as instituições funcionam. Seu foco é posto sobre a força política das sociedades para mudar conteúdos específicos das instituições existentes através de uma agenda de reconstrução de relações e fazeres.

Metrics

Carregando Métricas ...

Referências

ADDAMS, Jane. Democracy and Social Ethics. New York: The Macmillan Company, 1902.

BAIN, Alexander. The Emotions and the Will. Third Edition, London: Longmans, Green and co., 1875.

BERTHELOT, René. Un romantisme utilitaire: etude sur le mouvement pragmatiste. Paris: Librarie Félix Alcan, 1911.

COMETTI, Jean Pierre. A Filosofia sem Privilégios. Porto: Edições Asa, 1995.

DE WAAL, Cornelius. Sobre Pragmatismo. Trad. Cassiano Terra Rodrigues. São Paulo: Loyola, 2007.

DEWEY, John. Art as experience. New York: Perigee Books, 1980.

DEWEY, John. Experience and education: The 60th anniversary. West Lafayete: Kapa Delta Pi, 1998.

DEWEY, John. Reconstruction in philosophy. New York: Henry Holt and Company, 1920.

DEWEY, John. The public and its problems. Chicago: Gateway Books, 1946.

FERSTENSTEIN, Michael. Pragmatism & Political Theory: from Dewey to Rorty. Chicago: The University of Chicago Press, 1997.

FOLLET, Marry. The New State. Longmans and Green Co., 1918.

HOLMES Jr., Oliver Wendell. The Common Law. Boston: Little Brown and Co., 1881.

HOOK, Sidney. Reason, Social Myths and Democracy. New York: Harper Torchbooks, 1966.

JAMES, William. Pragmatism: A New Name For Old Ways of Thinking. London: Longmans, Green and Co., 1922.

MARK, S. Kende. Constitutional Pragmatism, the Supreme Court, and Democratic Revolution. Denv. U. L. Rev, p. 635-670, 2012.

MEDEIROS, Tiago. Pragmatismo Romântico e Demcracia: Roberto Mangabeira Unger e Richard Rorty. Salvador: Edufba, 2016.

MIGUEL, Luis Felipe. Em torno do conceito de mito político. Dados: Revista de Ciências Sociais, v. 41, n. 3, 1998. [https://www.scielo.br/j/dados/i/1998.v41n3/]

OAKESHOTT, Michael. Conservadorismo. Trad. André Bezamat. Belo Horizonte: Âyné, 2016.

PAPINI, Giovanni. Pragmatismo. Buenos Aires Cactus, 2011.

PEIRCE, Charles. Sanders. The Fixation of Belief. The Popular Science Monthly, nov. 1877.

RORTY, Richard. Contingency, Irony and Solidarity. Cambridge: Cambridge University Press, 1989.

RORTY, Richard. Dewey’s Metaphysics. In: Consequences of pragmatism. Minneapolis: University of Min- nesota Press, 1982. p. 72-89.

RORTY, Richard. Philosophy as Social Hope. New York: Penguin Books. 1999.

SHORT, T. The conservative pragmatism of Charles Peirce. Modern Age, p. 295-303, Fall. 2001.

SOREL, George. De L’utilité du Praagmatisme. Paris: Librarie de Sciences Politiques et Sociales, 1921.

SOREL, George. Réflexions sur la violence. Paris: Entremonde, 2013.

SOUZA, José Crisóstomo de. Filosofia, Ação, Criação: Poética Pragmática em Movimento. Salvador: Edufba, 2021.

TOQUEVILLE, Alexis de. De la démocracie en Amérique. Paris: Institut Coppet, 2012.

TUFTS, James. Our democracy: its origins and its tasks. New York: Henry Holt and Company, 1917.

TUFTS, James; Dewey, John. Ethics. New York: Henry Holt and Co, London: George Belland Sons, 1903.

UNGER, Roberto Mangabeira. Depois do Colonialismo Mental: Repensar e Reorganizar o Brasil. Rio de Janeiro: Autêntica, 2018.

UNGER, Roberto Mangabeira. Plasticity into Power. Cambridge: Cambridge University Press, 1987. UNGER, Roberto Mangabeira. The Self Awakened: Pragmatism Unbound. Cambridge: Harvard University

Press, 2007.

VANNATTA, S. Conservatism and pragmatism in law, politics and ethics. New York: Palgrave MacMillan, 2014.

WEST, Cornel. The American Evasion of Philosophy. Winsconsin: The University of Winsconsin Press, 1989. WESTERBROOK, R. B. John Dewey and American Democracy. Ithaca: Cornel University Press, 1991.

Downloads

Publicado

2023-12-01

Como Citar

Medeiros, T. . (2023). Algumas abordagens pragmatistas das instituições: contribuições aos estudos sociais. Cognitio: Revista De Filosofia, 24(1), e64301. https://doi.org/10.23925/2316-5278.2023v24i1:e64301