A “caixa-preta” da eucaliptocultura: controvérsias científicas, disputas políticas e projetos de sociedade

Alyne dos Santos Gonçalves

Resumo


Neste artigo, discuto aspectos da controvérsia científica em torno do plantio do eucalipto no Brasil, buscando compreender as disputas políticas e os projetos socioambientais mobilizados pelos diferentes contendores. Inspirada nas reflexões de Bruno Latour sobre o fazer científico, busco reconstruir o caminho percorrido pelo naturalista Augusto Ruschi na elaboração de noções e métodos de reflorestamento, os quais ganharam instrumentalização política diferenciada no estado do Espírito Santo, nas décadas de 1940-1950 e 1960-1970: no primeiro momento, seus argumentos se aproximaram da “silvicultura racional”; no segundo, adotou um forte discurso contra a eucaliptocultura. Defendo que, mais do que a rejeição ao eucalipto em si mesmo, Ruschi posicionou-se contra um projeto socioeconômico específico: o do Grupo Aracruz Celulose S. A.

Palavras-chave


Eucaliptocultura; Aracruz Celulose S. A; Augusto Ruschi

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.23925/2176-2767.2019v65p380-415

________________________________________________________________________________________________________

Apoio:

 

Projeto História está indexada em: