James sobre o fluxo da linguagem: com alguns comentários sobre sua influência em Wittgenstein

Roberta Dreon

Resumo


Este artigo sustenta uma leitura do capítulo “Stream of Thought” em The Principles of Psichology segundo o qual William James não formulou uma ideia de significados linguísticos como sentimentos privados que ocorrem dentro da mente do falante, ao contrário, criticava o hábito de, basicamente, considerar a linguagem como uma associação de nomes, devido às consequências ilusórias dessa suposição ao nosso entendimento do pensamento como resultante, principalmente, da soma das suas partes discretas. James sugere a possibilidade de adoção de uma abordagem diferente da linguagem por considerar seus aspectos contínuos, relacionais ou transitivos, em vez de focar exclusivamente nos elementos substantivos. Ele parece convidar seus leitores a adotar uma atitude voltada para a linguagem complementando sua própria visão holística do pensamento como relações contínuas e envolventes. A autora explora a afirmação de que James considerava duas atitudes diferentes para a linguagem (GAVIN, 1992, p. 69): uma abordagem mais crítica e uma disposição que está atenta à dinâmica, contextual e formação corpórea do significado das palavras. Esta leitura baseia-se na ideia, bem como outras, de que The Principles teve uma influência positiva em Wittgenstein, em vez de uma mera crítica—uma interpretação sustentada por um grupo de estudiosos recentes (BONCOMPAGNI, 2012a, 2012b; GOODMAN, 2002; JACKMAN, 2006, 20017; e SANFELIX-VIDARTE, 2016).

Palavras-chave


Atomismo linguístico; Holismo linguístico; Ludwig Wittgenstein; Teoria dinâmica do significado; William James.

Texto completo:

PDF (English)


DOI: https://doi.org/10.23925/2316-5278.2020v21i1p68-82

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Apoio: