PROMOÇÃO E PREVENÇÃO EM SAÚDE MENTAL NA INFÂNCIA: IMPLICAÇÕES EDUCACIONAIS

Nicole Costa Faria, Marisa Cosenza Rodrigues

Resumo


Nos últimos anos, um novo paradigma em saúde mental vem se consolidando, impulsionado por novas formas de compreender e intervir sobre os processos de saúde. Uma perspectiva mais abrangente, contextualizada e focada nos processos de saúde ganha força, em detrimento de uma abordagem reducionista, institucionalizante e que enfatizava a doença. Nesse contexto, as práticas de promoção e prevenção em saúde mental ganham espaço, as quais objetivam potencializar a saúde psicológica e evitar o surgimento de problemas a ela associados. Assim, este trabalho pretendeu discutir quais as implicações educacionais deste novo paradigma no que diz respeito à saúde mental de crianças e adolescentes. Inicialmente, traça-se um histórico da atenção à saúde mental infantil no Brasil, evidenciando um longo período de descaso e marginalização em relação a essa população. Posteriormente, são discutidos os pressupostos que fundamentam as ações de promoção e prevenção em saúde mental e o papel da escola nesses processos. Finalmente, são discutidos alguns estudos de revisão sobre a implementação de programas de prevenção e promoção em contexto escolar. Acredita-se que a construção de estratégias destinadas à promoção de saúde mental configura-se como um desafio atual, sobretudo, no contexto educacional.

Palavras-chave


Saúde mental; Promoção de saúde; Saúde escolar

Texto completo:

PDF

Referências


Abreu, S., Barletta, J. B., & Murta, S. G. (2015). Prevenção e promoção em saúde mental: pressupostos teóricos e marcos conceituais. In: S. G. Murta, C. Leandro-França, K. B. Santos, & L. Polejack, (Orgs.). Prevenção e promoção em saúde mental (pp. 54-74). Novo Hamburgo: Sinopsys.

Abreu, S., Miranda, A. A. V., & Murta, S. G. (2016). Programas preventivos brasileiros: quem faz e como é feita a prevenção em saúde mental? Psico-USF, 21(1), 163-177.

Abreu, S., & Murta, S. G. (2012). O estado da arte da pesquisa em prevenção em saúde mental no Brasil: uma revisão sistemática. Capítulo 2 da Dissertação de Mestrado (não publicada). Universidade de Brasília: Brasília.

Alves, G. G., Aerts, D. R. C., & Câmara, S. G. (2015). O papel das escolas promotoras de saúde no fortalecimento de estilos de vida saudáveis. In: J. C. Sarriera, T. E. Saforcada, & J. A. Inzunza (Orgs.). Perspectiva psicossocial na saúde comunitária: a comunidade como protagonista (pp.

-166). Porto Alegre: Sulina.

ANVISA (2012). Boletim de Farmaco e pidemiologia do SNGPC, ano 2, n. 2. Brasília.

Bordini, D., Gadelha, A., Paula, C. S., & Bressan, R. A. (2012). Encaminhamento escolar de crianças e adolescentes para o CAPSi: o peso dos encaminhamentos incorretos. Revista Brasileira de Psquiatria, 34(4),

-496.

Brasil. Ministério da Educação. (1996). Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, DF.

Brasil. Ministério da Educação. (1997). Parâmetros curriculares nacionais: introdução aos parâmetros curriculares nacionais. Brasília, DF.

Brasil. Ministério da Saúde. (2002). Relatório Final da III Conferência Nacional de Saúde Mental. Brasília, DF.

Brasil. Ministério da Saúde. (2005). Caminhos para uma política de saúde mental infanto-juvenil. Brasília, DF.

Brasil. Ministério da Saúde. (2010). Relatório Final da IV Conferência Nacional de Saúde Mental-Intersetorial. Brasília, DF.

Bressan, R. A., Kieling, C., Estanislau, G. M., & Mari, J. J. (2014). Promoção da saúde mental e prevenção de transtornos mentia no contexto escolar. In: G. M. Estanislau, & R. A. Bressan (Orgs,). Saúde mental na escola: o que os educadores devem saber (pp. 37-47). Porto

Alegre: Artmed.

Brzozowski, F. S., & Caponi, S. N. C. (2013) Medicalização dos desvios de comportamento na infância: aspectos positivos e negativos. Psicologia: Ciência e Profissão, 33(1), 208-221.

Buss, P. M. (2003). Uma introdução ao conceito de promoção da saúde. In: D. Czeresnia, & C. M. Freitas (Orgs.). Promoção da saúde: conceitos, reflexões e tendências (pp. 15-38). Rio de Janeiro: Fiocruz.

Couto, M. C. V., Duarte, C. S., & Delgado, P. G. G (2008). A saúde mental infantil na Saúde Pública brasileira: situação atual e desafios. Revista Brasileira de Psiquiatria, 30(4), 390-398.

Couto, M. C. V., & Delgado, P. G. G. (2015). Crianças e adolescentes na agenda política da saúde mental brasileira: inclusão tardia, desafios atuais. Psicologia Clínica, 27(1), 17-40.

