O DUPLO E O FANTÁSTICO NO ROMANCE O RETRATO DE DORIAN GRAY, DE OSCAR WILDE

Elieni Cristina da Silva Amorelli Caputo, Maria Aparecida Junqueira

Resumo


Este artigo objetiva apreender o romance de Oscar Wilde, O retrato de Dorian Gray, como literatura fantástica representante do motivo do duplo, a partir das relações entre arte e vida, sonho e realidade, razão e loucura, em diálogo com a Era Vitoriana. Estudos sobre o fantástico de Bessière (2012), Bizzotto (2016), Ceserani (2006) e Todorov (2014) fundamentam a reflexão sobre o pacto diabólico, a imagem refletida e a hesitação do leitor, evocados da metamorfose da pintura e da juventude incólume de Dorian Gray. A espectralidade da tela e sua insígnia de memória são abordadas a partir de estudos de Agamben (2007 e 2014). Impasses existenciais relacionados com a passagem do tempo, em diálogo com a cultura e a mitologia, são resgatados para a compreensão de formas de subjetividade.

Palavras-chave


Letras; Literatura; Literatura fantástica

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.23925/2316-3267.2020v9i3p288-305

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




     INDEXADORES: