PELA VOZ DO OUTRO: A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA DEFICIÊNCIA NA ESCOLA

Andrea Soares Wuo, Daniela Leal

Resumo


O presente artigo teve por objetivo analisar o processo de construção social da diferença na escola, em especial da deficiência – diferença estigmatizada, inferiorizada e historicamente marginalizada – e os modos como a pessoa com deficiência vivencia a realidade escolar. A pesquisa, de abordagem qualitativa, foi realizada em uma escola de ensino médio do município de Blumenau, utilizando-se, como técnica de produção dos dados, a observação do cotidiano escolar, a análise documental e entrevistas com uma gestora, uma professora e uma estudante cega. Com base no modelo social da deficiência e considerando a importância da participação das pessoas com deficiência na construção do conhecimento sobre sua realidade, os resultados buscaram evidenciar a narrativa e as perspectivas da estudante sobre sua trajetória escolar. Com isso, foi possível observar que os processos de inclusão/exclusão escolar dependem dos modos como os diferentes atores concebem e lidam com a deficiência que, por sua vez, constrói-se a partir das interações entre a estudante e os outros.

Palavras-chave


Deficiência; Ensino médio; Escola; Inclusão; Educação especial

Texto completo:

PDF

Referências


Amiralian, M. L. T. M. (2003). A deficiência redescoberta: a orientação de país de crianças com deficiência visual. Revista Psicopedagogia, 20(62), 107-15.

Becker, H. (1993). Métodos de pesquisa em ciências sociais. São Paulo: Editora Hucitec.

Brasil (2008). Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. MEC/SECADI. Recuperado de: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=16690-politicanacional-de-educacao-especial-na-perspectiva-daeducacao-inclusiva-05122014&Itemid=30192.

Brasil. (2015). Lei nº 13.146, de 6 de julho de 2015 (Lei brasileira de inclusão da pessoa com deficiência).

Brasília: Congresso Nacional. Recuperado de: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13146.htm.

Canguilhem, G. (1995). O normal e o patológico. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

CBDV. (não dato). Goalball. São Paulo: Confederação Brasileira de Desportos de Deficientes Visuais. Recuperado de: http://cbdv.org.br/pagina/goalball.

Cortella, M. S. (1998). A escola e o conhecimento: fundamentos epistemológicos e políticos. São Paulo: Cortez Editora.

Da Matta, R. (1997). A casa e a rua: espaço, cidadania, mulher e morte no Brasil. Rio de Janeiro: Rocco.

De Carlo, M. M. R. P. (1999). Se essa casa fosse nossa... -instituições e processos de imaginação na educação especial. São Paulo: Plexus Editora.

Derrida, J., & Roudinesco, E. (2004). De que amanhã... Rio de Janeiro: Zahar.

Elias, N. (2000). Os estabelecidos e os outsiders. Rio de Janeiro: Zahar.

Ferreira, J. R., & Glat, R. (2003). Reformas educacionais pós-LDB: a inclusão do aluno com necessidades especiais no contexto da municipalização. In: Souza, D. B. de & Faria, L. C. M. de. (org.). Desafios da Educação Municipal. Rio de Janeiro: DPA Editora, 2003, pp. 372-390.

Fraga, J. M. (2017). Professor de apoio pedagógico e estudantes público alvo da educação especial: práticas pedagógicas inclusivas? Dissertação de Mestrado, Universidade Regional de Blumenau, Blumenau, SC, Brasil. Recuperado de: http://www.bc.furb.br/docs/DS/2016/362798_1_1.pdf.

Fraga, J. M et al. (2017). Conceitos e relações entre educação inclusiva e educação especial nas legislações educacionais do Brasil, Santa Catarina e Blumenau. Revista Educação Especial, 30(57), 41-54.

Goffman, E. (1980). Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada Márcia Bandeira de Mello Leite Nunes, Trad.). Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.

Maffezoli, R. R. (2004). Olha, eu já cresci - a infantilização de jovens e adultos com deficiência mental. Dissertação de Mestrado, Universidade Metodista de Piracicaba, Piracicaba, SP, Brasil.

Oliver, M., & Barnes, C. (2013). Disability studies, disabled people and the struggle for inclusion. British Journal of Sociology of Education, 31(5), 547-560.

Organização das Nações Unidas. Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, aprovada pela Assembleia Geral da ONU em dezembro de 2006. Recuperada de: http://www.pessoacomdeficiencia.gov.br/app/sites/default/files/publicacoes/convencaopessoascomdeficiencia.pdf . Acesso em 15 de outubro de 2018.

Organização das Nações Unidas. Declaração Universal dos Direitos Humanos, de 1948. Recuperada de: https://www.ohchr.org/EN/UDHR/Documents/UDHR_Translations/por.pdf . Acesso em 15 de outubro de 2018

Pletsch, M. D., Lunardi Mendes, G. M. (2015). Entre Políticas e Práticas: Os Desafios da Educação Inclusiva No Brasil. Education Policy Analysis Archives, 23, 01-08

PPP (2018). Projeto Político Pedagógico. Blumenau, SC. Silveira, K. A., Enumo, S. R. F., & Rosa, E. M. (2012, dez.). Concepções de professores sobre inclusão escolar e interações em ambiente inclusivo: uma revisão de literatura. Rev. bras. educ. espec., 18(4), 695-708.

Stoer, S. R., Magalhães, A. M., & Rodrigues, D. (2004). Os lugares da exclusão social: um dispositivo de diferenciação pedagógica. São Paulo: Cortez.

Tenório, R. M., Ferraz, M. C. G., & Pinto, J. C. A. (2015). Eficácia e equidade: indicadores de qualidade da educação básica no Brasil (Projeto Equidade no Ensino Superior). Salvador: FACED.

Todorov, T. (1983). A conquista da América: a questão do outro. São Paulo: Martins Fontes.

Tomlinson, S. (2015). Is a sociology of special and inclusive education possible? Educational Review, 67(3), 273-281.

Torrens, P. (2018). Interações entre escola e família de um estudante público-alvo da educação especial. Dissertação de Mestrado, Universidade Regional de Blumenau, Blumenau, SC, Brasil.

UNESCO. (1994). Declaração de Salamanca e Linha de Ação sobre Necessidades Educativas Especiais. Brasília: CORDE.

Vasques, C. K., & Baptista, C. R. (2014, jul./set.). Transtornos Globais do Desenvolvimento e Escolarização: o conhecimento em perspectiva. Educação & Realidade, 39(3), 665-685.

Vigotski, L.S. (1997). Fundamentos de Defectologia (Obras Escogidas, Tomo V). Madrid: Visor.

Vilaronga, C. A. R., & Caiado, K. R. M. (2013, mar.). Processos de escolarização de pessoas com deficiência visual. Rev. bras. educ. espec., 19(1), 61-78.




DOI: https://doi.org/10.23925/2175-3520.2020i51p51-62

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.