A HISTÓRIA CONTADA PELOS DABACURIS SELVAGENS

ANTROPOFAGIA E HISTORIOGRAFIA DA AMAZÔNIA

Autores

  • Heraldo Márcio Galvão Júnior Unifesspa

DOI:

https://doi.org/10.23925/2176-2767.2022v73p17-43

Palavras-chave:

Movimento antropofágico, Revista de antropofagia, Historiografia, Oswaldo Costa, Amazônia, Modernismo

Resumo

Este artigo analisa a aproximação entre o movimento antropofágico e a historiografia brasileira a partir das publicações do paraense Oswaldo Costa nas páginas da Revista de Antropofagia. Nela o autor, à maneira de Von Martius, defende uma forma específica de se escrever a história do Brasil a partir do prisma antropofágico e amazônico. Com abundância de referências bibliográficas, históricas e historiográficas, tece críticas a Francisco Varnhagen, Capistrano de Abreu, Eduardo Prado e Paulo Prado, por exemplo, essencialmente por crer que tais autores não compreenderam o país a partir dos problemas, da cultura e das necessidades brasileiras, mas pela óptica acrítica da mentalidade europeia colonial e neocolonial.

Referências

ABREU, C. Ensaios e estudos: (crítica e história). 1. série. Rio de Janeiro: Sociedade Capistrano de Abreu, 1931.

ABREU, C. Correspondência. Rio de Janeiro: INL, 1954.

ANDRADE, O. Os dentes do dragão: entrevistas. São Paulo: Globo, 2009.

ASSUNÇÃO, L. História, filosofia e espaços: a idéia de ocidente em Oswald Spengler. Natal, UFRN, 2008.

BENJAMIN, W. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. São Paulo: Brasiliense, 1994.

BOAVENTURA, M. E. Vanguarda antropofágica. São Paulo: Ática, 1985.

BOSI, A. Antônio Vieira, profeta e missionário: um estudo sobre a pseudomorfose e a contradição. Estudos avançados, São Paulo, v. 22, n. 64, p. 241-254, dez. 2008.

BRÜSEKE, F. J. Ética e técnica? Dialogando com Marx, Spengler, Jünger, Heidegger e Jonas. Ambiente e sociedade (Campinas), v. VIII, nº 2, p. 37-52, 2005.

CÂMARA, J.S. Capistrano de Abreu. Rio de Janeiro, José Olympio, 1969.

CANDIDO, A. Literatura e Sociedade. 11 ed. – Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, 2010.

Carta de Vieira ao rei Don Afonso IV, São Luis do Maranhão, 28 nov. 1659, em Cartas, vol. 1 p. 556.

CASTRO, E. V. Araweté: os deuses canibais. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1986.

CHALLHOUB, S; PEREIRA, L. A. M. A História contada: capítulos de história social da literatura no Brasil. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1998.

COPANS, J. (et all). Antropologia: Ciências das Sociedades Primitivas? Lisboa, São Paulo. Edições 70, Livraria Martins Fontes.

COSTA, O. A “descida” antropophaga. In: Revista de Antropofagia. São Paulo, mai. 1928, Anno I, Número I.

FIGUEIREDO, A. M. Os novos e o centenário: arte, literatura e efeméride no Pará dos anos 20. Revista de Estudos Amazônicos, v. 3, p. 165-183, 2008.

FIGUEIREDO, A. M. Eternos modernos: uma história social da arte e da literatura na Amazônia, 1908-1929. 2001. Tese (Doutorado em História Social) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2001.

GINZBURG, C. O fio e os rastros: verdade, falso, fictício. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

GOMES, A. P. M. B. O conceito de história em Oswald Spengler. Dissertação de mestrado. USP, 2013.

HEMMING, J. Ouro vermelho: a conquista dos índios brasileiros. Trad. Carlos Eugênio Marcondes de Moura. São Paulo: Edusp, 2007.

JÁUREGUI, C. A. Oswaldo Costa, Antropofagia, and the Cannibal Critique of Colonial Moderny. In: Culture & History Digital Journal. December, 2015.

LEVI, E. D. A Família Prado. São Paulo: Cultura 70, 1977.

LISBOA, J. F. Vida do padre Antonio Vieira. Rio de Janeiro: Jackson, 1949.

LYON-CAEN, J; RIBARD, D. L’historien et la littérature. Paris: La Découverte, 2010.

MACARIO, M. P. José Clemente Pereira e o debate jurídico do Império: 1830-1850. Dissertação (mestrado em Direito). Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. São Paulo, 2011.

MACEDO, J. M. Memórias do sobrinho do meu tio. Rio de Janeiro: H. Garnier, Livreiro-Editor, 1904.

MATTOS, I. R. O tempo Saquarema. São Paulo: HUCITEC; [Brasília, DF]: INL, 1987.

MONTEIRO, J. M. Negros da Terra: índios e bandeirantes nas origens de São Paulo. São Paulo: Companhia das Letras, 1994.

MONTOYA, A. R. Manuscripto Guarani. Sobre a Primitiva Catechese dos indios das missões. Composto em castelhano pelo P. Antonio Ruiz Montoya, vertido para guarani por outro padre jesuíta e agora publicado com a traducção portuguesa, notas, e um ebôço gramatical do Abáñeê pelo Dr. Basptista Caetano de Almeida Nogueira. Rio de Janeiro: Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro, 1879, p. 111-112.

MORAES, T. C. Engenharia da História: natureza, geografia e historiografia na amazônia. Dissertação de mestrado. Belém. Pará. UFPA, 2009.

MOTA FILHO, C. A vida de Eduardo Prado. Rio de Janeiro: Livraria José Olympio Editora, 1967.

NETO, M. F.; GAIO, H. P. C. Antropofagia em dois tempos: inverter a história, tensionar o presente. História da Historiografia: International Journal of Theory and History of Historiography, Ouro Preto, v. 13, n. 32, p. 185–220, 2020.

NUNES, B. Oswald Canibal. São Paulo: Editora Perspectiva, 1979.

OLIVEIRA, L. A. A. A. GRAMSCI E PARETO: ITINERÁRIOS DE CIÊNCIA POLÍTICA. Tese. Ciência Política. USP, 2013.

OLIVEIRA, L. N. Os Índios Bravos e o Sr. Visconde: os Indígenas Brasileiros na Obra de Francisco de Adolfo Varnhagen. Dissertação de Mestrado. Belo Horizonte: UFMG / FAFICH, 2000.

PAGANO, S. Eduardo Prado e sua época. São Paulo: O Cetro, 1960.

PLUET-DESPATIN, J. Une contribuition a l’histoire des intellectuelles: les revues. Cahiers de L’Institut du temps present; sociabilités intellectuelles, lieux, milieu, réseaux, mars 1992.

PRADO, E. A Ilusão Americana. 3ª Ed. São Paulo: Editora Brasiliense, 1961.

REIS, J. C. As identidades do Brasil: de Varnhagen a FHC. 3ª ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2000.

RODRIGUES, J.H. “Introdução”. Capítulos de História Colonial (1500/1800) & Os Caminhos Antigos e o Povoamento do Brasil. 5ª. ed. Brasília, UnB, 1963.

ROSA, H. S. História do Rio Amazonas. Pará: Officinas Graphicas do Instituto Lauro Sodré, 1926.

ROUDINESCO, E; PLON, M. Dicionário de psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.

STADEN, H. Duas viagens ao Brasil. Tradução de Guiomar de Carvalho. Belo Horizonte/São Paulo: Ed. Itatiaia, 1988.

UGHES, S. H. Oswald Spengler. New Brunswick: Transaction Publishers, 1992.

Downloads

Publicado

2022-05-01