Cidades inteligentes no Brasil: conexões entre poder corporativo, direitos e engajamento cívico

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/2236-9996.2023-5705

Palavras-chave:

Cidades inteligentes, Nova Agenda Urbana, Direito à cidade, Direitos digitais, Engajamento cívico

Resumo

A agenda de cidades inteligentes vem se consolidando no Brasil a partir de relações de poder assimétricas entre atores estatais e não-estatais, sendo atravessada por conflitos de interesses entre empresas, governos, e comunidades a nível transnacional, regional e local. Da Nova Agenda Urbana assinada em Quito em 2016 aos novos “planos diretores” encabeçados por consultorias privadas nos municípios brasileiros, abordagens corporativas de inteligência no espaço urbano têm salientado a racionalidade neoliberal por trás do conceito e seus desdobramentos. Aqui, apresenta-se um olhar crítico dessa agenda desde o Sul Global, articulando o alcance do poder corporativo, a garantia de direitos (à cidade e digitais) e a resistência exercida a partir de colaborações locais e internacionais.

Referências

ALFONSIN, B. M.; SALTZ, A.; FERNANDEZ, D.; VIVAN FILHO, G. T. A.; FACCENDA, G.; MULLER, R. (2017). Das ruas de Paris a Quito: o direito à cidade na nova agenda urbana - Habitat III. Revista de Direito da Cidade, [S.l.], v. 9, n. 3, pp. 1214-1246.

ARNAUDO, D. (2017). Brasil e o marco civil da internet: o estado da governança digital brasileira. Artigo Estratégico, n. 25, pp. 1-57.

ARRUDA, P. (2020). Vitória é 1ª capital a concluir Plano de Tecnologia de Cidades Inteligentes. Prefeitura Municipal de Vitória. Disponível em: https://vitoria.es.gov.br/noticia/vitoria-e-1a-capital-aconcluir-plano-de-tecnologia-de-cidades-inteligentes-41116. Acesso em: 11 ago 2022.

AUNE, A. (2017). Human smart cities: o cenário brasileiro e a importância da abordagem joined-up na definição de cidade inteligente. Dissertação de mestrado. Rio de Janeiro, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.

ÁVILA, R. (2020). Against digital colonialism. Autonomy, pp. 1-13.

BAIBARAC-DUIGNAN, C; LANGE, M. (2021). Controversing the datafied smart city: Conceptualising a ‘making-controversial’ approach to civic engagement. Big Data & Society, v. 8, n. 2, pp. 1-15.

BALBIM, R. (2017). A geopolítica das cidades e a nova agenda urbana. IPEA – Boletim Regional, Urbano e Ambiental, n. 17, pp. 35-44.

BENJAMIN, R. (2019). Race after technology: abolitionist tools for the new jim code. Cambridge and Medford, Polity Press.

BIETTI, E. (2020). From ethics washing to ethics bashing: a view on tech ethics from within moral philosophy. Proceedings of the 2020 Conference on Fairness, Accountability, and Transparency (FAT* ‘20). Nova York, Association for Computing Machinery, pp. 210-219.

BOLDRINI, A. (2019). Sem atuação efetiva, frentes parlamentares proliferam no Congresso. Folha de S.Paulo. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/poder/2019/04/sem-atuacao-efetivafrentes-parlamentares-proliferam-no-congresso.shtml. Acesso em: 11 ago 2022.

BRANDUSESCU, A.; REIA, J. (eds.) (2022). Artificial intelligence in the city: building civic engagement and public trust. Centre for Interdisciplinary Research on Montreal, McGill University.

BRASIL (2016a). Comments from Brazil to the issue papers that will inform the discussions of the UN Habitat III Conference. Disponível em: http://habitat3.org/wp-content/uploads/BRASIL-Commentson-Habitat-III-Issue-Papers.pdf. Acesso em: 11 ago 2022.

______ (2016b). Comments by the Federative Republic of Brazil on the Habitat III Policy Papers. 2016. Disponível em: http://habitat3.org/wp-content/uploads/PU_Comments_Brazil.pdf. Acesso em: 11 ago 2022.

