À LUZ DE DOCUMENTOS E MEMÓRIAS

UMA NOVA INTERPRETAÇÃO HISTÓRICA DOS ARAXÁ – OS INDÍGENAS DA TERRA “ONDE PRIMEIRO SE AVISTA O SOL”

Autores

DOI:

https://doi.org/10.23925/2176-2767.2021v71p208-238

Palavras-chave:

Indígenas Araxá, Lenda da Catuíra, Memorialistas, Kayapó do sul, História

Resumo

Durante os séculos XIX e XX, a história dos indígenas Araxá esteve circunscrita à lenda da Catuíra ou às narrativas dos memorialistas. Todavia, a partir da leitura de fontes documentais do século XVIII, uma nova perspectiva de compreensão da história se tornou possível. Partindo do cruzamento desses documentos com a lenda e os trabalhos dos memorialistas, apoiados em questões relacionadas ao imaginário e na literatura especializada, percebe-se convergências e divergências entre essas narrativas, o que permite não só uma nova interpretação da história, como também uma possível aproximação entre os Araxá e os Kayapó do sul.

Biografia do Autor

Robert Mori, Universidade Federal de Uberlândia, UFU

Graduado em História pela Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM). Mestre em Ciências Sociais (Concentração em Antropologia e Sociologia) e Doutor em História pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU). 

Referências

ALVES, D. S. Do alto do Espia: gentios, calhambolas e vadios no Sertão do Campo Grande – século XVIII. Dissertação, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2017. http://doi.org/10.14393/ufu.di.2017.308

AMANTINO, M. O mundo das feras: os moradores do Sertão Oeste de Minas Gerais – Século XVIII. São Paulo: Annablume, 2008.

ANDERSON, R. O mito de Zumbi: implicações culturais para o Brasil e para a diáspora africana. Revista Afro-Ásia, n. 17, 1996. pp. 102-3. http://dx.doi.org/10.9771/aa.v0i17.20859

ARNT, R. et al.; Panará: a volta dos índios gigantes. São Paulo: Instituto Socioambiental, 1998. p. 73.

ATAÍDES, J. M. de. A chegada do colonizador e os Kaiapó do Sul. In: MOURA, M. C. O. de. Índios de Goiás: uma perspectiva histórico-cultural. Goiânia: Editora UCG/Ed. Vieira/Ed. Kelps, 2006. pp. 51-88.

BACZKO, B. Los imaginários sociales: memorias y esperanzas coletivas. Buenos Aires: Ediciones Nueva Visión, 1991.

CARDOSO, Â. dos S. Cópia de uma carta assinada por Ângelo dos Santos Cardoso, secretário de governo do governador e capitão-general de Goiás, D. Marcos Noronha, data de 1749 e constante na Consulta do Conselho Ultramarino, ao rei Dom José, sobre a carta do governador e capitão-general de Goiás, [Conde dos Arcos], D. Marcos de Noronha [...]. Lisboa, 14 /11/1750. Arquivo Histórico Ultramarino – Projeto Resgate – Rede Memória – AHU_ACL_CU_008, caixa 6, documento 456.

CARTA da Camara de Tamanduá á Rainha Maria I a cerca de limites de Minas-Geraes com Goyaz. Revista do Arquivo Público Mineiro. Ouro Preto: Imprensa Oficial de Minas Gerais, Ano/Volume 02, 1897, p. 372-388.

CASTORIADIS, C. A instituição imaginária da sociedade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2010. p. 13.

COLOMBINA, F. T. Escrito de Francisco Tosi Colombina sobre os índios Acroás e Xacriabás aldeados por Vencesláu Gomes da Silva [...], Goiás, 1753. Arquivo Histórico Ultramarino - Projeto Resgate – Rede de Memória – AHU_ACL_CU_008, caixa 9, documento 617.

COSTA, W. Araxá: da maloca ao palácio. Goiânia: Gráfica O Popular, 1987.

ELIADE M. Mito e Realidade. São Paulo: Perspectiva, 2006.

ESPIG, M. J. Ideologia, mentalidades e imaginário: cruzamentos e aproximações. Revista Anos 90, Porto Alegre, n. 10, 1998. pp. 151-167. https://doi.org/10.22456/1983-201X.6220

EWART, E. Space and society in Central Brazil. A Panará ethnography. London; New York: Bloomsbury Academic, 2013.

FARAGE, N. As muralhas dos sertões: os povos indígenas no Rio Branco e a colonização. Rio de Janeiro: Paz e Terra; ANPOCS, 1991.

FERNANDES. R. S. Indígenas na historiografia mineira: estudo de caso. Anais do XX Encontro Regional de História: História e Liberdade. Franca, ANPUH/SP, 2010. Disponível em: http://snh2011.anpuh.org/resources/download/1280371879_ARQUIVO_indigenasnahistoriografiamineira-anpuhsp.doc - Acesso: 28/12/2020 às 16h33.

FREITAS, L. G. O sal da guerra: padre Antônio Vieira e as tópicas teológico-jurídicas na apreciação da guerra justa contra os índios. Tese, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2014.

