Sistemas de Inovação Ambiental em Países em Desenvolvimento: uma discussão a partir do desenvolvimento do Etanol de Segunda Geração no Brasil

stela ansanelli, Pedro Pinho Senna, Daniel Augusto Coração de Campos, Guilherme Ribeiro da Silva

Resumo


As inovações ambientais constituem um caminho importante para a redução do hiato tecnológico de países em desenvolvimento, contudo, é pouco explorada, pela literatura, uma abordagem sistêmica adequada à realidade e às características desses países. O objetivo deste artigo é discutir a constituição de sistemas de inovação ambiental em países em desenvolvimento, por meio do estudo de caso do desenvolvimento do Etanol de 2ª Geração (E2G) no Brasil. Observou-se que o E2G constitui uma inovação ambiental de processo e a forma como esse vem sendo realizado caracteriza um Sistema de Inovação Ambiental em E2G de cana no Brasil, pelas interações harmoniosas e coesas entre o Laboratório Nacional de Ciência e Tecnologia do Bioetanol (CTBE), o governo, as instituições de pesquisa (nacionais e estrangeiras), as firmas de diferentes setores (nacionais e estrangeiras) e a demanda em ascensão. 


Texto completo:

Artigo 7

Referências


ALBARELLI, J. Q. Produção de açúcar e etanol de primeira e segunda geração: simulação, integração energética e análise econômica. 2013. 216 f. Tese (Doutorado em Engenharia Química) – Faculdade de Engenharia Química, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 2013.

BANCO NACIONAL DE DESENVOLIVMENTO ECONÔMICO E SOCIAL – BNDES Fundo Tecnológico – BNDES Funtec, 2016. Disponível em:. Acesso em: 01 mar. 2016.

BOGLIACINO, F. et al. Innovation and development: The Evidence From Innovation Surveys. Milão, Bocconi University, 2009.

CENTRO DE GESTÃO E ESTUDOS ESTRATÉGICOS – CGEE. Bioetanol de cana de açúcar: energia para o desenvolvimento sustentável. BNDES e CGGE, Rio de Janeiro: BNDES, 2008.

CHAMINADE, C. et al. Design innovation policies for development: towards a systemic experimentation-based approach. In: LUNDVALL, B. et al (Ed.).Handbook of innovation systems and developing countries: building domestic capabilities in a global setting. Cheltenham, UK: Edward Elgar, 2009.

COSTA, A. C. Caso de sucesso: produção de etanol (2ª Geração). Laboratório de Engenharia de Processos Fermentativos e Enzimáticos (LEPFE) – Faculdade de Engenharia Química, Universidade Estadual de Campinas, 2014. 64 slides. Apresentação Power-point. Disponível em: Acesso em: 02 mar. 2016.

EMPRESA DE PESQUISA ENERGÉTICA – EPE – Ministério de Minas e Energia, Cadernos de Energia – Perspectivas para o etanol no Brasil, 2008.

GREEN, K. Towards environmental innovation – a policy synthesis. In: WEBER, M.; HEMMESLSKAMP, J. (Ed.). Towards environmental innovation systems. Heidelberg, Germany: Springer, 2005.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Pesquisa de inovação 2014. Rio de Janeiro: IBGE, 2016

KEMP, R.; SOETE, L. Inside the “green box”: on the economics of technological change and the environment. In: FREEMAN, C.; SOETE, L. (Ed.). New explorations in the economics or technological change. Pinter Publishes, London & New York, 1990.

KEMP, R.; ARUNDEL, A. Survey indicators for environmental innovation. Oslo: IDEA report, STEP group, 1998.

KEMP, R.; ROTMANS, J. The management of the co-evolution of technical, environmental and social systems. In: WEBER, M.; HEMMESLSKAMP, J. (Ed.). Towards environmental innovation systems. Heidelberg, Germany: Springer, 2005.

