MEDICINA E POLÍTICA EM UMA CIDADE IMPERIAL

JOAQUIM VIEIRA DE ANDRADE NO SERRO (MG)

Autores

  • Marcos Lobato Martins Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri, UFVJM

DOI:

https://doi.org/10.23925/2176-2767.2021v71p324-350

Palavras-chave:

Medicina, Modernização, Política, Tradição, Serro oitocentista

Resumo

Este artigo analisa a trajetória profissional e política do médico Joaquim Vieira de Andrade no Serro, durante a segunda metade do século XIX. Discute seu papel destacado na vida local, suas ideias e comportamentos e as razões que levaram as elites serranas a transformá-lo em figura emblemática da ordem local, no momento do bicentenário da cidade (1914), quando se tentava recuperar a antiga proeminência regional do município num contexto nacional de obsessiva busca de modernização econômica, social e urbana. As fontes utilizadas são textos de memorialistas, matérias da imprensa local e regional e documentos dos arquivos da Câmara Municipal do Serro e do hospital Santa Tereza.

Biografia do Autor

Marcos Lobato Martins, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri, UFVJM

Doutor em História pela USP. Professor do Mestrado em Estudos Rurais e do curso de História da Faculdade Interdisciplinar de Humanidades (FIH) da UFVJM, Campus Diamantina (MG).

Referências

ALONSO, A. Ideias em movimento: a geração 1870 na crise do Brasil-Império. São Paulo: Paz e Terra, 2002.

ARAÚJO, V. L. Teófilo Ottoni: política, historiografia e esfera pública no Brasil. 1998. Mestrado, DH-UERJ, Rio de Janeiro, Brasil, 1998.

CAIXETA, V. L. Parteiras mineiras oitocentistas: entre a institucionalização e as práticas costumeiras. Saeculum – Revista de História, no 31, 2014. pp. 103-120.

CELSO, A. Oito anos de Parlamento. Brasília: Senado Federal, 1998.

CHALHOUB, S. Cidade febril: cortiços e epidemias na corte imperial. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

CHAMON, C. S. Escolas de artes e ofícios mecânicos em Minas Gerais em fins do Império. Cadernos de História da Educação, v. 13, no 2, 2014. pp. 569-591.

COELHO, E. C. As profissões imperiais: Medicina, Engenharia e Advocacia no Rio de Janeiro, 1822-1930. Rio de Janeiro: Record, 1999.

FERREIRA, L. O. B. Os Ottoni: Descendentes e colaterais. Rio de Janeiro: L.O.B. Ferreira, 1998.

FIGUEIREDO, B. G. A arte de curar: Cirurgiões, médicos, boticários e curandeiros no século XIX em Minas Gerais. Rio de Janeiro: Vício de Leitura, 2002.

GIRARDET, R. Mitos e mitologias políticas. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.

GUERRA, Z. G. Memórias do meu passado. Porto Alegre: Gráfica e editora NBS, 1988.

LINS, E. Reminiscências Literárias. Rio de Janeiro: Jornal do Commércio, 1941.

MARTINS, M. L. Breviário de Diamantina: uma história do garimpo de diamantes nas Minas Gerais (século XIX). Belo Horizonte: Fino Traço, 2014.

______. Joaquim Felício dos Santos e a modernização republicana. In: LOPES, M. A. (Org.). Grandes nomes da História Intelectual. São Paulo: Contexto, 2003. pp. 465-480.

______. Um arauto da modernização republicana nas Minas Gerais: o pensamento político de Joaquim Felício dos Santos. In: VII Semana de História, FAFIDIA, Diamantina, 2002. (Mimeo.).

MIGUEL, L. F. Em torno do conceito de mito político. Dados, v. 41, no 3, 1998. s/p.

MIRANDA, L. S. A. Olhar de moribundo: o discurso das elites sobre a decadência do Serro de 1912 a 1919. Revista de História do Serro, n. 1, 2002. pp. 7-45.

MOTA, I. M. “A galinha estava morta e pronta e só faltava assar-se”: a revolta escrava do Serro (Minas Gerais, 1864). História Social, no 12, 2006. pp. 35-57.

NEVES, L. M. B. P.; MACHADO, H. F. O Império do Brasil. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1999.

NUNES, A. (Org.). Álbum do Bicentenário do Serro – 29 de janeiro de 1714-29 de janeiro de 1914. Serro, 1914.

OLIVEIRA, L. G.. A presença da igreja nas ações abolicionistas do Norte mineiro: o caso do Bispado de Diamantina, 1864-1888. 2011. Mestrado, DH-UFOP, Mariana, Brasil, 2011.

PENNA, L. A. República Brasileira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1999.

PEREIRA FILHO, J. C. Dr. Simão da Cunha Pereira e Família. Rio de Janeiro, 1992. (Mimeo.).

RAGO, M. L. Do cabaré ao lar: a utopia da cidade disciplinar, Brasil 1890-1930. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1985.

REIS, J. J. O cotidiano da morte no Brasil oitocentista. In: NOVAIS, F.; ALENCASTRO, L. F. (Orgs.). História da vida privada no Brasil. Vol. 2. São Paulo: Companhia das Letras. pp. 95-141.

REIS, L. A. Professor Nelson de Senna. Centenário do Professor Nelson de Senna. Serro, 1976. (Mimeo.).

SALLES, J. F. Se não me falha a memória. São Paulo: Instituto Moreira Salles; Editora Giordano, 1993.

SANTOS FILHO, L. Medicina no período imperial. In: HOLANDA, S. B. (Org.). História Geral da Civilização Brasileira. Tomo II, Vol. 5. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2004. pp. 541-566.

_______. História Geral da Medicina Brasileira. Vol. 2. São Paulo: Hucitec; Edusp, 1991.

SOREL, G. Réflexions sur la Violence. Paris: Seuil, 1990.

SOUZA, J. M.. Cidade, momentos e processos: Serro e Diamantina na formação do Norte mineiro no século XIX. São Paulo: Marco Zero, 1996.

VEIGA, J. P. X. Efemérides Mineiras: 1664-1897. Belo Horizonte: Centro de Estudos Históricos Culturais/Fundação João Pinheiro, 1998.

Downloads

Publicado

2021-09-01