GIRALDIN, O. Cayapó e Panará: luta e sobrevivência de um povo Jê no Brasil Central. Campinas: Editora da UNICAMP, 1997. p. 57.

GORDON, C. Economia selvagem: ritual e mercadoria entre os índios Xikrin-Mebêngôkre. São Paulo: Editora Unesp: ISA; Rio de Janeiro: NUTI, 2006. p. 123.

GUARINELLO, N. L. História científica, história contemporânea e história cotidiana. Revista Brasileira de História, vol. 24, n 48, 2004. pp. 13-38. https://doi.org/10.1590/S0102-01882004000200002

HALBWACHS, M. A memória coletiva. São Paulo: Vértice/Revista dos Tribunais, 1990.

JOSÉ, O. Indígenas de Minas Gerais. Belo Horizonte: Imprensa Oficial, 1965.

LIMA, G. T. N. O diamante líquido: história, memória e turismo na cidade balneária de Araxá. Uberlândia: EDUFU, 2016.

LIMA, G. T. N.; MORI, R. Caiapós, Araxás, Bororos, Geralistas… conflitos revelados, identidades e memórias construídas no Sertão da Farinha Podre nos séculos XVIII e XIX. Revista Caminhos da História, v. 17, n. 1 e 2, 2012. pp. 217-238.

MANO, M. Sobre as penas do gavião mítico: história e cultura entre os Kayapó. Revista Tellus, ano 12, n. 22, jan./jun., 2012. pp. 133 – 154.

MELLO, J. M. de. Carta do governador e capitão-general de Goiás, João Manuel de Mello, endereçada ao Rei Dom José, escrita em 12 de abril de 1765. Transcrição de Robert Mori. Revista Cadernos de Pesquisa do CDHIS, Uberlândia, v.26, n.1, jan./jun. 2013. https://doi.org/10.14393/cdhis.v26i1.19583

MEMÓRIAS cronológicas, que dizem relação ao q forão inviados a Cidade de S.Paulo para descobridores de Minas de ouro de Sabarabuçú [...]. São Paulo, 20/12/1766. Arquivo Histórico Ultramarino – Projeto Resgate – Rede Memória – I-30, 24, 3.

MONTANDON, L. S. Os índios Arachás. In: ______. Vamos conhecer Araxá. Uberaba: Fóton, 1987. pp. 13-14.

MORI, R. Os aldeamentos indígenas no Caminho dos Goiases: guerra e etnogênese no “Sertão do Gentio Cayapó” (Sertão da Farinha Podre) – séculos XVIII e XIX. Dissertação, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2015.

MORI, R. Mundos em transformação: guerras e alianças entre os Jê e os luso-brasileiros nos sertões da América portuguesa – século XVIII. Tese, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2020. http://doi.org/10.14393/ufu.te.2021.6004

MOURÃO, M. J. de A. Ofício do ex-ouvidor-geral de Goiás, Manuel Joaquim de Aguiar Mourão, ao governador e capitão-general de Goiás D. Francisco de Assis Mascarenhas [...]. Vila Boa, 30/12/1804. Arquivo Histórico Ultramarino – Projeto Resgate – Rede Memória – AHU_ACL_CU_008, caixa 48, documento 2776.

NAVARRO-SWAIN, T. Você disse imaginário? In: ______ (org.). Histórias no plural. Brasília: Editora da Universidade de Brasília, 1994.

NIMUENDAJU, Curt. Mapa etno-histórico do Brasil e regiões adjacentes. Disponível em: http://portal.iphan.gov.br/uploads/ckfinder/arquivos/Mapa%20Nimuendaju%202017%20vers%C3%A3o%20Jorge%2004092017.pdf ¬. Acesso: 19/07/2021 às 9h33.

NORONHA, M. de. Carta do [governador e capitão-general de Goiás, conde dos Arcos], D. Marcos de Noronha, ao rei [D. José] [...]. Vila Boa, 24/01/1751. Arquivo Histórico Ultramarino – Projeto Resgate – Rede Memória – AHU_ACL_CU_008, caixa 6, documento 465.

NORONHA, M. de. Carta do [governador e capitão-general de Goiás], D. Marcos de Noronha, ao rei [D. João V], [...]. Vila Boa, 29/12/1749. Arquivo Histórico Ultramarino – Projeto Resgate – Rede Memória – AHU_ACL_CU_008, caixa 5, documento 427.

O'GORMAN, E. A invenção da América: reflexão a respeito da estrutura histórica do novo mundo e do sentido do seu devir. São Paulo: Editora Unesp, 1992. p. 29.

ORTNER, S. B. Poder e projetos: reflexões sobre a agência. In: GROSSI, M. P.; ECKERT, C.; FRY P. H. Conferências e diálogos: saberes e práticas antropológicas. Blumenau: Nova Letra, 2007. pp. 45-80.

PARECER do Conselho Ultramarino sobre os insultos e hostilidades cometidos pelos índios nas circunvizinhanças das Minas de Goiás e das guerras que se tem feito contra eles. Lisboa, 29/04/1744. Arquivo Histórico Ultramarino – Projeto Resgate – Rede Memória – AHU_ACL_CU_008, caixa 3, documento 237.

PEDROSO, D. M. R. O povo invisível: a história dos Avá-Canoeiros nos séculos XVIII e XIX. Goiânia: UCG, 1994.

PERRONE-MOISÉS, B. Índios livres e índios escravos: os princípios da legislação indigenista do período colonial (séculos XVI a XVIII). In: CUNHA, M. C. da (org.). História dos índios no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras: Secretaria Municipal de Cultura: FAPESP, 1992. pp. 115-132.

PESAVENTO, S. J. Em busca de uma outra história: imaginando o imaginário. Revista Brasileira de História, vol. 15, nº 29, 1995. pp. 9-27.

PONTES, H. de A. Notícia estatístico-chorographica e histórica do município de Araxá. Belo Horizonte: Secretaria da Agricultura Serviço de Estatístico Geral, 1928a.

PONTES, H. de A. Araxá: formação histórico-administrativa. In: CARVALHO, H. Álbum de Araxá. São Paulo: Typographia Gutenberg, 1928b. pp. 7-19.

PONTES, H. de A. História de Uberaba e a civilização no Brasil Central. Uberaba: Academia de Letras do Triângulo Mineiro, 1978.

Povos Indígenas no Brasil: https://pib.socioambiental.org/pt/Povo:Trememb%C3%A9 - Acesso: 30/12/2020 às 12h22.

RAMOS, D. O quilombo e o sistema escravista em Minas Gerais do século XVIII. In: REIS, J. J.; GOMES, F. dos S. Liberdade por um fio: história dos quilombos no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1996. pp. 164-192.

RAVAGNANI, O. M. Os primeiros aldeamentos na província de Goiás: Bororo e Kaiapó na Estrada do Anhanguera. Revista de Antropologia, vol. 39, n. 1, 1996. pp. 221-244.

RESENDE, M. L. C. de. Gentios brasílicos. Índios coloniais em Minas Gerais setecentista. Tese, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2003.

REVISTA DO INSTITUTO HISTÓRICO E GEOGRÁFICO DE GOIÁS. Goiânia: Editora Oriente, Número 9, 1980, p. 130-1, p. 130.

RODRIGUES, R. et al. Acervos arqueológicos musealizados e gestão no MaNa-UFU: possibilidades de interpretações, apropriações e ressignificações no diálogo com as histórias, identidades, alteridades e etnicidades indígenas regionais. Revista de Arqueologia, vol. 34, n. 1, jan./abr., 2021. pp. 89-109. https://doi.org/10.24885/sab.v34i1.849

SANTOS, M. C. dos; FELIPPE, G. G. Protagonismo como substantivo na História indígena. In: _______ (orgs.). Protagonismo ameríndio de ontem e hoje. Jundiaí, Paco Editorial: 2016. pp. 13-52.

SENNA, N. de. Os índios do Brasil. Memoria ethnographica. Revista do Arquivo Público Mineiro. Belo Horizonte: Imprensa Oficial de Minas Gerais, Ano/Volume 13, 1908. pp. 145-218.

SILVA, G. D. da. Carta do superintendente-geral das Minas de Goiás, Gregório Dias da Silva ao rei [D. João V], [...]. Goiás, 02/09/1735. Arquivo Histórico Ultramarino – Projeto Resgate – Rede Memória – AHU_ACL_CU_008, caixa 1, documento 17.

SILVA, S. D. e; CARDOSO, C. Subsídios para a história de Araxá e duas palavras sobre o Triângulo Mineiro. Publicação até 1890. [s.l.: s.n. 1890?].

SOUZA, L. de M. e. Norma e conflito. Violência e práticas culturais no cotidiano de uma expedição contra quilombolas – Minas Gerais, 1769. In: ______. Norma e conflito: aspectos da história de Minas do século XVIII. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 1999. pp. 111-137.

TURNER, T. Os Mebengokre Kayapó: história e mudança social, de comunidades autônomas para a coexistência interétnica. In: CUNHA, M. C. da (org.). História dos índios no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras: Secretaria Municipal de Cultura: FAPESP, 1992. pp. 311-338.

URBAN, G. A história da cultura brasileira segundo as línguas nativas. In: CUNHA, M. C. da (org.). História dos índios no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras: Secretaria Municipal de Cultura: FAPESP, 1992. pp. 87-102.

VASCONCELLOS, D. de. Historia antiga das Minas Geraes. Bello Horizonte: Imprensa Oficial de Minas Geraes, 1904.

WEITZEL, A. H. Folclore literário e linguístico; pesquisas de literatura oral e de linguagem popular. Juiz de Fora: EDUFJF, 1995.

ZEMA, L. Nascimento de Araxá. In: ZEMA, L. Águas de Araxá. Belo Horizonte: Tamoios Editora Gráfica LTDA, 1998. pp. 7-10.

ZERON, C. A. de M. R. Linha de fé: A Companhia de Jesus e a escravidão no processo de formação da sociedade colonial (Brasil, séculos XVI e XVII). São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2011.

Downloads

Publicado

2021-09-01