Tipologias de Empreendedores Acadêmicos e Limites e Possibilidades da Integração com Empresas e o Estado

Celso Fraga da Silva, Américo da Costa Ramos Filho, Thiago Borges Renault, Marcus Vinícius de Araújo Fonseca, Sérgio Yates

Resumo


Este artigo objetiva explorar perspectivas alternativas de tipologias de empreendedorismo acadêmico. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, de caráter exploratório, com orientação fenomenológica e hermenêutica e com utilização da técnica amostral bola de neve para recrutamento dos entrevistados. Os sujeitos da pesquisa foram constituídos por 15 acadêmicos de duas universidades públicas do estado do Rio de Janeiro, que, de alguma forma, exerceram ou tentaram exercer atividades de empreendedorismo acadêmico e/ou se autodeclaram empreendedores de acordo com suas representações cognitivas do fenômeno. Optou-se pela utilização de entrevistas semiestruturadas conversacionais em profundidade, como a técnica de coleta de dados. As conclusões da pesquisa dão algumas pistas sobre os caminhos plurais do processo de produção, difusão e comercialização do conhecimento.

Palavras-chave


Empreendedorismo Acadêmico; Abordagem Triple Helix; Novo Marco Legal da CT&I

Texto completo:

PDF

Referências


Aldridge, T. T., & Audretsch, D. (2017). The Bayh-Dole act and scientist entrepreneurship. In Universities and the Entrepreneurial Ecosystem. Edward Elgar Publishing.

Biernacki, P., & Waldorf, D. (1981). Snowball sampling: Problems and techniques of chain referral sampling. Sociological Methods & Research, 10(2), 141-163.

Burrell, G., & Morgan, G. (1979). Paradigmas sociológicos e análise organizacional.. Londres: Heinmann.

Lei nº 13.243, de 11 de janeiro de 2016. Dispõe sobre estímulos ao desenvolvimento científico, à pesquisa, à capacitação científica e tecnológica e à inovação. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2016/lei/l13243.htm

Decreto nº 9283, de 7 de fevereiro de 2018. Regulamenta a Lei nº 10.973, de 2 de dezembro de 2004. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2018/Decreto/ D9283.htm

Bulfinch, T. (2001) O Livro de Ouro da Mitologia:(a idade da fábula) Histórias de Deuses e Heróis. Tradução de David Jardim Júnior. Rio de Janeiro: Ediouro.

Cervantes, Miguel de. (2007). Dom Quixote de La Mancha. Trad. Viscondes de C. A. São Paulo: Martin Claret. 2 partes

Creswell, J. W. (2014). Investigação Qualitativa e Projeto de Pesquisa-: Escolhendo entre Cinco Abordagens. Penso Editora.

Dudziak, E. A. (2007). Lei de inovação e pesquisa acadêmica: o caso PEA. (Tese de doutorado), Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Etzkowitz, H. E. (2009). Hélice tríplice: universidade-indústria-governo inovação em ação. Edipucrs.

Fontanella, B. J. B., Luchesi, B. M., Saidel, M. G. B., Ricas, J., Turato, E. R., & Melo, D. G. (2011). Amostragem em pesquisas qualitativas: proposta de procedimentos para constatar saturação teórica. Cadernos de Saúde Pública, 27, 388-394.

Hayter, C. S., Nelson, A. J., Zayed, S., & O’Connor, A. C. (2018). Conceptualizing academic entrepreneurship ecosystems: A review, analysis and extension of the literature. The Journal of Technology Transfer, 43(4), 1039-1082.

Kruglianskas, I., & Matias-Pereira, J. (2005). Um enfoque sobre a Lei de Inovação Tecnológica do Brasil. Revista de Administração Pública, 39(5), 1011-1029.

Lam, A. (2010). From ‘ivory tower traditionalists’ to ‘entrepreneurial scientists’? Academic scientists in fuzzy university—industry boundaries. Social Studies of Science, 40(2), 307-340.

Manzini, E. J. (2003). Considerações sobre a elaboração de roteiro para entrevista semiestruturada. Colóquios sobre Pesquisa em Educação Especial. Londrina: Eduel.

Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações - MCTIC. (2016). Estratégia Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação - ENCTI 2016- 2022. Brasília, DF. Recuperado de http://www.mctic.gov.br/mctic/export/sites/institucional/ciencia/SEPED/Arquivos /PlanosDeAcao/PACTI_Sumario_executivo_Web.pdf

Moustakas, C. (1994). Phenomenological research methods. Sage.

Moreira, D. A. (2002). Método fenomenológico na pesquisa. Cengage Learning Editores.

Schumpeter, J. A. (2017). Capitalismo, socialismo e democracia. SciELO-Editora UNESP. (Obra original publicada em 1942)

Sharif, N. (2006). Emergence and development of the National Innovation Systems concept. Research Policy, 35(5), 745-766.

Shinn, T., & Lamy, E. (2006). Paths of commercial knowledge: Forms and consequences of university–enterprise synergy in scientist-sponsored firms. Research Policy, 35(10), 1465-1476.

Slaughter, S., & Leslie, L. L. (1997). Academic capitalism: Politics, policies, and the entrepreneurial university. The Johns Hopkins University Press, 2715 North Charles Street, Baltimore, MD 21218-4319.

Lewin, C., & Somekh, B. (2017). Teoria e métodos de pesquisa social. Editora Vozes Limitada.

Van Manen, M. (2016). Researching lived experience: Human science for an action sensitive pedagogy. Routledge.

Vinuto, J. (2016). A amostragem em bola de neve na pesquisa qualitativa: um debate em aberto. Temáticas, (44).




DOI: https://doi.org/10.23925/2178-0080.2021v23i2.50713

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Flag Counter

Revista Administração em Diálogo - RAD
ISSN: 2178-0080

EPJ

       

 

Apoio: