“MANUAL DE LINGUÍSTICA”: HOMONÍMIA OU POLISSEMIA NA HISTÓRIA?

Ronaldo de Oliveira Batista

Resumo


A partir de princípios teórico-metodológicos da Historiografia da Linguística (com utilização de categorias como programas de investigação, grupos de especialidade e argumento da influência), apresenta-se uma análise de dois momentos da produção brasileira em linguística, tomando como objeto dois manuais publicados com o mesmo título (Manual de Linguística) em 1979 e 2009. O artigo procura apontar continuidades (vistas como fenômeno polissêmico) e descontinuidades (vistas como fenômeno homonímico) na validação de saberes em um intervalo de trinta anos de estudos e ensino de linguística no Brasil, verificando em que medida há semelhanças ou distinções entre dois livros que se apresentaram com a mesma designação. Em consequência das análises, o texto evidencia que a interpretação historiográfica pode ser resultante do ponto de vista adotado pelo historiógrafo.

Palavras-chave


Historiografia Linguística; Programas de Investigação; Grupos de Especialidade; Argumento da Influência

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.1590/delta.v28i1.7541

Revista Delta-Documentação e Estudos em Linguística Teórica e Aplicada ISSN 1678-460X