LABORATÓRIO NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO BIOETANOL – CTBE, Campinas, 2016. Disponível em:. Acesso em: 01fev. 2016.

LASTRES, H. M. M.; CASSIOLATO, J. E.; ARROIO, A. Sistemas de inovação e desenvolvimento: mitos e realidade da economia do conhecimento global. In: LASTRES, H. M. M.; CASSIOLATO, J. E.; ARROIO, A. (org.) Conhecimento, sistemas de inovação e desenvolvimento. Rio de Janeiro: Editora UFRJ; Contraponto, 2005.

LIMA, M. A. P. (2016) Entrevista sobre o CTBE e suas interações com os agentes no desenvolvimento do E2G. Entrevistador: Pedro Pinho Senna. Campinas: março de 2016.

LIU, X. National innovation systems in developing countries: the chinese national innovation system in transition. In: LUNDVALL, B. et al (Ed.). Handbook of innovation systems and developing countries: building domestic capabilities in a global setting. Cheltenham, UK: Edward Elgar, 2009.

LUNDVALL, B. et al (Ed.). Handbook of innovation systems and developing countries: building domestic capabilities in a global setting. Cheltenham, UK: Edward Elgar, 2009.

LUSTOSA, M. C. Meio ambiente, inovação e competitividade na indústria brasileira: a cadeia produtiva do petróleo. 2002. 246f. Tese (Doutorado em Economia) – Instituto de Economia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2002.

MILANEZ, A. Y. et al. De promessa a realidade: como o etanol celulósico pode revolucionar a indústria da cana-de-açúcar: uma avaliação do potencial competitivo e sugestões de política pública. BNDES Setorial, 41. Rio de Janeiro: BNDES, março de 2015.

MOREIRA, R. F. et al Produção de Bioetanol a partir da hidrólise enzimática do bagaço de cana-de-açúcar. In: XX Congresso Brasileiro de Engenharia Química, 2014, Florianópolis. Anais… Florianópolis : Centro Sul, 2014. Disponível em: . Acesso em: 02 mar. 2016.

NIOSI, J. Building national and regional innovation systems. Cheltenham, UK: Edward Elgar, 2010.

OECD. OECD Studies on environmental innovation: better policies to support eco-innovation, 2011.

OLTRA, V. Environmental innovation and industrial dynamics: the contributions of evolutionary economics. 1ª DIME Scientific Conference, Universidade LouisPasteur, França, 2008.

OLTRA, V.; JEAN, M. S. Sectorial systems of environmental innovation: an application to the French automotive industry. Technological Forecasting& Social Change, 76, p. 567-583, 2009.

PATEL, P.; PAVITT, K. Uneven (and divergent) technological accumulation among advanced countries: evidence and a framework of explanation. In: DOSI, G.; TEECE, D.; CHYTRY, J. (Ed.).Technology, organization, and competitiveness. Perspectives on industrial and corporate change. Oxford: Oxford University Press, 1998.

PINHO, M. G. O. (2016) Entrevista sobre o CTBE e suas interações com os agentes no desenvolvimento do E2G. Entrevistador: Pedro Pinho Senna. Campinas: março de 2016.

PORTER, M. E.; van der LINDE, C. Towards a new conception of the environment – competitiveness relationship. Journal of Economic Perspectives,v. 9, n. 4, p. 97-118, 1995.

PRATES, T.; SERRA, M. Sistemas regionais de inovação em tecnologias ambientais: a experiência de North-RhineWestphalia, Alemanha. Economia & Tecnologia, ano 2, v. 7, p. 127-138, out./dez. 2006.

SRHOLEC, M. A Multilevel analysis of innovation in developing countries. Prague: CERGE-EI, 2011.

WEBER, M.; HEMMELSKAMP, J. Towards environmental innovation systems. Heidelberg, Germany: Springer, 2005.

WORLD BANK. Promoting innovation in developing countries: a conceptual framework. World Bank Poli


Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.