PSICOLOGIA, EUGENIA E O COTIDIANO DA EDUCAÇÃO INFANTIL NA IMPRENSA (1893-1917)

Anderson de Carvalho Pereira

Resumo


Os ideais eugenistas estabeleceram uma relação estreita e também de condução da Psicologia científica no Brasil, entre meados do século XIX e início do século XX. Neste artigo, demonstramos de que modo a circulação desses ideais no cotidiano consolidou um tipo de cuidado com a maternidade e com a Educação Infantil. Para isto, foram analisados dois jornais de grande circulação do período entre 1893 e 1917. Por meio do conceito de arquivo e conforme paradigma indiciário de Ginzburg foram analisadas partes de uma materialidade do cotidiano composta por esses jornais que permitiram analisar um discurso sobre infância e educação infantil, com destaque para o papel de uma Psicologia do cotidiano na difusão destes ideais eugenistas.

Palavras-chave


Psicologia do Desenvolvimento; Psicologia Educacional; Eugenia; Educação infantil; Racismo

Texto completo:

PDF

Referências


Castañeda, L. A. (2003). Eugenia e casamento. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, 10(3), 901-930.

Certeau, M. (2001). A invenção do cotidiano – as artes de fazer. Petrópolis/RJ: Vozes.

Cont, V. (2008). Francis Galton: eugenia e hereditariedade. Scientiae Studia, 6(2), 201-218. https://doi.org/10.1590/S1678-31662008000200004.

Coracini, M. J. (2007). A celebração do outro: arquivo, memória e identidade – línguas (materna e estrangeira), plurilingüismo e tradução. Campinas/SP: Mercado de Letras. Elia, L. (2010). O conceito de sujeito. Rio de Janeiro/RJ.

Fontana, M. G. Z. & Cestari, M. J. (2014). “Cara de empregada doméstica”: discursos sobre os corpos de mulheres negras no Brasil. Revista Rua [online], 20, edição especial, 167-186.

Fontenele, L. (2002). A interpretação. Rio de Janeiro/RJ. Zahar.

Foucault, M. (2012). Arqueologia do saber. Rio de Janeiro/ RJ: Forense Universitária. (trabalho original publicado em 1969).

Ginzburg, C. (1989). Mitos, emblemas e sinais: morfologia e História. (F. Carotti, trad.). São Paulo-SP: Cia das Letras. (Original publicado em 1986).

Guilhaumou, J; Maldidier, D & Robin, R. (1994). Discours et archive. Liège: Pierre Mardagaéditeur.

Heller, A. (1992). O cotidiano e a História. São Paulo/SP: editora Paz e Terra.

Interessa às senhoras. Procurae ter filhos fortes e robustos. (1917, 4 abril) Futuro das moças Semanario Ilustrado – Homenagem ao bello sexo, 1(I).

Kuhlmann Jr., M & Magalhães, M. das G. S. (2010). A infância nos almanaques: nacionalismo, saúde e educação (Brasil 1920-1940). Educação em Revista, 26(1), 327-349. https://doi.org/10.1590/S0102-46982010000100016

Larocca, L. M., & Marques, V. R. B. (2010). Higienizar, cuidar e civilizar: o discurso médico para a escola paranaense (1920-1937). Interface - Comunicação, Saúde, Educação, 14(34), 647-660. https://doi.org/10.1590/S1414-32832010000300014

Luzuriaga, L. (1972). História da Educação e da Pedagogia. 6ª.ed. São Paulo/SP: Editora Nacional.

Maluf, M.; Mott, M. L. (1998). Recônditos do mundo feminino. In: Sevcenko, Nicolau (org.). História da vida privada no Brasil – República: da belle époque à era do rádio (vol. 3). (pp.367-423). São Paulo/SP: Cia das Letras.

Manacorda, M A. (1997). História da educação: da Antiguidade aos nossos dias. 6ª.ed. São Paulo/SP. Cortez.

Masiero, A. L. (2002). “Psicologia das raças” e religiosidade no Brasil: uma intersecção histórica. Psicol. cienc. prof., 22(1), p.66-79. https://doi.org/10.1590/S1414-98932002000100008

Masiero, A. L. (2003). A lobotomia e a leucotomia nos manicômios brasileiros. Hist. cienc. saude - Manguinhos, 10(2), p.549-572. https://doi.org/10.1590/S0104-59702003000200004

Masiero, A. L. (2005). A Psicologia racial no Brasil (1918-1929). Estud. psicol. (Natal), 10(2), p.199-206. https://doi.org/10.1590/S1413-294X2005000200006

Massimi, M. (1990). História da Psicologia brasileira – da época colonial até 1934. São Paulo/SP: E.P.U.

Octavio, R. (1893). A propósito de um livro do dr. Francisco de Castro. A semana, Chronica dos livros, Rio de Janeiro, 53 (2-3).

Patto, M. H. S. (1992). A família pobre e a escola pública: anotações sobre um desencontro. Psicologia USP, 3(1-2), 107-121.

Patto, M. H. S. (1999). Estado, ciência e política na Primeira República: a desqualificação dos pobres. Estudos Avançados, 13(35), 167-198. https://doi.org/10.1590/S0103-40141999000100017

Pêcheux, M. (1997). Ler o arquivo hoje. In. E.P. Orlandi. (org.). Gestos de Leitura: da História no discurso. (pp.55-67).

(C.C. Pfeiffer, E.P. Orlandi, trad.). Campinas/SP. Ed. da UNICAMP. (Original publicado em 1983).

Ribeiro, D. (1981). O mulo – romance. Rio de Janeiro/RJ. Editora Nova Fronteira.

Schapochink, N. Cartões-postais, álbuns de família e ícones da intimidade. In: Sevcenko, N. (1998). História da vida privada no Brasil – República: da belle époque à era do rádio (vol. 3). (pp.423-513). São Paulo/SP: Cia das Letras.

Shepherd, M. (1987). Sherlock Holmes e o caso do Dr. Freud. São Paulo/SP: Casa do Psicólogo.

Silva, E. G. & Fonseca, A. B. (2013). Ciência, estética e raça: observando imagens e textos no periódico O Brasil Médico, 1928-1945. História, Ciências, SaúdeManguinhos, 20 (Suppl. 1), 1287-1313. https://dx.doi.

org/10.1590/S0104-59702013000400011

Tfouni, L. V. (1992). O dado como indício e a contextualização do(a) pesquisador(a) nos estudos sobre compreensão da linguagem. Delta, 8(2), SCT/PR, p. 205-223.




DOI: https://doi.org/10.5935/2175-3520.20200002

Apontamentos

  • Não há apontamentos.