BRUNO, F. (2008). Máquinas de ver, modos de ser: visibilidade e subjetividade nas novas tecnologias de informação e de comunicação. Revista Famecos, v. 11, n. 24, pp. 110-124.

CARDULLO, P.; KITCHIN, R. (2019). Being a “Citizen” in the smart city: up and down the scaffold of smart citizen participation in Dublin, Ireland. GeoJournal, v. 84, n. 1, pp. 1-13.

CASTELLS, M. (1989). The informational city. Oxford and Cambridge, Blackwell.

CUGURULLO, F. (2021). Frankenstein urbanism: eco, smart and autonomous cities, artificial intelligence and the end of the city. Abingdon e Nova York, Routledge.

CRUZ, L. (2022). “Where is Facial Recognition Technology Heading in Brazil?”. In: BRANDUSESCU, A.; REIA, J. (eds.). Artificial intelligence in the city: building civic engagement and public trust. Centre for Interdisciplinary Research on Montreal, McGill University.

DIAS, T. (2021). A bancada do like: Google e iFood se inspiram em ruralistas e montam tropa de choque no Congresso. The Intercept Brasil. Disponível em: https://theintercept.com/2021/11/25/googlee-ifood-montam-bancada-do-lie/. Acesso em: 11 ago 2022.

FIRMINO, R. (2005). Planning the unplannable: How local authorities integrate urban and ICTS policy-making. Journal of Urban Technology, v. 12, n. 2, pp. 49-69.

______ (2019). Entrevista on-line concedida aos autores, em 27 mar.

FIRMINO, R.; KANASHIRO, M.; BRUNO, F.; EVANGELISTA, R.; NASCIMENTO, L. (2013). Fear, security, and the spread of cctv in brazilian cities: legislation, debate, and the market. Journal of Urban Technology, v. 20, n. 3, pp. 65-84.

FROTA, H. (2019). Entrevista on-line concedida aos autores, em 9 maio.

GAFFNEY, C.; ROBERTSON, C. (2018). Smarter than smart: Rio de Janeiro’s flawed emergence as a smart city. Journal of Urban Technology, v. 25, n. 3, pp. 47-64.

GALINDO, E.; MONTEIRO, R. A. (2016). Nova agenda urbana no Brasil à luz da Habitat III. IPEA – Boletim Regional, Urbano e Ambiental, n. 15, pp. 25-32.

GORDILHO SOUZA, A. M. (2018). Urbanismo neoliberal, gestão corporativa e o direito à cidade: impactos e tensões recentes nas cidades brasileiras. Cadernos Metrópole. São Paulo, v. 20, n. 41, pp. 245-265.

GUMPERT, G.; DRUCKER, S. (2008). Communicative Cities. The International Communication Gazette, v. 70, n. 3-4, pp. 195-208.

HARVEY, D. (2014). Cidades rebeldes: do direito à cidade à revolução urbana. São Paulo, Martins Fontes.

HOFFMANN, A. L. (2019). Where fairness fails: data, algorithms, and the limits of antidiscrimination discourse. Information, Communication & Society, v. 22, n. 7, pp. 900-915.

HORTÉLIO, M. (2020). Cidade inteligente: Salvador será a primeira capital com plano diretor de tecnologia. Jornal Correio. Disponível em: https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/cidade-inteligentesalvador-sera-a-primeira-capital-com-plano-diretor-de-tecnologia/. Acesso em: 12 ago 2022.

IDEC; INSTITUTO LOCOMOTIVA (2022). Barreiras e limitações no acesso à internet e hábitos de uso e navegação na rede nas classes C, D e E. Disponível em: https://idec.org.br/arquivos/pesquisasacesso-internet/idec_pesquisa_internet-movel-pelas-classes-cde.pdf. Acesso em: 12 ago 2022.

ISRAEL, C. B. (2019). Redes digitais, espaços de poder: sobre conflitos na reconfiguração da internet e as estratégias de apropriação civil. Tese de doutorado. São Paulo, Universidade de São Paulo.

JUAZEIRO DO NORTE (2017). Diário oficial do município. Caderno I, Ano XX, n. 4640, de 12 de dezembro. Disponível em: https://juazeirodonorte.ce.gov.br/diario/963/4640_2017_0000001.pdf. Acesso em: 11 ago 2022.

KITCHIN, R. (2015). Making sense of smart cities: addressing present shortcomings. Journal of Regions, Economy and Society. Cambridge, v. 8, n. 1, pp. 131-136.

KITCHIN, R.; LAURIAULT, T.; CARDLE, G. (orgs.). (2018). Data and the city. Nova York e Oxon, Routledge.

KURBAN, C.; PEÑA-LÓPEZ, I.; HABERER, M. (2017). What is Technopolitics? A Conceptual Scheme for Understanding Politics in the Digital Age. IDP. Revista de Internet, Derecho y Ciencia Política, n. 24, p. 3-20.

LEFEBVRE, H. (2001). O direito à cidade. São Paulo, Centauro.

LEMOS, A. (org). (2004). Cibercidade: as cidades na cibercultura. Rio de Janeiro, Editora e-papers.

LIPPOLD, W.; FAUSTINO, D. (2022). Colonialismo digital: por uma crítica hacker-fanoniana. São Paulo, Raízes da América.

MARICATO, E. (1985). Direito à terra ou direito à cidade? Revista de Cultura Vozes, v. 89, n. 6.

______ (2015). Para entender a crise urbana. CaderNAU-Cadernos do Núcleo de Análises Urbanas, v. 8, n. 1, pp. 11-22.

MATTERN, S. (2017). Code and clay, data and dirt. Minneapolis, University of Minnesota Press.

MCQUIRE, S. (2008). The media city. Londres, Sage Publications.

MENDES, L. S.; DONEDA, D. (2018). Reflexões iniciais sobre a nova lei geral de proteção de dados. Revista dos Tribunais, v. 120, pp. 469-483.

MOROZOV, E. (2013). To save everything, click here: the folly of technological solutionism. Nova York, PublicAffairs.

MOROZOV, E.; BRIA, F. (2018). Rethink the smart city: democratizing urban technology. Rosa Luxemburg Stiftung. Disponível em: www.rosalux-nyc.org/wp-content/files_mf/morozovandbria_eng_final55.pdf. Acesso em: 11 ago 2022.

NEIBURG, F.; THOMAZ, O. (2020). Ethnographic views of Brazil’s (new) authoritarian turn. HAU: Journal of Ethnographic Theory, v. 10, n. 1, pp. 7–11.

NIAROS, V. (2016). Introducing a taxonomy of the ‘smart city’: towards a commons-oriented approach? Triple-C, v. 14, n. 1, pp. 51-61.

NIC.br. (2022). Fronteiras da inclusão digital: dinâmicas sociais e políticas públicas de acesso à Internet em pequenos municípios brasileiros. São Paulo, Comitê Gestor da Internet no Brasil.

NOBLE, S. U. (2018). Algorithms of oppression: how search engines reinforce racism. Nova York, New York University Press.

NUNES, P. (2022). Um Rio de câmeras com olhos seletivos: uso do reconhecimento facial pela polícia fluminense. O Panóptico. Disponível em: https://opanoptico.com.br/Caso/um-rio-de-cameras-comolhos-seletivos-uso-do-reconhecimento-facial-pela-policia-fluminense/. Acesso em: 12 ago 2022.

PAPP, A. C. (2014). Em nome da internet: os bastidores da construção coletiva do Marco Civil. Trabalho de conclusão de curso. São Paulo, Universidade de São Paulo.

PIMENTA, V. M.; PIMENTA, I. L.; DONEDA, D. C. M. (2019). “Onde eles estavam na hora do crime?”: Ilegalidades no tratamento de dados pessoais na monitoração eletrônica. Revista Brasileira De Segurança Pública, v. 13, n. 1, pp. 59-75.

PINHEIRO-MACHADO, R.; SCALCO, L. (2020). From hope to hate: the rise of conservative subjectivity in Brazil. HAU: Journal of Ethnographic Theory, v. 10, n. 1, pp. 21-31.

POLI DE FIGUEIREDO, G. M. (2018). O discurso e a prática da smart city: perspectivas críticas e aproximações sistemáticas no contexto de metrópoles latino-americanas. Dissertação de mestrado. São Paulo, Universidade de São Paulo.

PRIVACY INTERNATIONAL (2017). Smart cities: utopian vision, dystopian reality. Disponível em: https://privacyinternational.org/sites/default/files/2017-12/Smart%20Cities-Utopian%20Vision%2C%20Dystopian%20Reality.pdf. Acesso em: 11 ago 2022.

REIA, J. (2019). O direito à cidade (inteligente): tecnologias, regulação e a Nova Agenda Urbana. In: REIA, J.; FRANCISCO, P.; BARROS M.; MAGRANI, E. (eds.). Horizonte presente: tecnologia e sociedade em debate. Belo Horizonte, Brasil, Letramento.

REIA, J.; BELLI, L. (eds) (2021). Smart cities no Brasil: regulação, tecnologia e direitos. Belo Horizonte, Letramento.

REIA, J.; CRUZ, L. F. (2021). “Seeing through the smart city narrative: data governance, power relations, and regulatory challenges in Brazil”. In: HAGGART, B.; TUSIKOV, N.; SCHOLTE, J. A. (eds). Power and authority in internet governance. Londres e Nova York, Routledge.

REIA, J.; MIZUKAMI, P. N. (2015). Reformando a lei de direitos autorais: desafios para o novo governo na área da cultura. Revista Eletrônica de Comunicação, Informação & Inovação em Saúde, v. 9, n. 1.

RODRIGUES, A. (2021). Após quase três anos, ações para tornar Juazeiro do Norte como cidade inteligente não saíram. Diário do Nordeste. Disponível em: https://diariodonordeste.verdesmares.com.br/regiao/apos-quase-tres-anos-acoes-para-tornar-juazeiro-do-norte-como-cidade-inteligente-naosairam-1.3087751. Acesso em: 14 ago 2022.

ROLNIK, R. (2019). Urban warfare: housing under the empire of finance. Londres e Nova York, Verso Books.

______ (2022). São Paulo: o planejamento da desigualdade. São Paulo, Editora Fósforo.

SADOWSKI, J.; BENDOR, R. (2019). Selling smartness: corporate narratives and the smart city as a sociotechnical imaginary. Science, Technology, & Human Values, v. 44 n. 3, pp. 540-563.

SALOMÃO, E.; MONTEIRO, P. D. C. (2020). O slave ship como paradigma de análise dos aparatos de vigilância no genocídio antinegro pelo estado brasileiro. In: CONGRESSO DE PESQUISA EM CIÊNCIAS CRIMINAIS, IBCCRIM. Anais...

SALVADOR (2019). Prefeitura Municipal do Salvador. Concorrência SEMGE n. 001/2019. Edital de Concorrência Plano Diretor de Tecnologia da Cidade Inteligente – PDTCI. Tipo: menor preço. Disponível em: https://bit.ly/3iDerXn. Acesso em: 11 ago 2022.

SANTOS, L. P. (2019). Inédito. Entrevista realizada pessoalmente, São Paulo: 3 maio 2019.

SAULE JÚNIOR, N. (2016). O direito à cidade como centro da Nova Agenda Urbana. IPEA - Boletim Regional, Urbano e Ambiental, 15, p. 73-76.

SCHIAVO, E. C.; GELFUSO, A. G. (2018). Urbanismo de mercado: las ciudades latinoamericanas y el neoliberalismo realmente existente. Cadernos Metrópole. São Paulo, v. 20, n. 42, pp. 423-442.

SILVA, M. R. (2021). Orbitando telas: tecnopolíticas de segurança, o paradigma smart e o vigilantismo de gênero em tempos de acumulação de dados. Sur - Revista Internacional de Direitos Humanos, n. 31, pp. 201-212.

SILVA, M. R.; VARON, J. (2021). Reconhecimento facial no setor público e identidades trans: tecnopolíticas de controle e ameaça à diversidade de gênero em suas interseccionalidades de raça, classe e território. Rio de Janeiro, Coding Rights.

SILVA, R. L.; SILVA, F. S. R. (2019). Reconhecimento Facial e Segurança Pública: os perigos da tecnologia no sistema penal seletivo brasileiro. In: 5º CONGRESSO INTERNACIONAL DE DIREITO E CONTEMPORANEIDADE. Anais. Santa Maria, UFSM.

SILVA, T. (2020). “Racismo algorítmico em plataformas digitais: microagressões e discriminação em código”. In: SILVA, T. (org.). Comunidades, algoritmos e ativismos digitais: olhares afrodiaspóricos. São Paulo, LiteraRUA.

SIMÃO, V. (2019). Frente fria: por uma lei das frentes parlamentares. Folha de S.Paulo. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/opiniao/2019/04/frente--fria-por-uma-lei-das-frentesparlamentares.shtml. Acesso em: 11 ago 2022.

SÖDERSTRÖM, O.; PAASCHE, T.; KLAUSER, F. (2014). Smart Cities as Corporate Storytelling. City, v. 18, n. 3, pp. 307-320.

SOLAGNA, F. (2020). 30 anos de governança da internet no Brasil: coalizões e ideias em disputa pela rede. Tese de doutorado. Porto Alegre, Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

SOUZA, C.; MACIEL, M.; FRANCISCO, P. A. (2010). Marco Civil da Internet: uma questão de princípio. PoliTICs 7. Disponível em: https://politics.org.br/edicoes/marco-civil-da-internet-uma-quest%C3%A3o-deprinc%C3%ADpio. Acesso em: 11 ago 2022.

SOUZA, M. R. O.; ZANATTA, R. A. F. (2021). The problem of automated facial recognition technologies in Brazil: social countermovements and the new frontiers of fundamental rights. Latin American Human Rights Studies, v. 1, pp. 1-34.

STOCKMAR, L. (2016). “Security fairs”. In: ABRAHAMSEN, R.; LEANDER, A. (orgs.). Handbook of private security studies. Nova York, Routledge.

TAVOLARI, B. (2016). Direito à cidade: uma trajetória conceitual. Novos Estudos Cebrap, v. 35, n. 1, pp. 93-109.

TÉLAM DIGITAL (2022). La Justicia detectó el uso irregular de datos biométricos en CABA y suspendió el sistema de vigilancia facial. Télam Digital. Disponível em: https://www.telam.com.ar/notas/202204/589313-gobierno-ciudad-buenos-aires-denuncia-uso-reconocimiento-facial-datos.html. Acesso em: 14 ago 2022.

THE PUBLIC VOICE (2019). Padrões globais de privacidade para um mundo globalizado. Declaração da Sociedade Civil. Madri, Espanha, 3 de novembro. Disponível em: https://thepublicvoice-org.translate.goog/madrid-declaration/br/?_x_tr_sl=auto&_x_tr_tl=pt&_x_tr_hl=pt-BR. Acesso em: 14 ago 2022.

TOWNSEND, A. (2013). Smart cities: big data, civic hackers and the quest for a new utopia. Nova York, W.W. Norton.

UNITED NATIONS (2017). New urban agenda. Disponível em: http://habitat3.org/the-new-urbanagenda/documents/issue-papers/. Acesso em: 11 ago 2022.

WAGNER, B. (2018). “Ethics as an escape from regulation. From “ethics-washing” to ethics-shopping?”. In: BAYAMLIOGLU, E.; BARALIUC, I.; JANSSENS, L.; HILDEBRANDT, M. (orgs.). Being profiled: cogitas ergo sum. Amsterdam, Amsterdam University Press.

WEISER, M. (1996). Ubiquitous computing. Disponível em: http://web.archive.org/web/20070202035810/www.ubiq.com/hypertext/weiser/UbiHome.html. Acesso em: 11 ago 2022.

WINNER, L. (1980). Do artifacts have politics? Daedalus, v. 109, n. 1, pp. 121-136.

ZUIDERWIJK, A.; CHEN, YC.; SALEM, F. (2021). Implications of the use of artificial intelligence in public governance: a systematic literature review and a research agenda. Government Information Quarterly, v. 38, n. 3.

Downloads

Publicado

2023-04-19