Cunha, C. C., & Boarini, M. L. (2011). O lugar da criança e do adolescente na reforma psiquiátrica. Revista Psicologia e Saúde, 3(1), 68-76.

Czeresnia, D. (2003). O conceito de saúde e a diferença entre prevenção e promoção. In: D. Czeresnia, & C. M. Freitas (Orgs.). In: G. M. Estanislau, & R. A. Bressan (Orgs.). Promoção da saúde: conceitos, reflexões e tendências (pp. 39-53). Rio de Janeiro: Fiocruz.

Damon, W. (2004). What is positive youth development?. The Annals of the American Academy of Political and Social Science, 591, 13-24.

Durlak, J. A., Weissberg, R. P., Dymnicki, A. B., Taylor, R. D., & Schellinger, K. B. (2011). The impact of enhancing students’ social and emotional learning: A meta-analysis of school-based universal interventions. Child Development, 82(1), 405–432.

Feitosa, H. N., Ricou, M., Rego, S., & Nunes, R. (2011). A saúde mental das crianças e dos adolescentes: considerações epidemiológicas, assistências e bioéticas. Revista bioética, 19(1), 259-275.

Ferreira, R. R. (2015). A medicalização nas relações saber-poder: um olhar acerca da infância medicalizada. Psicologia em Estudo, 20(4), 587-598.

Figueiredo, T. A. M., Machado, V. L. T, & Abreu, M. M. S. (2010). A saúde na escola: um breve resgate histórico. Ciência & Saúde Coletiva, 15(2), 397-402.

Fleitich-Bilyk, B., Cunha, G. R., Estanislau, G. M., & Rosário, M. C. (2014). In: G. M. Estanislau, & R. A. Bressan (Orgs,). Saúde mental na escola: o que os educadores devem saber (pp. 25-36). Porto Alegre: Artmed.

Gonçalves, F. D., Catrib, A. M. F., Vieira, N. F. C., & Vieira, L. J. E. S (2008). A promoção de saúde na educação infantil. Interface – comunicação, saúde, educação, 12(24), 181-192.

Guzzo, R. S. L. (2016). Risco e proteção: análise crítica de indicadores para uma intervenção preventiva na escola. In M. N. Viana & R. Francischini (Orgs.). Psicologia escolar: que fazer é esse? (pp. 9-26). Brasília, Conselho Federal de Psicologia.

Lara, M. G., Piña, J. G., Hoyos, M. F., Navarro, A. N. S., & Llona, M. P. G. (2012). Salud mental em escuelas vulnerables: evaluación del componente promocional de um programa nacional. Revista de Psicología de la Universidad de Chile, 21(2), 55-81.

Marçal, V. P. B., & Silva, S. M. C. (2006). A queixa escolar nos ambulatórios públicos de saúde mental: práticas e concepções. Psicologia Escolar e Educacional, 10(1) 121-131.

Martínez, A. M. (1996). La escuela: un espacio de promocion de salud. Psicologia Escolar e Educacional, 1(1).

Menezes, J. C. L., & Miranda, A. A. (2015) Desenvolvimento positivo: origem, conceito e prática. In: S. G. Murta, C. Leandro-França, K. B. Santos, & L. Polejack (Orgs.). Prevenção e promoção em saúde mental (pp. 419-433). Novo Hamburgo: Sinopsys.

Murta, S. G. (2007). Programas de prevenção a problemas emocionais e comportamentais em crianças e adolescentes: lições de três décadas de pesquisa. Psicologia: Reflexão e Crítica, 20(1), 1-8.

Murta, S. G., Günther, I. A., & Guzzo, R. S. L. (2015). Prevenção e promoção em saúde mental no curso da vida: indicadores para a ação. In: S. G. Murta, C. LeandroFrança, K. B. Santos, & L. Polejack (Orgs.). Prevenção e promoção em saúde mental (pp. 34-53). Novo Hamburgo:

Sinopsys.

Ribeiro, P. R. M. (2006). História da saúde mental infantil: a criança brasileira da Colônia à República Velha. Psicologia em Estudo, 11(1), 29-38.

Schneider, D. R. (2015). Da saúde mental à atenção psicossocial: trajetórias da prevenção e da promoção de saúde. In: S. G. Murta, C. Leandro-França, K. B. Santos, & L. Polejack (Orgs.). Prevenção e promoção em saúde mental (pp. 34-53). Novo Hamburgo: Sinopsys.

Silva, M. O. E. (2009). Da exclusão à inclusão: concepções e práticas. Revista Lusófona de Educação, 13, 135-153.

Vieira, M. A., Estanislau, G. M., Bressan, R. A., & Bordin, I. A. (2014) Saúde Mental na Escola. In Estanislau, G. M., Bressan, R. A. (Orgs.). Saúde mental na escola: o que os educadores devem saber (pp. 13-23). Porto Alegre: Artmed.

Weare, K., & Nind, M, (2011). Mental health promotion and problem prevention in schools: what does the evidence say? Health Promotion International, 26(1), 29-69.

World Health Organization (2005). Promoting Mental Health. Geneva: WHO Press.




DOI: https://doi.org/10.23925/2175-3520.2020i51p85-96

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.