Percepção das mulheres no climatério em relação à sexualidade, à prevenção de doenças sexualmente transmissíveis e à qualidade da assistência pelos profissionais da saúde

Giulia Aneas Perone, Taisa Maria Monteiro Ferraz, Vitória Alcântara Pinheiro, Ruth Bernarda Riveros Jeneral

Resumo


Introdução: A fase climatérica, além de apresentar diversas alterações fisiológicas decorrentes do declínio das concentrações hormonais que interferem na qualidade de vida, sexualidade e autopercepção, ainda carrega os preconceitos e tabus criados pela sociedade. Objetivo: Identificar a percepção das mulheres na fase do climatério em relação aos sintomas apresentados, à sua sexualidade, ao uso de preservativo para prevenção de doenças sexualmente transmissíveis e à qualidade da assistência prestada pelos profissionais da saúde nessa fase. Metodologia: Trata-se de uma pesquisa descritiva com análise qualitativa, que incluiu 15 mulheres na faixa etária de 40 a 65 anos em condições de comunicação. Para a coleta de dados foi realizada uma entrevista gravada em áudio com a questão norteadora: “Como você se sente nessa fase da vida em relação à sua sexualidade, às doenças sexualmente transmissíveis e à assistência do profissional da saúde?”. Para a análise dos dados foi utilizada a técnica do discurso do sujeito coletivo, que visa dar luz ao conjunto de individualidades semânticas componentes do imaginário social. Resultados: Das 15 entrevistas, foi possível identificar 11 ideias centrais e 11 discursos. Mulheres climatéricas na faixa de 54 a 63 anos; 98% usam preservativos; 94% têm vida sexual ativa e companheiros há mais de 10 anos. Considerações finais: Percebeu-se que a parte do objetivo que contemplava a qualidade da assistência prestada pelos profissionais de saúde foi inconclusiva. Assim sendo, não obtivemos resultado final para esse tema, por ser entendido como um aspecto mais abrangente.


Palavras-chave


sexualidade; climatério; doenças sexualmente transmissíveis

Texto completo:

PDF

Referências


Valença CN, Nascimento Filho JM, Germano RM. Mulher no climatério: reflexões sobre o desejo sexual, beleza e feminilidade. Saúde Soc. 2010;19(2):273-85. http://doi.org/10.1590/S0104-12902010000200005

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Manual de atenção à mulher no climatério/menopausa. Brasília: Ministério da Saúde; 2008.

De Lorenzi DRS, Catan LB, Moreira K, Ártico G. Assistência à mulher climatérica: novos paradigmas. Rev Bras Enferm. 2009;62(2):287-93. http://doi.org/10.1590/S0034-71672009000200019

Adashi EY, Berek JS, Hilard PA. Tratado de Ginecologia. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 1998.

Silva JPL, Marcolino EC, Fernandes NMS, Moura IM, Araújo MZ. Representações do climatério e suas repercussões na vida da mulher: uma revisão sistemática. Anais CIEH. 2015;2(1):1-12.

Alves ERP, Costa AM, Bezerra SMMS, Nakano AMS, Cavalcanti AMTS, Dias MD. Climatério: a intensidade dos sintomas e o desempenho sexual. Texto Contexto Enferm. 2015;24(1):64-71. http://doi.org/10.1590/0104-07072015000590014

Oliveira DM, Jesus MCP, Merighi MAB. Climatério e sexualidade: a compreensão dessa interface por mulheres assistidas em grupo. Texto Contexto Enferm. 2008;17(3):519-26. http://doi.org/10.1590/S0104-07072008000300013

Bernardo R, Cortina I. Sexualidade na terceira idade. Rev Enferm UNISA. 2012;13(1):74-8.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Projeção da população do Brasil e das Unidades da Federação [Internet]. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística [acesso em 20 mar. 2017]. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/apps/populacao/projecao/

Santos AFM, Assis M. Vulnerabilidade das idosas ao HIV/AIDS: despertar das políticas públicas e profissionais de saúde no contexto da atenção integral: revisão de literatura. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2011;14(1):147-57. http://doi.org/10.1590/S1809-98232011000100015

Brasil. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Brasília: CNS; 2012.

Lefévre F, Lefévre AMC, Teixeira, JJV. O Discurso do Sujeito Coletivo: uma nova abordagem metodológica em pesquisa qualitativa. Caxias do Sul: EDUCS; 2000.

Lefévre F, Lefévre F. O Discurso do Sujeito Coletivo: um novo enfoque em pesquisa qualitativa (desdobramentos). Caxias do Sul: EDUCS; 2005.

Almeida AB. Reavaliando o climatério: enfoque atual e multidisciplinar. São Paulo: Atheneu; 2003.

Lorenzi DRS, Baracat EC, Saciloto B, Padilha Júnior I. Fatores associados à qualidade de vida após menopausa. Rev Assoc Méd Bras. 2006;52(5):312-7. http://doi.org/10.1590/S0104-42302006000500017

Sociedade Brasileira de Climatério. Consenso brasileiro multidisciplinar de assistência à mulher climatérica. São Paulo: SOBRAC; 2003.

Trench B. A saúde da mulher: reflexões sobre o envelhecer. In: Litvoc J, Brito FC, editores. Envelhecimento: prevenção e promoção da saúde. São Paulo: Atheneu; 2004. p. 220-6.

De Lorenzi DRS, Baracat EC. Climatério e qualidade de vida. Femina. 2005;33(12):899-903.

Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia. Climatério: manual de orientação. São Paulo: FEBRASGO; 2004.

Lorenzi DRS, Saciloto B. Frequência da atividade sexual em mulheres menopausadas. Rev Assoc Méd Bras. 2006;52(4):256-60. http://doi.org/10.1590/S0104-42302006000400027

World Health Organization. Envelhecimento ativo: uma política de saúde. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde; 2005.

Bonança P. Sexualidade e tabu na terceira idade [Internet]. 2008 [acesso em 20 mar. 2017]. Disponível em: https://www.webartigos.com/artigos/sexualidadee-tabu-na-terceira-idade/12189

Dornelas Neto J, Nakamura AS, Cortez LER, Yamaguchi MU. Doenças sexualmente transmissíveis em idosos: uma revisão sistemática. Ciênc Saúde Coletiva. 2015;20(12):3853-64. http://doi.org/10.1590/1413-812320152012.17602014

Brasil. Ministério da Saúde. Departamento de DST, AIDS e Hepatites Virais. DST no Brasil [Internet]. [acesso em 16 out. 2017]. Disponível em: http://www.aids.gov.br/pt-br/publico-geral/o-que-sao-ist




DOI: https://doi.org/10.23925/1984-4840.2019v21i2a7

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2019 Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Apoio: ..............................................................................................................................................

    

Fundação São Paulo - Hospital universitário

 



 

Rev. Fac. Ciênc. Méd. Sorocaba, Sorocaba, SP, Brasil, e-ISSN 1984-4840

A Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.