A aplicabilidade de pessoalidade é adequada na embriologia, de modo a considerar o embrião humano uma pessoa?

Adriano Corrêa da Silva

Resumo


Neste artigo abordaremos a confrontação do conceito de pessoa humana entre a Igreja e certos grupos de cientistas, visto que existe atualmente um debate na bioética em torno da conveniência de eliminar tal conceito quanto a sua aplicabilidade ao embrião, justamente por haver uma divergência sobre o seu significado teórico. O esforço se concentrará em apresentar qual é o conceito teológico de pessoa humana imprescindindo paralelamente de uma bagagem filosófica e científica do termo, donde veremos certas discrepâncias.

Palavras-chave


Embrião humano; Considerações antropológicas e éticas; Sujeito subsistente

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.19176/rct.v0i73.15351

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais



ISSN Online 2317-4307 | Impresso (descontinuada) 0104-0529

A Revista de Cultura Teológica e os textos aqui publicados estão licenciados com uma Licença Creative Commons Attribution-NoDerivatives 4.0 International. Baseado no trabalho disponível em http://revistas.pucsp.br/culturateo. Podem estar disponíveis autorizações adicionais às concedidas no âmbito desta licença em http://revistas.pucsp.br/culturateo.


A Revista de Cultura Teológica está:

Associada a:

Indexada em:

  Google Acadêmico

Presença em Bibliotecas: