DESENVOLVIMENTO MORAL NA CIBERCULTURA

Wagner Roberto Dias Nascimento, Ana Cristina Salviato-Silva, Betânia Alves Veiga Dell’ Agli

Resumo


A maneira como as tecnologias digitais de informação e comunicação são discutidas e ensinadas em ambiente escolar podem não incluir de maneira sistemática a discussão sobre o impacto no comportamento ético. Privilegia-se apresentálas como ferramenta de estudos, engajamento ou entretenimento, porém sua utilização em idade cada vez mais precoce apresenta a cibercultura para um indivíduo em desenvolvimento moral, com implicações ainda pouco exploradas uma vez que é fenômeno recente. O objetivo deste artigo é analisar reações diante de situações de cunho ético e moral no uso de tecnologias digitais de informação e comunicação (TDIC) por universitários que foram expostos à internet em idade de desenvolvimento moral. De abordagem quantitativa, este artigo inclui uma breve explanação sobre teorias de desenvolvimento moral e apresenta os resultados de um estudo de campo com 308 participantes, em situações tais como pirataria, plágio e cyberbullying. Foi possível identificar divergência no comportamento em razão da mídia empregada. Também se destaca a importância de as instituições manterem canais apropriados para acolhimento de problemas relacionados ao uso inadequado da internet, e indica a educomunicação como possibilidade para superação desse desafio e progresso do desenvolvimento humano local e global.

Palavras-chave


Internet; Moral; Educação; Desenvolvimento humano; Educomunicação

Texto completo:

PDF

Referências


Bauman, Z. (1997). Ética Pós-Moderna (J.R.Costa, trad.). São Paulo: Paulus. (Trabalho original publicado em 1993).

Benjamin, G. (2017). Privacy as a Cultural Phenomenon. Journal of Media Critiques, 3(10). https://doi.org/10.17349/Jmc117204

Brasil. Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012 - Estabelece diretrizes e normas envolvendo pesquisas com seres humanos (2012). Brasília-DF: Ministério da Saúde.

Brasil. Lei nº 12.965, de 23 de abril de 2014 - Estabelece princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da Internet no Brasil (2014). Brasília-DF.

Brasil. Lei nº 13185, de 06 de novembro de 2015 - institui o programa de combate a intimidação sistemática (bullying) (2014). Brasília-DF.

Casali, R. D. R. B., & Da Costa, F. J. (2014). Uma análise dos impactos da estrutura de custos percebida sobre a predisposição à pirataria de software. REGE - Revista de Gestão, 21(2), 253–268. https://doi.org/10.5700/rege529.

Cochran, W. G. (2007). Sampling techniques. Wiley India Limited.

Creswell, J. W. (2007). Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. trad. Luciana de Oliveira da Rocha. (Trabalho original publicado em 2003).

Emilia, M., Nobre, A., & Bretan, M. E. A. N. (2012). Violência sexual contra crianças e adolescentes mediada pela tecnologia da informação e comunicação: elementos para a prevenção vitimal. Tese de doutorado. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.

teses.usp.br/teses/disponiveis/2/2136/tde-22042013-111456/publico/tese_completa_maria_emilia_a_n_bretan_fd_usp2012.pdf

Equipe Estatcamp. (2014). Software Action. São Carlos - SP, Brasil: Estatcamp- Consultoria em estatística e qualidade.

Fitton, V., Ahmedani, B., Harold, R., & Shifflet, E. (2013). The Role of Technology on Young Adolescent Development: Implications for Policy, Research and Practice. Child and Adolescent Social Work Journal, 30(5),

–413. https://doi.org/10.1007/s10560-013-0296-2

Flores, A., & James, C. (2013). Morality and ethics behind the screen: Young people’s perspectives on digital life. New Media & Society, 15(6), 834–852. https://doi.org/10.1177/1461444812462842

Freeman, A., Adams Becker, S., & Hall, C. (2015). 2015 NMC Technology Outlook for Brazilian Universities: A Horizon Project Regional Report. Austin, Texas.

Gert, B., & Gert, J. (2016). The Definition of Morality. Stanford Encyclopedia of Philosophy, Spring.

Graham, J. (2012). Running head: Moral Foundations Theory. New York.

Haidt, J., & Graham, J (2007). When morality opposes justice: Conservatives have moral intuitions that liberals may not recognize. Social Justice Research, 20, (1), 98–116.

Haidt, J. (2012) The righteous mind: why good people are divided by politics and religion. New York, USA: Knopf Doubleday Publishing Group.

IBGE. (2016). Acesso à internet e à televisão e posse de telefone móvel celular para uso pessoal. Rio de Janeiro: IBGE.

ISTE. (2016). Standards for Students: transformative learning with technology. Arlington/USA. Recuperado de https://www.iste.org/standards/standards/for-students

Jones, C., Ramanau, R., Cross, S., & Healing, G. (2010). Net generation or Digital Natives: Is there a distinct new generation entering university? Computers and Education, 54(3), 722–732. https://doi.org/10.1016/j.

compedu.2009.09.022

Kant, I. (2007). Fundamentação da Metafísica dos Costumes (P. Quintela, trad.). Lisboa/Portugal: Edições 70. (Trabalho original publicado em 1785).

La Taille, Y. de. (2006). Moral e ética: dimensões intelectuais e afetivas. Porto Alegre: Artmed.

Lau, W. W. F., & Yuen, A. H. K. (2014). Internet ethics of adolescents: Understanding demographic differences. Computers & Education, 72, 378–385. https://doi.org/10.1016/j.compedu.2013.12.006

Levy, P. (1999). Cibercultura (trad. C.I. Costa). São Paulo: Editora 34. (Trabalho original publicado em 1997).

Livingstone, S. (2014). Evidence-based recommendations for parents, teachers and policy makers: a view from Europe. ICT Kids Online Brazil 2013: Survey on Internet Use by Children in Brazil, 177–184. Retrieved from http://www.cetic.br/publicacoes/2012/tic-kids-online-2012.pdf

Ma, H. K., Keung Ma, H., & Ma, H. K. (2011). Internet Addiction and Antisocial Internet Behavior of Adolescents. TheScientificWorldJOURNAL, 11, 2187–2196. https://doi.org/10.1100/2011/308631

Machmutow, K., Perren, S., Sticca, F., & Alsaker, F. D. (2012). Peer victimisation and depressive symptoms: Can specific coping strategies buffer the negative impact of cybervictimisation? Emotional and Behavioural Difficulties, 17(3–4), 403–420. https://doi.org/10.1080/13632752.2012.704310

Moran, J. M. (1993). Leitura dos meios de comunicação. São Paulo: Pancast.

OCDE. (2017). PISA 2015 Results (Volume III) Students’ Well-Being. Paris, France: PISA. https://doi.org/http://dx.doi.org/10.1787/9789264273856-en Orel, A., Campbell, M., Wozencroft, K., Leong, E., & Kimpton, M. (2015). Exploring university students’ coping strategy intentions for cyberbullying. Journal of Interpersonal Violence, 1–17. http://doi.org/10.1177/0886260515586363

Piaget, J. (1994). O Juizo Moral na Crianca (E.Lenardon, trad.). São Paulo: Summus. (Trabalho original publicado em 1932).

PNUD. (2001). Relatório do Desenvolvimento Humano 2001. Fazer as Novas Tecnologias Trabalhar para o Desenvolvimento Humano. Programa Das Nações Unidas Para O Desenvolvimento.

Prensky, M. (2001). Digital Natives, Digital Immigrants. On the Horizon, 9(5), 1–6. https://doi.org/10.1108/10748120110424816

Prensky, M. (2006). Listen to the Natives. Educational Leadership, 63(4), 8–13.

Ricoy, C., Feliz, T., & Couto, M. J. (2013). The Digital Divide among University Freshmen. Turkish Online Journal of Educational Technology - TOJET, 12(2), 262–268.

Roberto, M. S., Fidalgo, A., & Buckingham, D. (2015). De que falamos quando falamos de infoexclusão e literacia digital? Perspetivas dos nativos digitais. Observatorio, 9(1), 043–054.

Sampieri, R. H., Collado, C. F., & Lucio, M. del P. B. (2013). Metodologia de pesquisa (5th ed.). Porto Alegre/RS: Penso.

SANTAELLA, L. (2013). Leitor prossumidor: desafios da ubiquidade para a educação. Revista Ensino Superior Unicamp, abr-jun(9), 19–28.

Schwartz, G. (2013). Smile: You are at Play! Videogames, Education and the Morality of Icons in the Mediapolis. Significação: Revista de Cultura Audiovisual, 40(39), 231–242. https://doi.org/10.11606/issn.2316-7114.

sig.2013.59958

Silva, E. P., Silva, L. C. F. S., & Montoya, A. O. D. (2014). A educação moral: de Durkheim à Piaget. Revista Luminária, 16(2), 1–26.

Soares, I. de O. (2006). Educomunicação - o que é isto? (Vol. maio). São Paulo: Gens instituto de educação e cultura.

Srivastava, C., Dhingra, V., Bhardwaj, A., & Srivastava, A. (2013). Morality and moral development: Traditional Hindu concepts. Indian Journal of Psychiatry, 55, 283.

Talwar, V., Gomez-Garibello, C., & Shariff, S. (2014). Adolescents’ moral evaluations and ratings of cyberbullying: The effect of veracity and intentionality behind the event. Computers in Human Behavior, 36,

–128. https://doi.org/10.1016/j.chb.2014.03.046

Turiel, E. (1983). The development of social knowledge: morality and convention (2nd ed.). Cambridge.

Turiel, E. (2012). Moral reasoning, cultural practices, and social inequalities. Innovacion Educativa, 12(59), 17–32.

UNESCO. Transformando Nosso Mundo: A Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável (2015). Rio de Janeiro. Recuperado de http://www.unesco. org/new/pt/brasilia/post-2015-development agenda/

unesco-and-sustainable-development-goals/sustainable-development-goals-for-education/

UNESCO. (2017). School Violence and Bullying: Global Status Report.

Valente, J. A. (1997). Informática na educação: instrucionismo x construcionismo. Manuscrito não publicado. Campinas/SP: NIED/Unicamp. Recuperado de http://www.educacaopublica.rj.gov.br/biblioteca/tecnologia/0003.html

Valente, J. A. (2016). Integração do Pensamento Computacional no Currículo da Educação Básica: Diferentes Estratégias Usadas e Questões de Formação de Professores e Avaliação do Aluno. Revista E-Curriculum,

, 864–897. Retrieved from http://www.redalyc.org/pdf/766/76647706006.pdf




DOI: https://doi.org/10.23925/2175-3520.2020i51p107-115

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.