Apropriação e recontextualização de Medeia em Gota d'água

Lilian Lopondo, Maria Luiza Guarnieri Atik

Resumo


O objetivo deste artigo é a análise da peça Gota D'Água de Chico Buarque e Paulo Pontes. Trata-se de uma releitura da tragédia grega Medeia de Eurípides. A ação se passa na Vila do Meio-Dia, favela da periferia do Rio de Janeiro, onde residem os protagonistas Joana e Jasão. Entrecruzam-se ali os conflitos individuais, vinculados à relação amorosa entre Joana e Jasão, e os políticos, entre o proprietário dos barracos e seus moradores. Serão examinados os mecanismos por intermédio dos quais Chico Buarque e Paulo Pontes procedem ao rebaixamento do texto euripidiano, a fim de apreender a mundividência da peça dos compositores brasileiros, centrada no patriarcado e na desesperança.

Palavras-chave


tragédia; dramaturgia brasileira; apropriação; recriação

Texto completo:

PDF

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 FronteiraZ : Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em Literatura e Crítica Literária

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

FronteiraZ está indexada em: