A TRADUÇÃO COMO TRABALHO: REFLEXÕES

Sandra MADUREIRA

Resumo


Abordamos neste artigo a perspectiva de analisar a tradução a partir de uma categoria proposta por Granger (1968) em sua análise de estilo: o “trabalho”. Temos como objetivo enfocar a atividade tradutória a partir da sua categoria nuclear: o trabalho do tradutor, ou seja, a maneira pela qual o tradutor suscita forma e conteúdo. Posto que todo trabalho de suscitar forma e conteúdo envolve escolha, consideramos que esta se torna uma questão central na análise do processo de tradução. Para ilustrar nossa abordagem, traduzimos do português para o inglês e analisamos o processo tradutório de um poema escrito por Fernando Pessoa em 1913, cujo título é “Dobre”. O “trabalho” deixa entrever o processo dessa “re-produção” ou “re-criação” em um determinado código a partir de um outro código.

 


Palavras-chave


tradução; poema; estilística: forma e conteúdo; trabalho.

Texto completo:

PDF

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Intercâmbio está indexada em:

       

Catálogo de Bibliotecas:

ISSN 2237-759X

A Intercâmbio e os textos aqui publicados estão licenciados com uma Licença Creative Commons Attribution-NoDerivatives 4.0 International. Baseado no trabalho disponível em http://revistas.pucsp.br/intercambio. Podem estar disponíveis autorizações adicionais às concedidas no âmbito desta licença em http://revistas.pucsp.br/intercambio.